Guia da Semana

Melhor de três

Saiba quais são as melhores trilogias na opinião de quem entende do assunto

Fotos: Divulgação

Marlon Brandon em um dos papéis mais marcantes de sua carreira, Dom Vito Corleone

Um é pouco, dois e bom e três é demais. Partindo dessa premissa, alguns cineastas investiram em trilogias que entraram para a história do cinema. É o caso de O Poderoso Chefão, De Volta para o Futuro, Matrix, Indiana Jones, Senhor dos Anéis, além tantas outras sequências que estouraram bilheteria. Convidamos quem entende do assunto, críticos, cineastas e cinéfilos para indicar os melhores. Prepare a pipoca e boa sessão!

Máfia Italiana

É praticamente unânime a escolha dessa trilogia por críticos de cinema e entendidos no assunto. O Poderoso Chefão, do diretor Francis Ford Coppola, nasceu em 1972, e mostra os poderes da máfia italiana em Nova York. Na primeira parte, a estrela principal é Marlon Brandon, com sua famosa voz rouca, mas Al Pacino e Robert Duval também estão no elenco. O enredo rendeu três estatuetas do Oscar (Melhor Filme, Roteiro Adaptado e Ator para Marlon Brandon) e mais oito indicações.

Em 1974 veio a continuação da família Corleone, com a entrada de Robert De Niro. É considerado mais parado do que o primeiro, mas é nele que se conta a história do clã. O longa rendeu mais seis Oscars, inclusive o primeiro de Melhor Filme para uma continuação, além de Melhor Diretor, Ator Coadjuvante (Robert De Niro), Direção de Arte, Roteiro Adaptado e Trilha Sonora.

Para desespero dos fãs, demorou cerca de 16 anos para o desfecho da saga Corleone chegar ao fim. Em 1990, chegou às telas o filme mais polêmico de todos, envolvendo até o Vaticano e o papa, com muitas mortes, incluindo a do personagem principal. Uma curiosidade da trilogia é a presença de laranjas nos três filmes da série, que sempre indicava que alguém ia morrer ou que aconteceria algum atentado.

Palavra de quem entende: "Marlon Brando e Al Pacino dão um show de interpretação neste clássico sobre a máfia italiana. As cenas do atentado a Don Vito Corleone, do assassinato no restaurante e a paulatina transformação de Michael até incorporar completamente a psicologia do chefe da família são memoráveis."
Cyntia Calhado, jornalista do blog A Cinéfila

Da molecada


Michael J. Fox e Chistopher Lloyd em De Volta Para o Futuro

Quem viveu a infância ou a adolescência nos anos 80, com certeza adorava as aventuras de Marty McFly e seu skate entre passado, presente e futuro. Esse era o enredo De Volta Para o Futuro, que estreou em 1985, com direção de Robert Zemeckis. Como protagonista, Michael J. Fox, e Christopher Lloyd como o aloprado Doc Brown.

A história gira em torno de um jovem (Michael J. Fox) que aciona acidentalmente uma máquina do tempo construída por um cientista (Christopher Lloyd) e retorna aos anos 50. Lá conhece sua mãe, antes do casamento com seu pai, e ela se apaixona por ele. Tal paixão põe em risco sua própria existência, pois alteraria todo o futuro, forçando-o a servir de cupido entre seus pais. O filme ganhou o Oscar de Efeitos Sonoros e foi indicado em outras três categorias: Roteiro Original, Canção e Som.

O sucesso do filme foi tamanho que inspirou duas seqüências: em 1989, quando MacFly vai para o futuro em 2015, e outra no ano seguinte, quando volta para o velho oeste.

Palavra de quem entende: "Impossível esquecer de uma das maiores obras do cinema comercial. As aventuras de Doc Brown e Marty McFly pelo tempo fizeram parte da vida da geração dos anos 80. Robert Zemeckis, na época, ainda sabia contar uma boa história e usar a tecnologia a seu favor."
Ravi Santana, jornalista do blog Verdade Alternativa

Nas estrelas


George Lucas é o responsável pelo sucesso de Star Wars

Ícone dos nerds e aficionados por efeitos especiais, a primeira trilogia de Star Wars revolucionou a história do cinema. Na verdade, trata-se de uma saga de seis filmes gravados em épocas distintas. A primeira trilogia surgiu em 1977, com Star Wars: Episódio IV - Uma Nova Esperança, seguido por O Império Contra Ataca (1980) e, por último, O Retorno de Jedi (1983). Somente em 1999, George Lucas, filmou os outros três, Episódio I: Ameaça Fantasma, Episódio II: Ataque dos Clones (2002) e finalmente, Episódio III: A Vingança de Sith (2005).

Mas é a primeira trilogia, que chama mais a atenção da maioria dos cinéfilos. O Episódio IV ganhou sete Oscars, nas seguintes categorias: Melhor Direção de Arte, Figurino, Efeitos Especiais, Montagem, Trilha Sonora e Som. O filme recebeu, ainda, um Oscar especial, dado a Ben Burtt, pelo trabalho junto aos efeitos sonoros do filme. As sequências seguiram o mesmo sucesso alçando George Lucas para a lista dos mais cobiçados diretores de Hollywood.

Palavra de quem entende: "A trilogia é impecável, atemporal e muito bem feita, não se arrasta e, por isso, tornou-se referência para muitos outros filmes. Tem um enredo surpreendente e original. Eles conseguiram dar sequência ao sucesso da parte anterior sem desgastar a história em si".
Marcelo Galvão, cineasta

Muito mais

Os entrevistados ainda citaram trilogias como Matrix, Indiana Jones, Senhor dos Anéis e Trilogia das Cores. Confira a opinião deles:

Matrix

"Apesar de todo mundo falar mal do segundo e do terceiro filmes, acredito que os dois não comprometem a obra completa. O primeiro representa um marco para o cinema mundial, provando que é possível ter profundidade em uma obra comercial. Os seguintes serviram para complementar a história, sem ousar tanto, o que deixou a desejar. Mesmo assim, todo o conjunto vale muito."
Ravi Santana

"O primeiro filme é, de longe, o melhor, em que os irmãos Wachoski apresentam o incrível universo de Matrix. Os outros dois acabam pecando pelo excesso de cenas de luta e pelo romance com tintas melodramáticas entre Neo e Trinity. O que impressiona na trilogia são os efeitos especiais inovadores (as famosas coreografias de luta em câmera lenta), ótimo roteiro e elenco."
Cyntia Calhado

Trilogia das Cores

"Apesar de as histórias não terem conexão aparente, os três filmes se complementam. Por mais que se veja, sempre se percebe algo novo, seja nele individualmente ou na obra completa, o que faz com que a cada vez se assista a um filme novo. Nas obras, Kieslowski mostra ser um dos cineastas mais perfeccionistas, além de um dos que melhor exprime o sentimento humano."
Ravi Santana

"A Liberdade é Azul se destaca na trilogia baseada nos temas da Revolução Francesa (liberdade, igualdade e fraternidade) e nas cores da bandeira do país (azul, branca e vermelha). Com uma belíssima fotografia em tons de azul, o primeiro longa da série é um ensaio sobre o luto."
Cyntia Calhado

Outros

"Uma prática recente de Hollywood, pelo menos a partir dos anos 2000, é retomar trilogias encerradas no passado, como foi o caso de Star Wars, Indiana Jones e Rambo. Portanto, hoje em dia, não dá para considerar essas aventuras trilogias. No entanto, temos algumas que seguem intocadas por Hollywood e as que citarei são as minhas respostas em relação às minhas trilogias favoritas: O Poderoso Chefão, De Volta Para O Futuro e Senhor Dos Anéis. Uma trilogia de trilogias que, embora de gêneros bastante distintos, marcaram, cada uma à sua maneira, o cinema por inovar, trazendo novos ares e complementando-se de maneira consistente."
Ângela Bito, crítica de cinema

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

10 Motivos para ver a animação “Sing – Quem Canta Seus Males Espanta”

Filme chega aos cinemas no dia 22 de dezembro

“Pets” tem sessão gratuita para incentivar a adoção de animais

Cine Matilha exibe a animação em sessão aberta para cães e seus donos

7 Fatos sobre “Fallen” que você precisa saber antes de ir aos cinemas

Adaptação do primeiro livro da saga adolescente estreia no dia 8 de dezembro

4 Motivos para ver “A Qualquer Custo” nos cinemas

Filme com Chris Pine e Jeff Bridges chega aos cinemas em janeiro

"50 Tons Mais Escuros" ganha trailer inédito; confira

Novo vídeo do longa está mais caliente do que nunca!

Clássico de Chaplin tem sessão gratuita no Auditório Ibirapuera

Exibição encerra a programação do centenário de Paulo Emílio Sales Gomes