Guia da Semana

Estranho no ninho

LOS ANGELES - Hello, Stranger começa de modo simples, com tomadas de árvores e uma pequena vila no Vietnã. Alguém grita por uma jovem desesperadamente. Não a encontra, grita seu nome e se cala. Mudamos rapidamente para a Coréia do Sul, onde um grupo de dissidentes do Norte termina seu curso de adaptação ao "novo mundo" do capitalismo e dos hábitos mais evoluídos. E é pela ótica desses imigrantes que o público é apresentado a Seul e à sensação claustrofóbica vivida por uma pessoa que não tem sequer a noção do que é um caixa eletrônico ou uma megastore.

Curiosamente, a primeira impressão técnica chama a atenção, especialmente pelo hábito de acompanhar a qualidade de equipamentos e filmes utilizados no Brasil. Uma imagem crua, pela ausência de tratamento e certa deficiência do material dá um ar de filme amador da década de 70. Tudo isso combina, porém, com o olhar de quem vê tudo pela primeira vez. Ainda sem amadurecimento suficiente e conhecimento necessário para enfrentar esse novo mundo - capitalista, no caso do personagem; e tecnológico, pelo lado da produção.

Jon-woon é o personagem principal. Vindo do Norte, onde deixou toda a família, é um sujeito simpático, simples e bondoso, acima de tudo, mas é inocente ao extremo. Em sua jornada, ele conhece uma dissidente que trabalha como taxista e, selando seu destino, um imigrante ilegal do Vietnã - a voz desesperada do início da projeção.

A direção e roteiro de Kim Dong-hyun, porém, não permitem que o filme seja um mero drama sobre imigração. Há muito bom-humor e sentimentalismo envolvendo a introdução de Jon-woon a sua nova pátria. O personagem é carismático e altruísta - em excesso, em certas ocasiões. Esse exagero sinaliza uma das deficiências do filme, pois não permite decisões medianas ou mesmo a inabilidade de decidir, tudo é sempre intenso e rapidamente resolvido. Um instinto pró-ativo comanda a obra.

Imigração pode soar como o tema primário, entretanto Hello, Stranger é essencialmente um filme sobre a comunicação e as mazelas provocadas por sua ausência ou complicações. A realidade da Coréia do Sul não representa nada para Jon-woon - sua grandiosidade assusta - e seus códigos de conduta o sobrecarregam. Logo de cara, em seu primeiro dia como cidadão, ele se perde. Sai de casa sem o endereço e não consegue voltar. Embora tenha seu conteúdo dramático, as seqüências são engraçadas. Já o vietnamita não fala coreano, é explorado por um patrão mau-caráter e fica sem dinheiro. Recorre a um roubo para tentar, numa última carga gloriosa, encontrar a namorada.

Os dois se reúnem e improvisam uma comunicação que permite a Jon-woon entender a situação parcialmente e ajudar o garoto desesperado. Daí para frente, segue uma série de confusões de interpretação. Um não entende as reais razões do outro, descobre-se o paradeiro da namorada - uma entre tantas noivas vietnamitas vendidas para trabalhadores em vilas distantes - e uma das cenas mais marcantes. Num quarto de hotel, tarde da noite, os dois expõem mais ainda as dificuldades de comunicação ao tentarem se consolar, em línguas diferentes, deduzindo erroneamente a situação do outro e abrindo a ferida da dor causada por suas decisões. Bela mistura de humor e bom drama.

Embora tenha uma assinatura visual empobrecida, o filme promove um passeio por Seul e várias regiões próximas, mas se constrói nos momentos intimistas dos personagens e na boa atuação de Park In-soo (Jon-woon), que transborda de emoção e carisma.

Hello, Stranger foi meu segundo contato com o cinema sul-coreano. O primeiro foi O Hospedeiro, competente filme sobre monstros e grande surpresa nas bilheterias brasileiras. Duas obras distintas em gênero e qualidade técnica, mas que mostram uma escola esforçada, com bons resultados e profissionais capacitados. Vale a pena ficar de olho.

Hello, Stranger (Cher-eum Man-nan Sa-ram-deul, Coréia do Sul, 2007, 113min) foi visto durante o Los Angeles Film Festival e o repórter teve a oportunidade de conhecer o diretor Kim Dong-hyun, sujeito pacato que se orgulha de seu país e valoriza a disposição e garra dos dissidentes que lutam bravamente para tentar uma vida nova.


Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas