Guia da Semana

Homem de Ferro: Sucesso sob medida

Novo herói a chegar às telas impressiona e recoloca Robert Downey Jr. no topo da cadeia alimentar de Hollywood. Sem dúvida, uma das melhores escalações da década!

De Los Angeles


Homem de Ferro parece ter sido feito tão milimetricamente quanto a armadura de seu personagem. Não há espaço para erros e a construção, literal, do personagem conquista mesmo quando não há batalhas ou elementos de ação. No centro das atenções está o milionário Tony Stark (Robert Downey Jr.), o criador de um dos heróis mais famosos da Marvel, que estréia com seu primeiro filme solo. Embora cheio de "primeiras vezes", Homem de Ferro empolga do começo ao fim.b

Desde o primeiro filme dos X-Men - com Hugh Jackman vivendo Wolverine -, não havia uma escalação de herói dos quadrinhos tão perfeita quanto a de Robert Downey Jr. para o papel de Tony Stark, ou melhor, do Homem de Ferro. Todo o bastidor polêmico que cerca o ator parece emprestar uma aura curiosa ao personagem, também constantemente assediado pela imprensa, mas sem o elemento drogas atribuído a Downey Jr., Stark constrói armas. Stark entrega morte. Stark é mais playboy que Hugh Hefner (aliás, vivido no filme por ninguém menos que Stan Lee). Entretanto ele sofre na pele o que suas armas podem provocar e resolve fazer algo para mudar isso. No meio do caminho, porém, ele é "forçado" a inventar a armadura Mark I. Era isso ou a morte.

A genialidade de Stark só é comparada à sua surpreendente ingenuidade no mundo dos negócios. É aí que entra Obadiah Stane (Jeff Bridges em ótima forma, mas com barba de Matthew McConaugey em Reino de Fogo), ex-sócio do pai de Stark, o sujeito corporativo que pensa na empresa acima de tudo. Embora óbvio para leitores dos quadrinhos, a construção do vilão demora um pouco e ajuda no ritmo do filme. Aliás, esse é um dos grandes trunfos de Homem de Ferro: ele não depende em nada da versão em quadrinhos e segura as pontas por conta própria.

Os efeitos da ILM são um espetáculo à parte e a armadura do herói é de tirar o fôlego. Fica difícil descobrir se é mais empolgante ver a construção do traje ou as cenas de vôo. A alegria demonstrada por Stark com o "brinquedo novo" contagia a platéia claramente. A ligação, porém, só perde para uma ótima seleção de piadas envolvendo Stark e seus robôs-assistentes. As sacadas são inseridas cirurgicamente no roteiro e conduzidas sem erros pelo diretor e ator John Favreau (Zathura), que também atua como o segurança de Tony Stark. Essa não é a primeira aventura da Marvel da qual ele participa, já que foi o advogado sócio de Matt Murdock em Demolidor.

Homem de Ferro pode ser comparado a uma boa montanha-russa. O espectador paga para assistir a um mergulho na mente de um gênio da engenharia, um herói por opção e torce para que exista mais uma série de loopings e ladeiras depois da última curva. O segundo filme é inevitável. Afinal, ele é Tony Stark, dono da armadura mais desejada do mundo.
Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

Atualizado em 21 Mai 2015.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas

Cinemark exibe “...E O Vento Levou” na próxima terça-feira

“2001: Uma Odisseia no Espaço” e “O Mágico de Oz” serão os próximos clássicos na programação

Serviço permite ir ao cinema todos os dias por mensalidade fixa

Assinaturas do Primepass variam de R$ 39,90 a R$ 139,90