Guia da Semana

Nouvelle Vague

Os filmes que pertencem ao movimento têm uma característica singular, a de mostrar o estilo e a marca do diretor

Foto: IMDb

Claude Chabrol, um dos expoentes da Nouvelle Vague

Dentro da programação da Semana da Francofonia 2011, a Galeria Olido, em São Paulo, exibirá, até o dia 31 de março, um ciclo de filmes franceses em homenagem à Nouvelle Vague e ao cineasta Claude Chabrol. Os ingressos custam R$ 1.

Intitulado "Claude Chabrol e Outros Autores da Nouvelle Vague", o ciclo reunirá produções fundamentais e filmes que ilustram o desdobramento da influência e do legado deixado pelo movimento. Assim, além de obras de Chabrol, serão exibidos filmes de Eric Rohmer, Louis Malle, François Truffaut, Jean-Luc Godard, Jacques Demy e Alains Resnais, em produções que vão desde o início da Nouvelle Vague até os anos 2000.

A Nouvelle Vague é, talvez, o movimento que mais influenciou o cinema no mundo todo. Seus reflexos e sua influência perduram até os dias atuais, sendo seu maior e mais consistente legado aquilo que ficou conhecido como "política do autor". Tratava-se, então, da valorização de obras cujo estilo do diretor fosse visível e preponderante sobre o filme, que, por meio de recursos estilísticos ou estéticos, conseguisse expressar sua visão de mundo e de cinema, tal qual uma assinatura. Foi dentro dessa visão, por exemplo, que os jovens críticos da revista elevaram Alfred Hitchcock à condição de mestre. Até então, o diretor britânico, sempre a serviço dos estúdios, era considerado um realizador menor de filmes comerciais.

Sob essa perspectiva, transforma-se substancialmente o modo de ver o cinema, bem como a escala de valores críticos. A gestação desse novo olhar é resultado direto de alguns fatores particulares a uma nova geração de críticos de cinema que, mais tarde, se tornariam realizadores, deixando a escrita teórica e partindo para a realização efetiva.


Essa geração surge e ganha consciência crítica graças à gestão de Henri Langlois à frente da Cinemateca Francesa. É o resgate que Langlois faz de uma cinematografia histórica, sua preservação e exibição, que desperta a cinefilia naqueles jovens "ratos de cinemateca". Essa cinefilia e a consequente consciência crítica terminam por desembocar na mítica revista Cahiers du Cinema (Cadernos de Cinema), para a qual os jovens críticos passam a escrever.

Sob a orientação de outra figura mítica na história do cinema, o crítico André Banzin, forma-se o que ficou conhecido como núcleo duro da Nouvelle Vague, composto por François Truffaut, Jean-Luc Godard, Claude Chabrol, Eric Rohmer e Jacques Rivette. Todos eles escreveram críticas para os Cahiers du Cinema e, posteriormente, se tornaram diretores, pondo em prática aquilo que defendiam em suas críticas.

Esses jovens, ousados e atrevidos, decalcaram suas visões de cinema nas obras que realizaram, da forma mais autoral possível. Foram sempre fiéis às suas convicções estéticas e às temáticas pessoais, o que torna a obra de cada um deles diferente e particular, a despeito de terem em comum alguns princípios básicos do movimento que fundaram.


Desde Nas Garras do Vício, de Chabrol, Os Incompreendidos, de Truffaut, ou Acossado, de Godard - todos obras-faróis do início da Nouvelle Vague -, nunca mais se olhou para o cinema com os mesmos olhos. Ainda hoje é pertinente e acesa a discussão sobre autoria e existe até uma divisão, sempre discutível e polêmica, do que seja, nos dias de atuais, um filme de autor e um filme meramente comercial.

Permanece na cinefilia atual a tendência de seguir a trilha dos jovens críticos e desprezar tudo que não seja considerado de autor. Mas é preciso atenção e cuidado para não se cometer injustiças e incorrer em precipitações. Afinal, é preciso sempre lembrar que mesmo aqueles jovens gênios, que reconfiguraram o modo de ver e fazer cinema em todo o mundo, cometeram seus pecados. Um exemplo disso foi terem, em seu tempo, desprezado a obra de Marcel Carné e todo o realismo poético do cinema francês.


Por considerar sua estética atrelada a um tipo de cinema ultrapassado, convencional e superficial, simplesmente descartaram grandes obras e grandes diretores. Como Carné, que, por muito tempo, permaneceu no limbo da crítica. Um resgate de seus filmes, promovido tempos depois, mostrou que havia ali mais que cinema literário: havia um grande diretor e uma grande obra. Mas isso é assunto para outra ocasião.

Leia as colunas anteriores de Rogério de Moraes:

Batman e as HQs no cinema

Prazeres Inconfessáveis

Renovação de esperanças

Quem é o colunista: gordo, ranzinza e de óculos.

O que faz: blogueiro, escritor e metido a crítico de cinema.

Pecado gastronômico: massas.

Melhor lugar do Brasil: qualquer lugar onde estejam meus livros, meus filmes, minhas músicas, meus amigos e minha namorada.

Fale com ele: rogercodegm@gmail.com ou acesse seu blog



 

 


 

 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro