Guia da Semana

“O Juiz” traz Robert Downey Jr. em papel intenso

Ator interpreta um advogado que defende o pai em caso de homicídio

O tribunal parece ser um dos ambientes favoritos dos roteiristas – ao lado da redação, da sala de aula e da sala de jantar. É ali, entre cadeiras de madeira maciça e ternos bem cortados, que se faz a justiça, com base nos pequenos detalhes revelados pouco a pouco em depoimentos, pressionados por advogados e suas línguas afiadas. Assistindo a isso, um corpo de jurados anônimos, sensibilizados no calor do momento, decidem o futuro de um único réu: culpado ou inocente?

Em “O Juiz”, novo drama de David Dobkin (“Penetras Bons de Bico”) escrito em parceria com Nick Schenk (“Gran Torino”), uma inversão de papéis apimenta o julgamento: o juiz se torna réu; o réu, juiz (pelo menos metaforicamente).

Robert Downey Jr. é o coração desta história, que, mais do que investigar um assassinato, explora os rancores mal resolvidos entre um pai e um filho. Downey Jr. é o filho, Henry, um advogado especialista em defender criminosos, encontrando todas as brechas possíveis na lei mesmo que seus clientes sejam culpados.

Numa única manhã, Henry perde a esposa e a mãe – a primeira, para outro homem; a segunda, para um coágulo no coração. Hesitante, o homem da cidade grande vai para sua cidadezinha natal, menos receoso pela imagem da mãe morta do que pela expectativa do reencontro com o pai, Joseph Palmer (Robert Duvall).

O sr. Palmer é juiz há mais de 40 anos e, na visão de Henry, costuma mostrar mais compaixão pelos réus desconhecidos do que por seu próprio filho. Mas Henry não é o único, e sim o do meio - o mais rebelde, mais cobrado e mais bem sucedido. O mais velho, Glen (Vincent D’Onofrio) tinha tudo para ser um grande atleta, até machucar o punho. O mais novo, Dale (Jeremy Strong), tem uma deficiência intelectual e depende de sua câmera para sentir-se seguro. Entre os três, há aquela cumplicidade que só irmãos compreendem.

Os sentimentos masculinos têm peso especial em “O Juiz”, centrado numa família onde só os homens restaram e as mulheres se resumem a crianças delicadas ou parceiras de cama. Não que este seja um filme sexista, mas a forma como os personagens lidam com o orgulho, prejudicando a si mesmos e uns aos outros em cada palavra não dita, só encontra seu sentido pleno na interpretação de um homem – criado para ser infalível.

Os conflitos de Henry se multiplicam quando Joseph é acusado de homicídio e, mesmo sabendo do talento do filho, recusa sua ajuda. Se o pai é o clássico patriarca rabugento, o filho surpreende com uma vastidão de sentimentos que vão da auto-confiança ao medo paralisante e do amor incondicional ao ódio, levando à inevitável transformação e à redenção. Toda essa energia é canalisada no tribunal, onde as melhores sequências acontecem, para deleite do público.

Vera Farmiga e Billy Bob Thornton reforçam o elenco, neste filme que deve sua força especialmente aos atores. “O Juiz” estreia no Brasil no dia 16 de outubro.

Assista se você:

  • Gosta de filmes sobre julgamentos
  • Gosta de filmes sobre pais e filhos
  • Quer ver uma atuação surpreendente de Robert Downey Jr.

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes com tribunais
  • Não gosta de dramas familiares
  • Está cansado de filmes sobre homens orgulhosos ou rabugentos

Atualizado em 8 Out 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Diretor de “Fragmentado” revela que o filme será parte de uma trilogia; confira a entrevista completa

M. Night Shyamalan veio ao Brasil divulgar o suspense que estreia no dia 23 de março

Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

"The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

"A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

“T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

"Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018