Guia da Semana

Mônica Martelli procura um marido desesperadamente em “Os Homens São de Marte... E é pra Lá que Eu Vou”

Ilusão do homem perfeito é o que move a comédia dirigida por Marcus Baldini

Desde 2005, Mônica Martelli divide as angústias de sua personagem Fernanda, uma mulher à beira dos 40 à procura de marido, com o público carioca num monólogo chamado “Os Homens São de Marte... E é pra Lá que Eu Vou”. Agora, suas desventuras chegam aos cinemas sob direção de Marcus Baldini e com o reforço dos atores Paulo Gustavo e Daniele Valente. O filme estreia nessa quinta, 29 de maio.

É fácil saber o que esperar de uma comédia baseada numa peça teatral, com esse título e elenco: será narrada pela protagonista, explorará clichês machistas sobre relacionamentos e terá algumas piadas engraçadas apoiadas em estereótipos: a solteirona, o gay, a loira ingênua, a megera, o egocêntrico, o natureba, etc.

Martelli, como no teatro, vive uma mulher bem sucedida, que trabalha organizando casamentos, mas que, ironicamente, nunca teve um homem para chamar de seu. Prestes a completar 40 anos, ela se desespera com a possibilidade de nunca se casar e procura um homem – qualquer homem – para realizar seu sonho.

Que fique bem claro: Fernanda não procura o amor, mas sim o “status” de casada. Isso fica evidente quando, romance após romance, ela se dedica mais a fantasiar com vestidos de noiva, pedidos mirabolantes de casamento e filhos do que a tentar conhecer a pessoa com quem está se envolvendo, ou tentar conciliar sua atribulada vida profissional à vida a dois. Não: ela quer que ele seja o único responsável por sua felicidade e está disposta a abandonar sua carreira e amigos pela ideia do casamento.

Seria estranho observar essa inversão de valores, se não estivéssemos sendo expostos a isso há tantos anos, com garotinhas aprendendo desde cedo que o casamento deve ser um objetivo, o fim da história, a chave para a felicidade eterna (a Disney é apenas o começo).

Entre um namoro mal sucedido e outro, Fernanda vai deixando seu trabalho nas mãos dos amigos e sócios Aníbal (Paulo Gustavo) e Nathalie (Daniele Valente), que também servem de conselheiros amorosos. Dos três, porém, o único que se mostra preocupado com os rumos da empresa é Aníbal, que, em determinado momento, ouve de Fernanda a seguinte frase (sic): “Você é gay, mas é homem. Deixa de ser bicha e vai resolver esse problema”. Em outras palavras: os homens devem trabalhar, as mulheres devem namorar.

 

Assista se você:

  • Gosta de comédias nacionais
  • Procura um filme leve
  • Gostou da peça que inspirou o filme

Não assista se você:

  • Procura uma comédia para levar seus filhos
  • Defende o fim do machismo no cinema
  • Não gostou da peça original

Atualizado em 31 Mai 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio

Emma Watson aparece cantando em novo vídeo de "A Bela e a Fera"

Atriz interpreta a canção "Belle", uma das primeiras do filme

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína