Guia da Semana

Guerra nas Estrelas sem misticismo

Primeiro longa-metragem animado da saga aposta no militarismo e no ritmo acelerado para dar início à série de TV

De Los Angeles


A retomada de George Lucas a sua maior criação depois do final da Trilogia Clássica foi marcado por um problema: a ausência de "guerra" em Episódio I. O título de Guerra nas Estrelas sempre pressupôs a presença marcante de batalhas, conflitos e uma boa dose de explosões nos filmes anteriores e foi um dos fatores que causou frustração e prejudicou a bilheteria do filme. Lição vivida, lição aprendida. Com isso, ação e ritmo militar não faltam ao novo Star Wars: The Clone Wars, primeiro filme animado ambientado nesse universo. Porém, a tarefa não é simples, uma vez que seu objetivo é definir um novo ritmo, que será seguido na série de TV que estréia no final do ano. E tudo isso é extremamente arriscado, para personagens e equipe de produção, afinal, tudo é novidade, e novidades são incertas.

Embora a micro-série realizada em parceria com o Cartoon Network tenha iniciado esse processo, o trabalho de Gendy Tartakovski (O Laboratório de Dexter) foi apenas um tubo de ensaio para um projeto mais ambicioso: uma série semanal. Seu episódio piloto acabou indo parar no cinema e estréia nesse fim de semana no mundo todo e já divide opiniões. Seja por conta do novo formato ou pelo próprio estilo de direção - longe das mãos de George Lucas -, Star Wars: The Clone Wars terá uma vida difícil, mas não por falhas e sim pelo alto nível de exigência de sua imensa legião de fãs.

Tudo é diferente, a começar pela sensação nova de não ouvir a fanfarra da Fox, que foi preterida pela LucasFilm, que escolheu a Warner Bros. para ser seu novo braço cinematográfico. Para o público é um mero detalhe, mas acaba por ser o primeiro elemento que o difere dos demais longas-metragens da saga. Em seguida, para sacramentar o clima de novidade, o logotipo da LucasFilm toma a tela, entretanto, no lugar do tradicional som da companhia, ouvem-se comunicações de rádio em situações de combate aéreo, comuns em filmes e documentários do History Channel. O trio de sinais é completado quando o Star Wars Main Theme, composto por John Williams, entra em cena, mas em ritmo de marcha militar. Sem sutilezas. Passo marcado e direto, digno de parada de 7 de Setembro.

Nesse ponto, o clima está devidamente construído e definido. O espectador tem um filme de guerra pela frente. E acerta em cheio nesse objetivo, uma vez que acompanhar as batalhas de Obi-Wan Kenobi e Anakin Skywalker durante o conflito que os imortalizou é uma ótima experiência e o filme segue firme nessa proposta. Os personagens principais fazem tudo que se espera deles, então não surpreendem, mas a inovação está em suas tropas: os clone troopers.

Ao contrário dos soldados "bucha de canhão" desprovidos de emoção e qualquer sentido de auto-preservação retratados nos filmes, os clones de Star Wars: The Clone Wars comportam-se como seres vivos. Temem pela vida, tem personalidade e partem para a batalha cheios de adrenalina e ímpeto. Recrutado das inúmeras fileiras de fãs, o diretor de animação David Filoni reforça o conceito de que seus clones se tornaram soldados de verdade, no intuito de humanizar esse conflito e dar mais importância dramática aos combates. A mudança pode ser sentida visualmente pelo corte de cabelo de alguns dos combatentes, nos desenhos feitos ao lado de seus canhões e naves - assim como as pinturas nos bombardeios da Segunda Guerra Mundial. Claro que esse conceito foi assimilado dos inúmeros filmes e série focados na guerra, mas é um elemento bem-vindo e inevitável, especialmente se a proposta do seriado semanal é contar diversos capítulos das Guerras Clônicas.

Toda essa explosão de emoção e personalidade também afeta os dróides do exército Separatista, que servem como comic relief em diversos momentos do longa. A Idéia pode soar infantil no começo, mas, considerando C-3PO como exemplo, é plenamente possível que os robôs sejam emotivos nessa galáxia que enfrenta sua maior batalha, dentro e fora das telas.

Sem a pretensão de reproduzir a realidade com a animação, Star Wars: The Clone Wars vai enfrentar seus fãs de carteirinha no teste de qualidade que vai afetar o futuro da Saga a partir de agora e, acima de tudo, vai dar seus primeiros passos para longe de seu criador, George Lucas. Embora ele continue supervisionando os conceitos criativos, o time de produção é comandado por Catherine Winder e realizado pela LucasFilm Animation, sediada em Singapura. Como Winder descreveu, Lucas se envolve em momentos-chave, quando alguma decisão sobre os rumos do programa ou alguma nova tecnologia precisa ser escolhida. Outro fator importante aqui é o fato de Lucas assumir que sua atenção está voltada para a realização da série em live-action, que deve acontecer em alguns anos.

E aí retomo um ponto de grande divergência a respeito de Guerra nas Estrelas: esse universo tem pique e condição de abastecer uma ou duas séries semanais? Até o momento, sob comando direto de Lucas, vimos a mesma história ser contada ao longo de 30 anos, com algumas alterações, mas basicamente uma auto-reinvenção a cada novo capítulo da história da família Skywalker. A história de George Lucas, claro. Enquanto isso, autores altamente competentes - como Michael A. Stackpole e Robert Salvatore - colocavam o chamado Universo Expandido para rodar em alta velocidade com livros, quadrinhos e jogos, o que manteve a saga viva no interregno entre as duas trilogias.

Nessa aspecto, Lucas se mostrou limitado por não expandir muito sua história original, o que inviabilizaria uma série, por conta das inevitáveis repetições. Afastando-se, porém, o criador permite que novas perspectivas guiem esse caminho de acordo com os desejos da base de fãs. E a presença de pessoas como Filoni, que cresceu idolatrando a saga, é fundamental nesse sentido.

Com isso, tudo indica que agora será a vez de uma Guerra nas Estrelas que os fãs sempre quiseram ver, mas só podiam ler ou jogar. E, como a primeira temporada já está pronta e aguardando a estréia daqui dois meses, nem mesmo problemas de bilheteria podem prejudicar sua performance na TV. Star Wars: The Clone Wars já divide opiniões, seja pela qualidade da animação ou pelo estilo de roteiro, que incomodou alguns críticos.

O objetivo desse filme e também da série é bem claro: mostrar as Guerras Clônicas, seus episódios importantes e dar um pouco espaço para a personalidade de seus protagonistas, e até mesmo extras, ganhar volume. Não é uma história pretensiosa com repentes de grandiosidade, pelo contrário, aposta na simplicidade. No caso do longa, há uma batalha, seguida por uma missão de resgate que é sabotada, um complô contra os mocinhos, outra batalha, manobras audaciosas, dois duelos de tirar o fôlego e o desfecho. É um filme de guerra, logo, precisa mostrar o conflito. E por conta disso arrisca ainda mais ao deixar de lado todo o misticismo da Força. Embora seja citado por Anakin, que agora tem uma Padawan Ahsoka Tano, o campo de energia que permite a vida vira referência de distancia no meio de toda a pancadaria, tiros e explosões. Reflexo claro da sociedade atual, na qual a habilidade física leva vantagem em relação à preparação mental ou, nesse caso, espiritual.

Herói da nova geração, Anakin Skywalker precisa aprender a se controlar e dá um novo passo em sua evolução, tornando-se professor. Pelo menos no filme, pouco se nota sobre o caminho que Anakin trilha em direção ao Lado Negro da Força. O complô de Palpatine está em andamento, sabemos o que vai acontecer, mas, a impressão é que durante as Guerras Clônicas, o jovem Jedi viveu seu apogeu e nem mesmo Darth Sidious foi capaz de tocá-lo em sua glória.

Ele precisa resgatar o filho de Jabba the Hut, que foi seqüestrado. Conde Dooku está por trás do crime, que pretende virar o poderio dos Huts contra os Jedi e a República. E essa luta entre as duas facções pela aliança com as lesmas gigantes garante o ritmo à história. É o típico "filme de menino", independente da presença de três personagens femininas na trama.

Muito além de um filme para os fãs, Star Wars: The Clone Wars aborda outro nicho, o dos filmes de Guerra propriamente ditos. Basicamente um relato dos acontecimentos apenas mencionados no primeiro filme da saga, esse longa-metragem de animação faz algo que nem os maiores produtores de TV como J.J. Abrams conseguem: estréia no cinema, com pompa e circunstância e com direito a première mundial. É a Força de George Lucas, novamente, provando que quando se pensa longe - e tem dinheiro para isso - até mesmo um produto segmentado pode mudar os rumos da história. Ele fez isso em 1977 e repete a dose em 2008. Seja ele bom roteirista ou não, é impossível ignorar suas realizações como visualizador e produtor.


Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro

Ryan Gosling explica risada durante gafe no Oscar 2017

Apresentadores entregaram o prêmio ao filme errado