Guia da Semana

O Amante


Como alguns já devem ter percebido, eu tenho tara por olhinhos puxados. São minha perdição. Sempre foram, desde pequena. Essa paixão só piorou com o passar dos anos e a entrada de filmes chineses e japoneses aqui no Brasil. Não sei o que há no olhar de um oriental, mas faz com que eu queira saber o que é que ele esconde. Pior ainda se não tiver nada a esconder, porque o charme do oriental não está só no que não se vê: quando combina a meiguice com um jeitinho malandro, aí o negócio fica absolutamente irresistível...

Nessa seara, infelizmente, tenho pouco conhecimento. Minhas experiências com moços provenientes da terra do sol nascente e dos tigres asiáticos são muito, muito, muito poucas, mas guardo boas recordações.

Recentemente, tive a oportunidade de rever o filme que mais me marcou a adolescência e que tinha como protagonista um moço de olhos rasgados: O Amante.

Além da presença absolutamente magnética de Tony Leung, ainda foi o primeiro filme assim "mais picante" que eu vi, escondido da minha mãe, irmão mais velho e pai, trancada dentro do quarto com chave, fechada morrendo de medo de ser descoberta. Coloquei tão baixinho o áudio que passei o filme todo lendo legendas e só fui descobrir mais tarde qual o timbre de voz dos atores.

Some-se a isso o fato de naquela época eu nem sonhava em dar beijo na boca (quanto mais o resto) e imaginem meu deslumbramento ao ver as cenas entre Tony e Jane March, em especial duas: a do primeiro encontro dentro do carro dele quando, timidamente, ele vai colocando a mão perto da dela, primeiro o dedo mindinho, segura todos os dedos, vai avançando até que os dedos de ambos se entrelaçam. Soou pra mim como um ritual de acasalamento, meio encoberto, mas tremendamente sensual. E a que eles fazem amor no chão tendo como trilha sonora o som do mercado que vai paulatinamente aumentando conforme os dois vão transando até ficar altíssimo, acompanhando os dois na escalada do orgasmo. Foi muita descoberta pra uma recém-entrada na puberdade...

De qualquer forma, experiências pessoais à parte, o filme é fabuloso. Ver o relacionamento desses dois seres que não poderiam ser mais distantes, mais improváveis e, ainda assim, incrivelmente parecidos faz qualquer um rezar para ter uma primeira vez como a da Jane March no filme. Em especial porque ela é que não deveria saber nada e acaba ensinando muito mais do que aprende. Vou abrir mão aqui de fazer um resumo da história. Aluguem. (Eu comprei ;-))

Fotos: http://www.celebsmedia.ru

Leia as colunas anteriores da Carol:
? Kiefer Sutherland: Longe dos papéis policamente corretos, ele fica melhor ainda quando é mau!

? Coadjuvantes indispensáveis: O que seriam de alguns personagens sem seus pares?

Quem é o colunista: Maria Carolina Marzagão Jimenez (por alcunha, Carol) estuda, lê, escreve, ouve música e fala, tudo em proporções inimagináveis.

O que faz: é advogada, blogólotra, cinéfila, fotógrafa e mais um monte de coisas que nem ela sabe.

Pecado gastronômico: pipoca com manteiga (muuuuuuuita pipoca).

Melhor lugar de São Paulo: meu quarto, que, além dos amigos, tem meus discos, meus livros, meus filmes, minha gata, meu violão, eu, e nada mais.

Fale com ela: mariacar.tln@terra.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro

Ryan Gosling explica risada durante gafe no Oscar 2017

Apresentadores entregaram o prêmio ao filme errado