Guia da Semana

Longe dos shoppings

Os cinemas de rua voltam a atrair os apaixonados pela sétima arte e retomam a tradição das grandes Cinelândias

Foto:Getty Image


Nas ruas, ao invés de camelôs e muito carros, na antiga Cinelândia as mulheres desfilavam com seus vestidos longuetes, luvas e chapéu, enquanto os homens vestiam seus melhores ternos, sempre bem alinhados aos sapatos brilhantes. O movimento nasceu com o surgimento de salas de cinema localizadas no centro de grandes capitais como São Paulo e Rio de Janeiro, entre as décadas de 1940 a 1970. Foi palco para inúmeros acontecimentos e reinou absoluto, atraindo desde crianças, jovens, até homens e mulheres sem distinção. As cenas características de uma sessão de cinema não mudaram os anos, mas o espaço e o contexto onde elas acontecem sim, e muito.

Com o passar do tempo e o surgimento dos shoppings centers, a relação entre o público e as grandes metrópoles mudou. Os espectadores abandonaram o centro devido ao estrondoso aumento da violência, o trânsito excessivo e o acúmulo de sujeira que tomava conta das ruas. Isso fez com que muitos desses espaços históricos caíssem no esquecimento e se transformassem em estacionamentos, igrejas e edifícios. 

Juntando, literalmente, os cacos do que restou das antigas salas, nos últimos anos, surgiu por parte de grandes produtoras cinematográficas a preocupação para com os locais depredados. Dessa forma, investiram na reabertura dos saudosos cinemas de rua.

Tradição

Hoje, onde as salas são padronizadas com designers modernos e poltronas reclináveis, os cinemas clássicos de rua ainda têm seus charme. Devido ao grande número de espaços abertos nos shoppings, é muito comum que o telespectador enfrente fila, seja para comprar o ingresso ou sua pipoca. Outras diferenças, comparadas aos cinemas de rua, ficam por conta da variedade de títulos, que costumam seguir um padrão e o valor mais alto do ingresso, já que nos centros de compra existem também outros tipos de lazer.

Já os cinemas de rua têm a característica de deixar o telespectador mais à vontade quanto à escolha do filme. O número de salas muitas vezes não se iguala a de um shopping, porém os filmes não seguem um padrão, o que torna comum encontrar um longa que tenha ficado por pouco tempo em cartaz e até mesmo títulos que não tenham ocupado as salas mais movimentadas. Confira como estão algumas salas tradicionais localizadas em São Paulo e Rio de Janeiro e conheça mais sobre suas histórias. 

SÃO PAULO

Foto: Divulgação


Marabá: Inaugurado em 1944, o espaço serviu de cenário para exibições históricas, como as primeiras produções da companhia Vera Cruz. Manteve suas bilheterias abertas durante 63 anos consecutivos, até 2007, quando foi iniciada sua restauração. O espaço reabriu suas portas após uma reforma com investimento do grupo Playarte.
Onde: Avenida Ipiranga, 757, Centro - (11) 5053-6995

Cinema da Vila: Em 1959 era conhecido como Cine Fiametta. Nos anos 80 foi arrendado e alugado pela Companhia Cinematográfica Franco-Brasileira. Em seguida ganhou o nome de Sala Cinemateca e exibiu uma cópia raríssima de Joana d'Arc (1929), de Carl T. Dreyer. Nos anos 90 se tornou ponto de encontro de pessoas ligadas ao cinema e interessadas pelo assunto.
Onde: Rua Fradique Coutinho, 361 ,  Pinheiros - (11) 5096-0585

HSBC Belas Artes: Situado na esquina da rua da Consolação com a Av. Paulista, foi inaugurado em 1967 com apenas três salas. Nos anos 80 passou por uma reforma e ganhou mais três espaços, batizados com nomes de artistas brasileiros. Fechou em 2002 e foi reaberto em 2004 após apoio da iniciativa privada.
Onde: Rua da Consolação, 2423, Consolação - (11) 3258-4092

CineSesc: Inaugurado em setembro de 1979, o CineSesc tem como característica em sua programação privilegiar obras dos mais diferentes países do mundo. Considerada umas das salas mais charmosas de São Paulo, possui um bar, onde é possível assistir às projeções tomando um café. Homenageia diretores, atores e atrizes, exibindo seus principais filmes.
Onde: Rua Augusta, 2075, Cerqueira César - (11) 3082-0213

Espaço Unibanco: O antigo Cine Gaumont Majestic foi inaugurado em 1967 com apenas três salas. Em 1995 ganhou duas novas e uma cafeteria, localizadas na mesma rua, em frente do prédio original. O público que o procura busca uma programação variada, focada em filmes europeus, latinos e com um estilo cult.
Onde: Rua Augusta, 1475 (salas 1, 2 e 3) e 1470 (salas 4 e 5) - Cerqueira César - (11) 3288-6780

Lilian Lemmertz: O espaço privilegia as produções nacionais e foi idealizado pela filha da homenageada, a atriz Júlia Lemmertz, seu marido Alexandre Borges e a produtora PoliFilme. O local possuía um cinema e um teatro em arrendamento no Shopping Pompéia Nobre e estava inativo antes da reforma. Hoje conta com 90 lugares e novos equipamentos.
Onde: Rua Clélia, 33 - Pompéia - (11) 3873-9817

Gemini: Inaugurado em 1975, ganhou esse nome por ter duas salas idênticas com 379 lugares cada. Ambas possuem muitas características que os novos complexos cinematográficos não têm e mantém as origens antigas como as poltronas de couro, carpetes coloridos e a tradicional bombonière. O destaque fica por conta da programação que foi considerada uma das melhores da cidade pelo jornal O Estado de São Paulo.
Onde: Avenida Paulista, 807 - Jardins - (11) 3289-3566

Reserva Cultural: Inaugurado em 1967 junto com a sala Gazeta, o Gazetinha funcionou até 1999 . Uma grande reforma deu lugar ao Reserva Cultural, inaugurado em 2005. Localizado no térreo do prédio da Fundação Cásper Líbero, possui restaurante, bar, café e livraria. A programação privilegia filmes europeus, latinos, cults e independentes, mas existe também espaço para produções mais comerciais. No hall, três monitores de plasma e um telão exibem trailers e entrevistas.
Onde: Avenida Paulista, 900 - Bela Vista - (11) 3287-3529

RIO DE JANEIRO

Foto: Divulgação


Cine Roxy: Localizado no bairro de Copacabana foi inaugurado em 1938 e é um dos únicos cinemas em funcionamento no bairro. Reconhecido pela prefeitura como marco referencial na cultura cinematográfica da cidade, na reforma, foi dividido em três salas que ganharam sistemas de áudio e vídeo novos, além de poltronas confortáveis.
Onde: Avenida Nossa Senhora de Copacabana,  945 - Copacabana - (21) 2461-2461

Cine Leblon: Inaugurado em 29 de setembro de 1951, o Leblon faz parte da fotografia do Rio de Janeiro. Artistas, cineastas, formadores de opinião, além de moradores do bairro são fiéis ao complexo de quase 58 anos. A fachada é simples, a sala de espera em mármore rosa prepara o frequentador para o salão de projeção amplo, todo atapetado, um tapete grosso e macio de lato custo, e para as cômodas poltronas em couro. O Cine Leblon já passou por algumas reformas. A primeira sala de exibição (atualmente Sala 1), que tinha capacidade para 1.294 lugares, hoje possui 615 poltronas e a sala 2, 276 lugares.
Onde: Av. Ataulfo de Paiva, 391 A - Leblon - (21) 2461-2461

Odeon: É um dos últimos cinemas construídos na Cinelândia, em 1932. Sedia o Festival do Rio e ao longo do ano, outros festivais, como Curta-Cinema e Anima Mundi. Considerado um point da juventude carioca, possui uma sala com 600 lugares, uma livraria, e um bistrô muito frequentado na região.
Onde: Praça Mahatma Gandhi, 2, - Cinelândia - (21) 2240-1093

Cine Santa Teresa: Realizou sua primeira exibição em 2003. Cinco anos depois, conquistou o prêmio de Maior Exibidor de Cinema Brasileiro do País pela Agência Nacional de Cinema - ANCINE. Ampliou recentemente seus programas e desenvolveu métodos sociais voltados para todas a população do bairro.
Onde: Rua Pascoal Carlos Magno, 136 - Centro - (21) 2507-6841

Foto: Divulgação
Outras capitais
Recife: Boas pedidas para de assistir a filmes sem pagar caro são o CineTeatro Apolo e o Cine Rosa e Silva. Nas salas são exibidos o melhor da programação nacional e internacional, inclusive a produção pernambucana.

Salvador: Por lá quem faz as honras de cinema antigo são o Espaço Cultural Alagados (Rua Direita, Uruguai - (71) 3117-6517 / 8076) e o espaço Alexandre Robatto Filho (Rua General Labatut, 27, subsolo - Barris - (71)3116-8100), nome dado em homenagem a um cineasta baiano. Além disso, o local é reservado para a mostras sistemáticas de vídeo.  

Brasília: Inaugurado em 1960, o Cine Brasília é um dos mais importantes espaços culturais da cidade. Com capacidade para mais de 600 pessoas, o lugar abriga, desde sua inauguração, o principal festival de cinema do país, que segue para sua 42ª edição. Atualmente sucateado pelo tempo, desde os anos 1970 que o local não passa por uma reforma completa.

Curitiba: O primeiro Cine Luz ficava na Praça Zacarias e existia desde dezembro de 1939. O cinema sofria freqüentes inundações quando chovia e, ironicamente, foi destruído por um incêndio, em abril de 1952. Hoje reformado recebe o público local e é um dos mais frequentados da região.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

"O Círculo": Suspense com Tom Hanks e Emma Watson ganha primeiro trailer

Em 2017, os atores vão se encontrar nas telonas pela primeira vez

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop