Guia da Semana

Estrelas do Zodíaco

Com a estreia do longa-metragem nacional As Doze Estrelas, o Guia da Semana foi bater um papo com o diretor Luis Alberto Pereira e uma das atrizes do elenco, Adriana Alves.

Fotos: Divulgação
 
O diretor Luiz Alberto Pereira orienta o ator Leonardo Bricio durante as filmagens.

Herculano Fontes (Leonardo Bricio) é um renomado astrólogo contratado por uma rede de TV para ajudar a compor o elenco de uma badalada novela. A missão do personagem é entrevistar dozes atrizes, cada uma de um signo, e selecionar as mais adequadas. Porém, tarde da noite, ele recebe a visita de um senhor bem irônico e misterioso (Paulo Betti), que diz ser, nada mais, nada menos, do que o próprio Destino. O encontro tornará o trabalho de Herculano, que parecia simples, muito complexo. Este é o mote da comédia As Doze Estrelas, longa-metragem com roteiro e direção assinados por Luiz Alberto Pereira.

Segundo ele, a ideia de escrever o roteiro surgiu por notar a forte ligação que as pessoas, em geral, têm com a astrologia. "Essa ciência acompanha o ser humano há mais de 10 mil anos. Vejo que as pessoas leem horóscopo, alguns acreditam, outros não, enfim, o público tem uma relação muito interessante com o tema". Para compor o elenco do longa-metragem, que chega às telas de cinema no Brasil em 13 de maio, o diretor procurou por doze atrizes, cada uma de um signo do Zodíaco, com o intuito que elas representassem as características dos seus respectivos horóscopos na história.

Assim, chegou até a ariana Marta Guerra, a taurina Paula Franco, a geminiana Mylla Christie, a canceriana Martha Meola, a leonina Gabrielle Lopez, a virginiana Francisca Queiroz, a libriana Carla Regina, a escorpiana Leona Cavalli, a sagitariana Adriana Alves, a capricorniana Rosanne Mulholland, a aquariana Silvia Lourenço e a pisciana Djin Sganzela. "Isso facilitou muito até para o próprio ensaio do longa, porque algumas delas falavam 'Nossa, essa parece eu mesma'! Elas acabaram se identificando com o próprio personagem que representam", explica o diretor.

Acaso do destino

 
O ator Paulo Betti interpreta o misterioso personagem Destino no longa-metragem.

As Doze Estrelas foi rodado no polo cinematográfico de Paulínia, interior de São Paulo, e ainda em Mairiporã e Lagoinha - também em São Paulo -, além de Portugal. Pereira conta que as cenas finais foram filmadas naquele país por puro acaso do destino. "Pedi para o pessoal procurar um convento, pois as cenas são num corredor e gostaria de um lugar bonito, no estilo de um convento", diz.

"Quando jogaram na internet 'convento em São Paulo', que era a cidade mais fácil para filmar, apareceu o Convento de São Paulo. Achei lindo, um lugar cheio de história, mas era em Portugal". Para que, por fim, a sequência fosse filmada em terras lusitanas, o filme acabou contando com o apoio do Instituto Português de Cinema.

Críticas

O filme As Doze Estrelas abriu a competição do Festival de Cinema de Paulínia em 2010 e não foi tão bem recebido pelos críticos. Entre outros comentários, disseram que era um "absurdo astrológico" e "avacalha com a telenovela". Na opinião do diretor, a crítica sempre tem razão no que fala, ao menos para ela mesma. "Acho um trabalho muito importante, mas o que acontece no Brasil é que quando os críticos falam muito bem do filme, ele não dá público. Agora, se falar mal, pode-se ter público ou não. E meu objetivo não são eles, mas sim o público".

Após essa primeira exibição, Luis Alberto Pereira diz que alterou a edição final de uma situação específica do filme, mas sem ter relação com o episódio de Paulínia."Insistiram para eu colocar o longa para abrir o festival, pois o público queria ver. Disse que tudo bem, que ainda estava trabalhando nele, mas que tinha sido finalizado". E revela. "Mas tudo bem, agora que mexi nessa parte o que não gostava já está resolvido".

 A estrela de Sagitário



Uma das atrizes que participam de As Doze Estrelas é Adriana Alves que, na história, dá vida a sagitariana Walquíria Passos. Nesta entrevista ao Guia da Semana, ela fala  sobre a experiência de participar do filme, diz como foi filmar um outro longa-metragem em Moçambique, na África, e ainda conta aos leitores quais são seus próximos projetos profissionais.

Guia da Semana: Como surgiu o convite para participar de As Doze Estrelas?
Adriana Alves: Foi divertido, porque fiquei sabendo que fui a última atriz a ser convidada para fazer o filme. A produção ainda não tinha nenhuma atriz sagitariana e não sabiam quem chamar. Fiquei sabendo que me indicaram para o diretor após fazerem uma pesquisa, acho que até na internet, sobre as atrizes, os signos, enfim, e viram que eu era sagitariana. Assim, quando me olhou, ele disse: é você.

Guia da Semana: Por que topou participar do projeto?
Adriana Alves: Achei diferente, pois é um roteiro leve e original. Também foi interessante porque o diretor buscou as atrizes em cima das características de cada signo do zodíaco, acreditando que isso fosse funcionar no filme. Ainda é diferente de tudo o que estamos acostumados a ver no cinema nacional. Por isso, penso que as pessoas que gostam dessa magia da astrologia e da leveza, vão curtir o filme.

Guia da Semana: Fale um pouco de sua personagem, Walquíria Passos.
Adriana Alves: Ela é uma mulher super extrovertida, que gosta de viajar, experimentar coisas diferentes, novas culturas, enfim, coisa de sagitariano mesmo [risos]. E foi muito engraçado, porque, quando fui visitar o Gal [apelido de Luiz Alberto Pereira, diretor do filme], estava com um penteado diferente, usando tranças, e ele amou, pois me disse: "Eu quero que você faça o filme assim". Achei ótimo e concordei em fazer daquele jeito. Na semana seguinte, tive que fazer uma prova de figurino e ele me encontrou novamente. "Adriana, mas seu cabelo está diferente, inclusive, eu quero assim". Lembro que falei "Ok, Gal, então você decide" [risos]. Acho que ele nem lembra mais dessa história, mas foi muito engraçado, pois toda hora ele gostava do meu cabelo de um jeito.

Guia da Semana: O personagem principal da história, Herculano, acaba se envolvendo em várias confusões durante a história, inclusive com as atrizes selecionadas para a novela. A sua personagem se relaciona de que modo com ele?
Adriana Alves: Na verdade, algumas delas têm um relacionamento amoroso com Herculano, outras servem mais como conselheiras, e algumas o deixam mais confuso. A minha personagem entra num papel mais de apaziguadora, porque chega num momento em que a produção está estressadíssima, briga com o Herculano, quer mandar ele embora. E, como a Walquíria vê tudo a distância, acredita que ele é um cara sério, que faz um trabalho bacana e que só não a encontrou porque ela estava viajando. Então, Walquíria briga com todo mundo, colocando todos em seus devidos lugares.

Guia da Semana: E ela tem muitas características da sagitariana?
Adriana Alves: Totalmente! Falamos as coisas meio sem pensar mesmo, doa a quem doer. E eu penso que esse imediatismo funciona, na medida em que não temos que perder muito tempo brigados com as pessoas ou acreditando que as coisas menores prevaleçam. Tem que resolver logo e viver a sua vida, pois o tempo é curto e não sabemos o que vai acontecer amanhã. Isso bem coisa de sagitariana mesmo.

Guia da Semana: Durante a sua carreira, além de televisão, teatro e apresentação de programas, você já fez até cinema em Moçambique. Como foi essa experiência?
Adriana Alves: Moçambique foi muito legal. Há um ano e meio fui convidada para fazer um longa-metragem chamado O Último Voo do Flamingo, dirigido pelo João Ribeiro. Achei o roteiro incrível, baseado na obra original do Mia Couto, um escritor super conhecido em Moçambique. O elenco é misto, e fui a única brasileira ao lado de atores da Itália, Portugal e de Moçambique mesmo. Foi uma grande surpresa para mim [o convite], porque vivemos no Brasil e não temos muita noção do que as pessoas sabem sobre nosso trabalho e do próprio país fora daqui. Achamos que eles só conhecem carnaval, praia e mulheres lindas, mas não é apenas isso. Eles têm uma grande admiração por nosso trabalho e conhecem os atores brasileiros, em função das novelas.

Guia da Semana: E o povo de Moçambique te recebeu bem?
Adriana Alves: O clima é parecido com o nosso, mas três vezes mais quente. Cheguei receosa, pois não sabia se ia conseguir fazer amigos, e tive uma surpresa logo no aeroporto. De dentro do avião já comecei a dar autógrafos e, até o último dia, eu não podia sair na rua sozinha. Isso porque estava passando no país uma novela da qual participei, chamada Duas Caras (da Rede Globo), e as pessoas ficaram encantadíssimas com a personagem. Foi muito bacana, curti muito fazer o filme e fiz muitos amigos em Moçambique. Voltei lá para a estreia do longa e, se bobear, volto lá para trabalhar mais vezes.

Guia da Semana: Quais são seus próximos projetos?
Adriana Alves: Eu continuo fazendo cinema, mas não tenho nenhum projeto em especial agora. O que tenho são textos que os amigos me sugeriram, mas que ainda estão na fase de captação. Então, tem que esperar um pouco. Quanto a teatro, penso em fazer até o final do ano, ou no início de 2012, um projeto em comum com uma amiga chamada Ana Paula Vieira. Seria uma comédia leve, curtinha e com pouco personagens, que acho que vai dar muito certo. Já TV é uma caixinha de surpresas, ainda não sei o que vai rolar. Mas sempre, em paralelo, continuo participando de eventos, apresentando e fazendo desfiles.


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Ator de “Power Rangers” faz homenagem à Chapecoense durante a CCXP 2016

Elenco do filme participa da terceira edição da feira de cultura pop em São Paulo

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017