Guia da Semana

Outra adaptação

Longa de Gavin Hood conta a história de um dos mais fascinantes personagens dos quadrinhos, mas peca em alguns aspectos fundamentais



Um personagem dos quadrinhos que fascina pela sua característica de anti-herói, politicamente incorreto, com um passado obscuro e poderes que agradam a maioria dos leitores. Um diretor escolhido pelo próprio ator que deu vida ao mutante na trilogia X-Men e a presença de personagens que os fãs anseiam desde que a série ganhou às telas de cinema. Tinha tudo para dar certo, correto? Sim, mas não deu.

O diretor sul-africano Gavin Hood (vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro de 2006 por Tsotsi) foi escolhido pelo próprio ator Hugh Jackman (o Wolverine da trilogia) para contar a surpreendente história do mutante, eleito pela revista Wizard e pela Empire Magazine como um dos melhores personagens de quadrinhos de todos os tempos.

O mutante de garras nas mãos e poderes de regeneração seria um prato cheio, mas a trama saiu de forma rápida, com mudanças desnecessárias e mau uso dos personagens coadjuvantes.

No filme conhecemos a infância do pequeno James Howlett, fugindo com o irmão Victor Creed, dois mutantes meio-homem, meio-animal, e suas participações na Guerra Civil Americana, nas 1ª e 2ª Guerras Mundiais, até a Guerra do Vietnã.

Creed (Liev Schreiber) vai gradualmente saciando sua sede de matar, quando são capturados pelo general William Stryker (Danny Huston), que une James e Victor a um pequeno grupo de outros mutantes para criar seu exército particular.

James foge e vai buscar uma vida pacata no Canadá, onde muda seu nome para Logan e vive em paz com Kayla (a fraquinha Lynn Collins). Lá, ele é descoberto por Stryker, que o convence a participar de uma experiência (o Projeto Arma X), para que ele se vingue de Victor após Kayla ser dada como morta.

O projeto consiste em aplicar adamantium na estrutura óssea de Logan (que se torna Wolverine após o experimento), uma liga de metal altamente resistente que substituirá suas garras de ossos e o tornará indestrutível.

Após isso, o filme se desenrola em um jogo de gato e rato, envolvendo Wolverine, Stryker e Creed (codinome Dentes-de-Sabre), permeado por vinganças, traições, reviravoltas e ótimas - embora curtas - cenas de luta. Porém, muitos dos fãs podem ficar decepcionados pelas mudanças drásticas na trama, como o fato de Dentes-de-Sabre e Wolverine serem retratados como irmãos no longa.

Hood, um diretor de filmes mais introspectivos, optou pela mudança para inserir maior carga dramática ao filme, dando um tom de que "ódio e amor caminham juntos", excluindo o ódio mortal que os personagens sentem na HQ. Além disso, Gambit (Taylor Kitsch) e Deadpool (Ryan Reynolds) são ótimos personagens pouco aproveitados, principalmente pelo fato de sofrerem do "trauma do primeiro filme", em que o objetivo é apenas apresentá-los.

Wolverine - o filme traz alguns méritos: a ótima trilha sonora e o roteiro, que faz uso das boas tiradas de Wolverine e de Wade Wilson, o futuro Arma XI (Deadpool), outro personagem arruinado no filme. Hugh Jackman esforçou-se ao máximo para dar a Wolverine a fúria e força necessárias de um personagem totalmente perdido no mundo, sem passado, com um futuro incerto e fadado a vagar eternamente quando sua memória é apagada.

Liev Schreiber, como Victor Creed/Dentes de Sabre, atingiu o ponto necessário que seu personagem exigia: força, sarcasmo e a fúria de acabar com a vida de Wolverine - mesmo que isso seja amenizado de forma vergonhosa. O filme ganha alguns outros personagens conhecidos pelos fãs, como o ainda adolescente Scott Summers (o futuro Ciclope, interpretado por Tim Pocock), o enorme Blob (Kevin Durand) e o Agente Zero (Daniel Henney).

Enfim, Wolverine - o filme pode agradar aos apreciadores do cinemão pipoca, mas fica devendo em termos de fidelidade ao tema, apesar do bom ritmo e das tramas amarradas. Afinal, como diz Wolverine: "Eu sou o melhor no que eu faço, mas o que eu faço não é nada bom". Vamos torcer para que o diretor da continuação não leve isso tão ao pé da letra.

Leia as colunas anteriores de Leonardo Freitas:

Retratos de Almodóvar

Novo filme de Laurent Cantet

Canções de Amor

Quem é o colunista: Um jornalista aficcionado por cinema de A a Z.

O que faz: Jornalista, tradutor e fotógrafo de uma editora de quatro publicações segmentadas.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para Falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentador erra e dá Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil