Guia da Semana

Novas invenções para o cinema

Eduardo Coutinho inovou ao fazer o documentário Jogo de Cena


Zapeava pela TV a cabo no sábado à noite, quando dei de cara com o filme Jogo de Cena, de Eduardo Coutinho. Planejava escrever sobre Tarantino esta semana, mas a força do filme do Coutinho me tomou completamente. E não apenas pelo filme em si, mas também (em mesma escala) pelo caráter de experimento, de inquietação do diretor em buscar, envolver, misturar e experimentar novas fórmulas, combinações e ousadias em sua obra. Para quem já chegou no patamar aonde chegou Coutinho, seria fácil aquietar-se no mesmo e fugir do risco. Mas ele não se aquieta. E por isso, na minha opinião, merece meu espaço dessa semana. Ele e seu jogo de cena.

Em Jogo de Cena, Eduardo Coutinho, o maior documentarista do cinema brasileiro, mostra uma vigorosa disposição para experimentar novas invenções estéticas, narrativas e cênicas. Inquieto, como só os grandes talentos o sabem e podem ser, ele vai além e nos apresenta também uma inversão - ou um amálgama - de gêneros. Brinca com a sublevação de seu próprio caminho, cinema e gênero. E cria um jogo cênico de dores e delícias.

O trabalho não é um documentário no sentido estreito do termo. Tampouco é ficção. É mais que ambos: é um exercício de dramaturgia e uma brincadeira inteligentíssima com os limites da ficção e da realidade, com os limites da mimética dramática e do depoimento documental.

Em 2006, Coutinho colocou um anúncio em jornais do Rio de Janeiro convidando mulheres que pudessem contar suas histórias de vida e participarem de um filme. Gravou diversos depoimentos. Depois convidou atrizes como Andréa Beltrão, Marília Pêra, Fernanda Torres e outras não tão conhecidas a verem os depoimentos, decorarem os textos e depois gravarem, elas, interpretando as mulheres reais.

O resultado, fruto da alternância dos depoimentos reais e fictícios, é um filme bonito e tocante. De uma beleza que nasce do talento grandioso das atrizes, misturado à franqueza desarmada das mulheres reais com suas histórias. Histórias quase sempre pautadas pela luta, pela tragédia, pela opressão da vida, da miséria, da ignorância e de homens de caráter ralo.

E é surpreendente ver na tela emoções alheias tomadas para si na voz e na face das interpretações. Ver como muitas vezes há no ator uma íntima disputa entre a técnica e o sentimento, onde muitas vezes ele se entrega ao clichê, porque isso, muitas vezes, é a vida real simplesmente. Também é fascinante o jogo da ocultação, da ficção dentro do documental, onde não se nota as nuances que saparam um do outro, tornado-os uma coisa só.

O ponto de equilíbrio tênue e traiçoeiro desse limiar impreciso parece estar nas lágrimas das mulheres que aparecem no filme. Entre contidas e abundantes, permanentes ou ocasionais, são as lágrimas que algumas vezes denunciam, outras vezes despistam. Mas estão sempre lá, algumas vezes trazidas dentro da bolsa, a tiracolo, feito acessório de trabalho; outras vezes, trazidas nos compartimentos da alma, autênticas, moderadas ou espalhafatosas, incorrigíveis. São elas, as lágrimas, que dão o tom máximo do óbvio e do reservado, que parece distinguir o real do ficcional, quando muitas vezes não é nada disso, porque nem tudo é o que aparenta em um jogo de cena.

Coutinho renova a si mesmo em Jogo de Cena. Mostra-se sagaz e inquieto com a obviedade e busca mais que o esperado para quem já foi tão longe dentro de seu ofício.
 Ele cavucadentro da realidade para achar os tesouros do ficcional e depois compará-los e depois misturá-los, até que se tornem indistinguíveis. Presta-se a escrutinar a arte da interpretação, a desvelar mistérios, a expor o intrínseco sem perder-se de sua natureza e de seu ofício: a realidade, o documental. 

O diretor constrói um filme de beleza diferente, brincalhão com os revezes do dramático e da dramaturgia. Empresta graça até ao que é triste. Se mantém fiel ao que é seu, mas sem pipocar no repetitivo e previsível. Coisa que só os grandes artistas conseguem, porque nunca param de buscar um modo diferente de fazer as coisas.

Leia as colunas anteriores de Rogério de Moraes:

Perda Ausência e Regresso

Pelo Cinema e Pela Cultura

Obra clássica

Quem é o colunista: gordo, ranzinza e de óculos.

O que faz: blogueiro, escritor e metido a crítico de cinema.

Pecado gastronômico: massas.

Melhor lugar do Brasil: qualquer lugar onde estejam meus livros, meus filmes, minhas músicas, meus amigos e minha namorada.

Fale com ele: rogercodegm@gmail.com ou acesse seu blog

Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentadores erram e dão Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil