Guia da Semana

O futuro apocalíptico de Vin Diesel

Astro aposta as fichas de seu retorno na ação e urgência de Missão Babilônia

De Los Angeles


Há certa ironia poética no início de Missão Babilônia (Babylon AD). Toorop é um veterano auto-exilado nos confins de um mundo sem regras, caos social e onde o dinheiro manda. Ele deseja voltar para a América, que ainda comporta uma sociedade organizada e, como de costume, é o último bastião de esperança. Toorop é Vin Diesel, sem um grande sucesso há certo tempo e, novamente, apostando na mistura ação e ficção científica para voltar ao estrelato. A tarefa, porém, é mais árdua do que parece.

Não há dúvidas de que o mercenário interplanetário Riddick ( Eclipse Total e A Batalha de Riddick) e o arrojado piloto Toretto ( Velozes e Furiosos) definem o estilo de Vin Diesel e, claro, são seus dois maiores sucessos. Especialmente pelo vínculo com a ficção científica estabelecida em Eclipse Total, ele sempre demonstrou familiaridade com personagens soturnos e condizentes com realidades para lá de desagradáveis no futuro da Humanidade. A escolha é sensata dentro do que Diesel pode entregar em termos de atuação, mas é justamente essa especialização excessiva que pode complicar o desempenho do filme, que já foi mal nos Estados Unidos.

Além das esperadas escapadas, seqüências de pancadaria e muitas explosões, o roteiro chegou atrasado ao mercado e é impossível não compará-lo a Filhos da Esperança, de Alfonso Cuarón. A assinatura visual mais suja e com pouco espaço para efeitos especiais segue a escola européia do gênero: muita gente com roupas encardidas, senhores do crime fortemente protegidos e os constantes problemas nas "fronteiras". Tudo muito bem definido, mas quem tenta se encaixar nessa produção francesa é Vin Diesel, que nasceu no calor da batalha de Hollywood e quase sempre se deu bem com a tela verde.

Assim como esse futuro sem fronteiras - ninguém diz a razão do caos -, o elenco de Missão Babilônia é internacional. Diesel pode ser o maior astro comercial da produção, mas precisa dividir espaço com os franceses Gerard Deparideu, Lambert Wilson e a bela Mélanie Thierry, além da malaia Michelle Yeoh. É quase uma Torre de Babel artística refletida por diversos estilos.

A ação de Missão Babilônia cumpre seu papel, mas nem mesmo uma boa cena sobrevive a um roteiro incerto. Baseado no romance homônimo do francês Maurice Dantec, o filme se preocupa demais em permitir as acrobacias de Diesel e tentar construir laços entre os personagens principais que se esquece do principal: a real motivação para tudo que acontece ali. Toorop precisa levar uma garota (Mélanie) para os Estados Unidos, ela carrega um segredo: seu "pai" tenta resgatá-la, enquanto a "mãe" é uma religiosa, buscando o domínio global. Diferente do dilema existencial de Clive Owen em Filhos da Esperança, Diesel é incerto. Alterna momentos de motivação egoísta com um altruísmo contra o qual ele luta desesperadamente desde a primeira cena. A interpretação grita para a platéia "sou um cara mal e calculista, acreditem em mim", mas é impossível aceitar, uma vez que ele será o bom moço e está ali para salvar seu mundo.

Mesmo assim, algumas boas surpresas pontuam a obra, especialmente quando o roteiro permitiu que elementos do cyberpunk - bastante presentes no livro original - participassem da trama aumentando o interesse pela perseguição que serve como fio condutor da história. Mais uma vez, Diesel salva o mundo, mas o que ele precisa mesmo é de uma virada de mesa na carreira. Já fez um novo Velozes e Furiosos, ao lado de Paul Walker, e volta à ação como o guerreiro Anibal, ambos em 2009. O caminho é longo e um de seus heróis viria bem a calhar no mundo real.




Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas