Guia da Semana

Filmes livres para os nossos sentidos


Assisti a dois filmes do diretor argelino Tony Gatlif. O primeiro deles foi Exílios (2004), numa daquelas situações quando vemos um filme "quase sem querer" e, dia de sorte, saímos do cinema assim, impressionados e satisfeitos. Foi só então que descobri quem era Romain Duris, o ator francês que interpreta Zano (e que pode ser visto, entre outros filmes, em À Francesa (2003), Albergue Espanhol (2002), Bonecas Russas (2005) e no belo De tanto bater meu coração parou, também de 2005). Foi assistindo a Exílios, também, que descobri o diretor, roteirista, compositor e músico... Tony Gatlif.

Ele deve ser assim, meio como eu (mas me entendam, ele tem quase 60 e eu, 25): alguém para quem música é algo fundamental. Indispensável e imprescindível. Tanto em Exílios quanto em Transylvania (este do ano passado, o segundo filme de Gatlif a que assisti, ainda em cartaz em São Paulo) temos a impressão de que há música o tempo inteiro. As cenas mais importantes são acompanhadas de fortes temas, quase todos compostos pelo próprio diretor e o mais marcante: são sempre canções típicas do local onde os personagens estão. Música cigana, espanhola (flamenco), africana (na Argélia), música para rituais de exorcismo e macumba. Até a música romântica cafona que toca na rádio do carro é dele.

Em Exílios, Zano e Naima (Lubna Azabal) partem, numa espécie de êxodo inverso, em busca de suas raízes argelinas. O casal vive na França, a antiga "metrópole" dominadora da Argélia (além da música, elemento forte no Brasil, mais um ponto em comum: nós, também, somos uma ex-colônia). Em Transylvania, a italiana Zingarina (vivida de forma intensa, quase alucinada, por Asia Argento) já começa o filme na Romênia, para onde foi, partindo da França, em busca de seu grande amor e pai do bebê que está pra chegar. A terra estrangeira, mas nem por isso estranha aos personagens (afinal, Gatlif, ele mesmo um argelino radicado na França, é também um homem de muitas pátrias -- ou de lugar nenhum), é o cenário constante das histórias. Nada melhor para que o diretor prove seu talento musical em vários estilos.

Como cinema, em si, alguns dizem que deixa a desejar. Eu não. Gosto do esquema road movie (em Exílios, um road movie sem carro) e sua velha proposta: a busca. Quem parte geralmente está em busca de algo. Busca interior? Tudo, no fim, sempre é uma busca interior. Origens, pessoas, lugares, sentimentos, razões, motivos e causas, tudo é "buscado" e nem sempre encontrado. Os personagens de Gatlif são pessoas livres, a princípio sem raízes, soltas no mundo. E talvez essa necessidade de encontrar algo seja mesmo inerente a qualquer um, mesmo aos mais "caretas", mesmo àquela minha tia, que nunca viajou pra muito longe da minha cidade, no interior de SP.

Pode parecer, por vezes, que o roteiro inexiste. E aí os mais quadrados vão reclamar, mesmo. As cenas vão se sobrepondo, cada uma num cenário, e a impressão que se tem é que existe todo um improviso, um "momento" que dá às seqüências esse caráter solto, livre. Como o são os próprios personagens, como deve ser o próprio Gatlif, enfim. Atenção a Asia Argento: dramática, de personalidade forte, por vezes temos a impressão de ver a própria atriz, sem atuar, ao invés da personagem Zingarina. Louca, quase trash, linda. Seu companheiro no filme, Birol Ünel, é o par perfeito: beberrão, cicatriz, turco radicado na Alemanha, no filme interpretando um cigano romeno. Ele pode ser visto no ótimo Contra a Parede (2004, Alemanha).

Entregue-se, enfim. Assistir a esses filmes é, acima de tudo, aprender a "abrir" os ouvidos e os olhos. Experiências sensoriais. Momentos para ver, ouvir e sentir, sem racionalizar muito. A alma agradece.

Fotos: Divulgação

Leia as colunas anteriores do Fabio:
? A Vida Sonhada dos Anjos: Jovens normais e um incomum choque com a realidade marcam o filme

? Sonhar é para os jovens: Paris, revolução, anos 60. Utopia e charme são retratados Os Sonhadores, de Bernardo Bertolucci.

? Os Incompreendidos: François Truffaut e os primeiros passos da nouvelle vague.

Quem é o colunista: Fabio Rigobelo, 25 anos, vive em São Paulo há 8 anos e é consumidor ardoroso de música e cinema.

O que faz: é jornalista.

Pecado gastronômico: coxinha.

Melhor lugar do Brasil: São Paulo nos feriados.

Fale com ele: fabiorigobelo@hotmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres

17 filmes do Oscar 2017 para assistir em casa

Confira a produções indicadas à premiação disponíveis em streaming e pay-per-view

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio