Guia da Semana

Keanu Reeves: O Novo Klaatu

Direto de Los Angeles, ator fala sobre ficção científica e violência nas telas

Los Angeles


Keanu Reeves é veterano em filmes de ficção científica. Atingiu o ponto máximo da fama justamente pelo papel de Neo, na trilogia Matrix e, agora, depois de um tempinho longe do estrelato, retorna às telonas como o alienígena Klaatu em O Dia em que a Terra Parou, remake do clássico de 1951, que aborda o fim dos tempos e a imbecilidade humana. Logo após o término das filmagens, o astro conversou com o Guia da Semana sobre o novo longa, filmes de ficção e até porte de arma!

Você já atuou em vários filmes do gênero Sci Fi antes. O que faz você continuar trabalhando no gênero?

Keanu Reeves:
Ficção científica é uma plataforma. É um veículo extraordinário para qualquer tipo de história. Pode ser um romance, um drama, um thriller ou uma comédia. Você pode imaginar o futuro e voltar para si mesmo, pois, ainda assim, é imaginação, mas que prevê o futuro de certa maneira. É uma grande plataforma para as histórias.

Qual é o objetivo de filmar um remake dessa magnitude?

Keanu Reeves:
É muito importante que nós revitalizemos filmes como esse, para que eles possam ser mostrados a novos espectadores.,Certamente, de outra forma, eles não parariam para ver um filme "velho" em DVD. Então, é uma espécie de trabalho necessário. Eu estou bem empolgado com essa idéia.

Recentemente, você esteve em Os Reis da Rua e interpretou um sujeito cercado pela violência. É muito difícil lidar com um assunto que é a realidade de muita gente?

Keanu Reeves:
Temos que deixar bem claro que toda essa violência do filme é ficcional. Não há nenhum tom de documentário ou de denúncia envolvidos. Entretanto, mesmo em se tratando de algo conceitual, os personagens mostram vários aspectos dessa violência, que também é uma maneira de se expressar sentimentos. Ela pode vir da polícia, que tem senso de controle e poder, por causa da natureza do seu trabalho. Mas também dá a impressão de domínio sobre determinados grupos, dos quais os policiais conseguem aquilo de que precisam - mesmo que seja só para prender alguém. Todavia, por mais extrema que a violência possa ser, ela não é transformadora ou satisfatória o suficiente para acalmar ímpetos.

Mas esse "modo de expressão" precisa ter limites, não?

Keanu Reeves:
A polícia precisa ter seu equilíbrio e balancear tudo de acordo com as necessidades da população. Sem esse conceito, tudo pode parecer abusivo. Felizmente, esse tipo de equilíbrio tem sido a norma na maioria dos casos. De qualquer forma, isso não espanta a corrupção e os exageros. Essa é uma falha humana, não só de policiais. É injusto dizer que só eles têm essa imperfeição moral e física.

Você concorda com o porte de arma?

Keanu Reeves:
Claro, por que não? (risos). Claro que não. Pelo menos, não para mim. É possível argumentar sobre os dois lados dessa situação. Não sou totalmente contra essa possibilidade, mas, com certeza, existem complicações e consequências. Pode não ser algo muito inteligente. Eu não tenho uma arma, por isso não sou qualificado para dizer quais razões levam alguém a ter uma arma em casa.

Quando seria válido para um cidadão comum usar uma arma?

Keanu Reeves:
Quando os Hunos estiverem descendo as colinas (risos). Na defesa pessoal, em último recurso. Assim não haveria crítica ou escapatória.

Você usou armas em vários filmes. O fato de não possuir uma arma na vida real não o incomoda na hora de filmar uma cena dessas? Você é bom de mira?

Keanu Reeves:
Trato o assunto com respeito, é o mínimo que posso fazer. Há um treinamento para filmes desse tipo chamado "atire ou não atire". Basicamente, é uma simulação de ação policial e várias pessoas aparecem - bandidos ou vítimas - e é necessário decidir se dispara ou não. E, se atira, há um laser que diz quanto tempo levou para decidir e em qual tipo de alvo você vacilou mais. Sou bom de tiro, sim. Sou um cara "não atire", mas quando o diretor manda atirar bastante, eu mandava bala. Sorte que Klaatu não precisa dar nenhum tiro, mas possui a melhor de todas as armas: conhecimento.

Leia as matérias anteriores do nosso correspondente:

  • John Lasseter: o salvador da Disney

  • Brendan Fraser: O nome da aventura

  • Dustin Hoffman: ficção e realidade


    Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

    O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

    Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

    Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.


  • Atualizado em 6 Set 2011.

    Compartilhe

    Comentários

    Outras notícias recomendadas

    Diretor de “Fragmentado” revela que o filme será parte de uma trilogia; confira a entrevista completa

    M. Night Shyamalan veio ao Brasil divulgar o suspense que estreia no dia 23 de março

    Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

    "The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

    Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

    Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

    "A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

    Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

    “T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

    Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

    "Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

    Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018