Guia da Semana

Melhores gringos de 2010

Veja a retrospectiva do que melhor apareceu nas telonas este ano e confira a lista selecionada pelos cinéfilos

Fotos: divulgação

Toy Store 3 bateu o recorde de bilheteria de Shrek 2

Apesar da temporada de 2010 ficar marcada como histórica para o cinema brasileiro, as produções internacionais não ficaram para trás, com o lançamento de blockbusters aclamados pelo público, longas de diretores consagrados e a descoberta de alguns filões de sucesso.

O primeiro deles é Avatar que, embora tenha estreado em dezembro de 2009, atravessou os três primeiros meses deste ano na liderança das salas, apostando na tecnologia 3D e incentivando diversas outras produções a seguirem o mesmo caminho. O filme de James Cameron acabou galgando o segundo lugar com a melhor arrecadação em 2010.

O gênero infantil também se apoiou nos efeitos tridimensionais e trouxe para as grandes telas Toy Story 3 e Shrek para Sempre. O primeiro foi considerado o melhor da série e o único a conseguir bater o recorde mundial de bilheteria do simpático ogro, com US$ 648 milhões. Já o último entrou em cartaz em junho e manteve sua hegemonia entre os infantis no país, conquistando a terceira posição entre os mais vistos.

A temática vampiresca foi outra grande redescoberta de Hollywood, alavancada pela saga Crepúsculo, em 2009, com Eclipse, em 2010. Ainda ni reino do fantástico, o bruxinho de Hogwarts deu o ar da sua graça no final do ano em Harry Potter e as Relíquias da Morte, a primeira parte do último filme da série que arrecadou mais de US$ 5,5 bilhões em todo mundo.

E quem pensa que em 2010 as mulheres se destacaram somente na política, enganou-se. Sandra Bullock entrou para a história do cinema mundial ao conquistar o Oscar de Melhor atriz, com Um Sonho Possível, no mesmo ano em que ganhou o de Pior Atriz do Mundo (Framboesa de Ouro) em Maluca Paixão. De uma forma mais gloriosa, Kathryn Bigelow se consagrou ao ser a primeira mulher a levar o Oscar de Melhor Direção e Melhor Filme, com seu Guerra ao Terror.


O renomado cineasta americano Francis Ford Coppola apresenta a história de um homem que se distanciou da família


O cinema autoral não ficou de lado e a volta de consagrados diretores marcou a cena. Michael Haneke levou o prêmio de melhor filme estrangeiro com A Fita Branca; Alain Resnais misturou gêneros e desconcertou o público com Ervas Daninhas; e Francis Ford Coppola chegou ao Brasil em dezembro só para o lançamento de sua película Tetro.

E, para terminar o ano, o longa baseado na história do fundador do Facebook, A Rede Social, de David Fincher, acaba de receber seis indicações para o Globo de Ouro e se transforma na grande aposta para o Oscar em 2011. Confira a visão dos especialistas

Ravi Santana 

Foi redator de cinema pelo site Guia da Semana e Terra. Dirigiu o documentário É Fácil Fazer uma Canção e é autor do blog Verdade Alternativa

Top 5

1- A Fita Branca - Apesar de ter deixado escapar o Oscar de melhor filme estrangeiro para o argentino O Segredo dos Seus Olhos, este drama do alemão Michael Haneke é, na minha opinião, o melhor longa lançado por aqui em 2010. A fotografia em preto e branco, a acidez do roteiro, a crítica social e política, tudo ajuda na criação de uma obra de arte.

2- Ervas Daninhas - Aos 88 anos, o francês Alain Resnais, um dos inspiradores da Nouvelle Vague, não precisa provar nada a ninguém. Assim, aqui ele faz um filme totalmente despretensioso e nonsense com diversas referências e críticas à própria sétima arte.

3 - Ilha do Medo - Enquanto muitos preferem A Origem, o filme de Leonardo DiCaprio que realmente coloco entre os melhores é este, assinado por outro grande nome do cinema, Martin Scorsese. Aqui, em vez de entrar na mente dos outros, ele tenta entender o que acontece na dele quando investiga um desaparecimento em um hospital psiquiátrico. Mesmo que o final não seja tão imprevisível, ótimos roteiro e direção fazem desta uma obra espetacular.

4 - Tudo Pode Dar Certo - Apenas Woody Allen para fazer um dos filmes mais otimistas já realizados usando para isso um protagonista pessimista e suicida. O filme, um dos melhores da carreira do diretor, é daqueles para se ter sempre por perto e assistir novamente quando bate aquela tristeza ou aquele sentimento de que as coisas não estão indo bem.

5 - Toy Story 3 - Poucas vezes a terceira parte de uma trilogia consegue o feito de superar as duas primeiras, como acontece na animação da Pixar, a melhor lançada no ano de 2010. Desta vez com um tom muito mais pesado, o filme pode encantar as crianças, mas dá aos mais crescidos um sentimento de nostalgia pela infância que não volta mais.


O longa é mais uma parceria do ator Leonardo DiCaprio e Martin Scorsese


Não foi desta vez...


1- Alice no País das Maravilhas - A junção de um dos mais inventivos diretores do cinema comercial com um clássico da fantasia poderia ter resultado em uma obra comentada por muito tempo. Infelizmente, neste caso, o filme de Tim Burton baseado no livro de Lewis Carrol só foi falado antes de estrear. Sem nenhuma novidade, o longa caiu no esquecimento pouco depois de ser lançado.

2 - Furia de Titãs - Batalhas épicas da mitologia grega em 3D também poderiam render uma obra interessante, mas não foi desta vez. Com um roteiro bastante superficial, o filme já perdeu metade de sua qualidade, que seria a história. Para completar, os efeitos em terceira dimensão foram feitos de qualquer jeito, com o objetivo de ganhar dinheiro, e não valem a pena.

3 - A Vida Durante a Guerra - Se Todd Solondz chamou a atenção com seu ousado Felicidade, em 1998, desta vez gerou uma grande decepção em seus fãs com esta continuação. Com atores bem menos carismáticos do que no primeiro, o longa também traz um roteiro também bem mais fraco e mesmo a direção deixa a desejar. Passou despercebido e não merecia mais.

Cyntia Calhado

Repórter e crítica do Guia da Semana, autora do site de cinema nacional contemporêneo Caleidoscópio e do blog A Cinéfila.

Top 5

1 - O Profeta - Este longa francês que levou o Grande Prêmio do Júri do Festival de Cannes de 2009 é, na minha opinião, o melhor filme de 2010. Com seu virtuosismo, domínio da narrativa clássica, habilidade em manutenção da tensão e ritmo cinematográficos, Jacques Audiard parte dos gêneros dos filmes de máfia e de prisão para contar esta história que fala sobre criminalidade, religiosidade, filiação, racismo e educação. O longa discute a configuração de forças política e social na França por meio da história de um jovem de origem árabe que se transforma em chefe da máfia corsa.

2 - A Fita Branca - Vencedor da Palma de Ouro em Cannes 2009, o longa elabora poderosa reflexão sobre as raízes do nazismo ao mostrar estranhos incidentes vividos por moradores de uma pequena aldeia alemã. Autoritarismo, submissão e violência permeiam esta opressiva sociedade retratada por Haneke em uma belíssima fotografia em preto e branco.

3 - Polícia, adjetivo - Depois de A Leste de Bucareste, que ganhou a Camera D'Or de Cannes em 2006, o diretor Corneliu Porumboiu lança este filme policial que foge à regra, já que em vez das perseguições cheias de adrenalina, mostra o tedioso cotidiano de Cristi, que segue e observa três estudantes usuários de haxixe para descobrir qual deles é o traficante. O filme se desenvolve de forma previsível até a cena final em que o delegado usa a semântica para aniquilar o questionamento ético que o protagonista apresenta sobre o papel da subjetividade na atuação profissional. Neste momento, o título fica claro, e, o filme, absolutamente brilhante.

4 - Tudo Pode dar Certo - Interessante comparar os dois lançamentos de Woddy Allen este ano. Este que integra a lista é otimista, cômico e se filia às comédias da década de 80 do cineasta (e à sua declarada influência dos Irmãos Marx), enquanto o cínico e cruel Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos se alinha a seus filmes mais sombrios, como Match Point e Crimes e Pecados, reflexo de suas pretensões dramáticas. Como a vida é muito dura e os bons comediantes raros, fico com este longa estrelado por Larry David, o melhor alter ego de Woody Allen.

5 -Tetro - Apesar de um certo exagero melodramático e alguns tropeços, Tetro é uma poderosa obra em homenagem às artes. Filmado na Argentina com refinada fotografia em preto e branco, o longa sobre rivalidade familiar é protagonizado por Vincent Gallo, em notável interpretação. A ousada produção representa a volta de Coppola ao cinema autoral que o consagrou com obras como O Poderoso Chefão e Apocalipse Now.

Não foi desta vez...

1 - Nine (Rob Marshall) - Fellini se mexeu no túmulo quando este filme foi lançado.

2 - Preciosa (Lee Daniels) - Melodrama forçadíssimo construído com base no ditado "nada é tão ruim que não possa piorar".

3 - Sex and The City 2 (Michael Patrick King) - Consumismo desenfreado e conflitos rasos fazem desta sequência um dos micos do cinema em 2010.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

"50 Tons Mais Escuros" ganha trailer inédito; confira

Novo vídeo do longa está mais caliente do que nunca!

Clássico de Chaplin tem sessão gratuita no Auditório Ibirapuera

Exibição encerra a programação do centenário de Paulo Emílio Sales Gomes

Saiu o primeiro teaser de "Homem Aranha: De Volta ao Ler"; vem assistir!

Trailer completo será divulgado nesta quinta-feira

Mais de 20 fotos inéditas de "Transformers: O Último Cavaleiro" vazam na internet; confira

Próximo longa da franquia estreia em junho de 2017

"O Círculo": Suspense com Tom Hanks e Emma Watson ganha primeiro trailer

Em 2017, os atores vão se encontrar nas telonas pela primeira vez

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"