Guia da Semana

Natal na telinha

Equipe do Guia destaca filmes que merecem um repeteco nesse final de ano

Não é de hoje que o universo natalino serve como grande fonte de inspiração para roteiristas de cinema. De filminhos açucarados a fortes cargas dramáticas, lá está a data. Pensando nisso, dez jornalistas do Guia da Semana indicou filmes, de infantis e nacionais, que abusam do contexto. Vale dar uma espiada, passar na locadora e curtir uma bela sessão pipoca.

Milagre na Rua 34 (Miracle On the 34th Street, 1947 e 1994)
Por Rafael Gonçalves


Um louco? Um personagem? Ou somos todos loucos por perdermos a magia que carregamos na infância? É nessa atmosfera que acontece o Milagre na Rua 34. Em duas versões, uma de 1947 e outra de 1994, o filme mostra um senhor que é contratado para ser o Papai Noel de uma loja, cuja dona não acredita no bom velhinho (que é tido como louco e levado até a julgamento!) e pior: ainda ensina sua pequena filha que é tudo mentira! Um ótimo filme de Natal, nas duas versões. Afinal, quem nunca acreditou em Papai Noel?


Feliz Natal (Feliz Natal, 2008)
Por Marjorie Ribeiro

Estréia na direção de longa-metragens de Selton Mello, Feliz Natal não tem nenhum espírito natalino. Melancólico e indigesto, o filme revela as amarguras e solidão de personagens complexos e infelizes enquanto faz uma crítica à "sociedade do vazio". Apesar de pecar pelo exagero da composição cinematográfica, Feliz Natal prima pela temática bem diferente da maioria dos filmes sobre a data. 


Um Conto de Natal (Un Conte de Noel, 2008)
Por Cynthia Calhado


Determinada vertente de filmes natalinos usam como pano de fundo a época para contar a história de famílias disfuncionais que se reúnem para trocar acusações mútuas e acertar as contas com o passado. O drama francês Um Conto de Natal, do diretor Arnaud Desplechin, segue esta linha. O roteiro gira em torno da escolha de um doador, entre os familiares compatíveis, para a realização de um transplante para a mãe que está com câncer. O tom irônico, por vezes amargo que o filme adquire em certos momentos é suavizado com toques de comédia. Um de seus pontos altos é o elenco irretocável, que inclui o queridinho do cinema francês Mathieu Amalric, Catherine Deneuve e sua filha com Marcelo Mastroianni, Chiara Mastroianni. Inclusive, Deneuve ganhou prêmio especial no Festival de Cannes 2008 por sua interpretação no longa. 


O Grinch (The Grinch, 2000)
Por André Nicolau

Um filme que, sem dúvidas, traz boas lembranças e resgata um pouco do espírito natalino é o clássico Grinch. A adaptação apresenta o amargurado Grinch (Jim Carrey), que odeia o Natal e resolve criar um plano para impedir que os habitantes da pequena cidade de Quemlândia possam comemorar a data. No entanto, ao perceber que a essência da comemoração não está na troca dos presentes ou mesmo na tradicional ceia do dia 24, mas no sentimento de confraternização, afetividade e valorização de amor ao próximo, o personagem deixa se contagiar pela magia da festa natalina.


Esqueceram de Mim (Home Alone, 1990)
Por Diego Dacax


Quando se fala em Natal, o primeiro filme que me vem à cabeça é Esqueceram de Mim - o original. Não tem justificativa estética nenhuma. Eu curtia mesmo a pancadaria e as artimanhas com que o pivete vivido por Macaulay Culkin recebia os seus indesejados visitantes na noite natalina. Ensinamentos fundamentais para qualquer moleque que se preze. Além disso, o filme me pegava por conta do sentimento - piegas - associado a esta época do ano. Até hoje eu não consigo fugir disso. Por mais que eu resmungue contra a data em que por uma convenção comercial se comemora o nascimento do menino Jesus, esse sentimento permanece. Sinto pelos outros, pelo mundo - sou capaz de sentir dó até do Maluf. Essa relação de "amor e ódio" é meio parecida com a que tenho com o Esqueceram de Mim. A estrutura do filme é um lixo, previsível, hollywoodiana ao extremo, mas eu gosto. Fazer o quê... 


Um Homem de Família (Family Man, 2000)
Por Angela Miguel

No estilo de contos de Natal, a obra Família traz a história de um homem bem sucedido e superficial que encontra um anjo e é transportado para uma diferente versão de sua vida. Condizente com o clima da época, o filme remete a temas como união, família e reflexão. Chocado com a nova realidade, ele percebe que a escolha do passado mudou completamente o rumo de sua vida e seu conceito de felicidade. Mais que dinheiro (e aqui vale comparação com o famoso conto O Avarento, de Molière), a vida necessita de amor - e nada mais natalino do que a celebração do amor familiar. 


Felicidade Não Se Compra (It's a Wonderful Life, 1946)
Por Ravi Santana


Mesmo após mais de seis décadas, o clássico de Frank Capra ainda pode ser considerado o filme que melhor capta o espírito natalino. Nele, conhecemos o bondoso George Bailey, que passa por um momento difícil de sua vida na véspera de Natal. Desesperançado, pensando em suicídio, ele é abordado por um anjo que lhe mostra como seria o mundo se ele não existisse. Por mais que possa ser vista como careta e moralista, comum em uma América pós-guerra, a obra emociona e enche o público de esperança, principalmente nesta época de festas. 


Férias Frustradas de Natal (Christmas Vacation, 1989)
Por Meriane Morselli

Sempre passa na TV por assinatura na época do Natal e ilustra muito bem aquela ânsia de termos um Natal perfeito e que não dá certo. Que família nunca passou por isso? O filme é cheio de situações engraçadas, afinal tem o Chevy Chase que eu, particularmente, dou risada só de olhar para a cara dele. 


Simplesmente Amor (Love Actually, 2003)
Por Alessandro Fiocco


A data é mero pretexto para ilustrar diversas facetas do amor. Há a esposa traída, o garotinho apaixonado pela coleguinha de classe e até o Primeiro Ministro da Inglaterra que cai de quatro por sua secretária. O elenco é estelar: Hugh Grant, Emma Thompson, Colin Firth, Keira Knightley, Laura Linney e até o nosso Rodrigo Santoro, além de mais alguns grandes nomes. Ao final, entre desilusões e finais completamente possíveis - como na vida real - o recorte serve para que todos, de uma forma ou de outra, sigam em frente. 


O Expresso Polar - (The Polar Express, 2004)
Por Nathália Salomoni

O Expresso Polar aborda um tema raro para as crianças nos dias de hoje: a crença no bom velhinho. Em uma multi-interpretação de Tom Hanks, um garoto embarca em uma viagem num trem rumo ao Pólo Norte. A animação não foi tão bem aceita pelos críticos, mas deu início a uma nova geração de filmes com a captação de atuação, técnica que permite que as encenações ao vivo guiem as expressões e os movimentos dos personagens digitais. 


Fotos: divulgação

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

J.K. Rowling desmente boato sobre filme de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada"

"Não há verdade nos rumores sobre a trilogia", disse a escritora no Twitter

Após vídeo de supostos maus-tratos, pré-estreia de "Quatro Vidas de Um Cachorro" é cancelada

Universal Pictures divulgou comunicado oficial informando o cancelamento

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rede Cinesystem inaugura seu primeiro cinema em São Paulo

Com nove salas e projeção a laser, cinema promete ser o mais moderno da cidade

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.