Guia da Semana

Outra adaptação

Longa de Gavin Hood conta a história de um dos mais fascinantes personagens dos quadrinhos, mas peca em alguns aspectos fundamentais



Um personagem dos quadrinhos que fascina pela sua característica de anti-herói, politicamente incorreto, com um passado obscuro e poderes que agradam a maioria dos leitores. Um diretor escolhido pelo próprio ator que deu vida ao mutante na trilogia X-Men e a presença de personagens que os fãs anseiam desde que a série ganhou às telas de cinema. Tinha tudo para dar certo, correto? Sim, mas não deu.

O diretor sul-africano Gavin Hood (vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro de 2006 por Tsotsi) foi escolhido pelo próprio ator Hugh Jackman (o Wolverine da trilogia) para contar a surpreendente história do mutante, eleito pela revista Wizard e pela Empire Magazine como um dos melhores personagens de quadrinhos de todos os tempos.

O mutante de garras nas mãos e poderes de regeneração seria um prato cheio, mas a trama saiu de forma rápida, com mudanças desnecessárias e mau uso dos personagens coadjuvantes.

No filme conhecemos a infância do pequeno James Howlett, fugindo com o irmão Victor Creed, dois mutantes meio-homem, meio-animal, e suas participações na Guerra Civil Americana, nas 1ª e 2ª Guerras Mundiais, até a Guerra do Vietnã.

Creed (Liev Schreiber) vai gradualmente saciando sua sede de matar, quando são capturados pelo general William Stryker (Danny Huston), que une James e Victor a um pequeno grupo de outros mutantes para criar seu exército particular.

James foge e vai buscar uma vida pacata no Canadá, onde muda seu nome para Logan e vive em paz com Kayla (a fraquinha Lynn Collins). Lá, ele é descoberto por Stryker, que o convence a participar de uma experiência (o Projeto Arma X), para que ele se vingue de Victor após Kayla ser dada como morta.

O projeto consiste em aplicar adamantium na estrutura óssea de Logan (que se torna Wolverine após o experimento), uma liga de metal altamente resistente que substituirá suas garras de ossos e o tornará indestrutível.

Após isso, o filme se desenrola em um jogo de gato e rato, envolvendo Wolverine, Stryker e Creed (codinome Dentes-de-Sabre), permeado por vinganças, traições, reviravoltas e ótimas - embora curtas - cenas de luta. Porém, muitos dos fãs podem ficar decepcionados pelas mudanças drásticas na trama, como o fato de Dentes-de-Sabre e Wolverine serem retratados como irmãos no longa.

Hood, um diretor de filmes mais introspectivos, optou pela mudança para inserir maior carga dramática ao filme, dando um tom de que "ódio e amor caminham juntos", excluindo o ódio mortal que os personagens sentem na HQ. Além disso, Gambit (Taylor Kitsch) e Deadpool (Ryan Reynolds) são ótimos personagens pouco aproveitados, principalmente pelo fato de sofrerem do "trauma do primeiro filme", em que o objetivo é apenas apresentá-los.

Wolverine - o filme traz alguns méritos: a ótima trilha sonora e o roteiro, que faz uso das boas tiradas de Wolverine e de Wade Wilson, o futuro Arma XI (Deadpool), outro personagem arruinado no filme. Hugh Jackman esforçou-se ao máximo para dar a Wolverine a fúria e força necessárias de um personagem totalmente perdido no mundo, sem passado, com um futuro incerto e fadado a vagar eternamente quando sua memória é apagada.

Liev Schreiber, como Victor Creed/Dentes de Sabre, atingiu o ponto necessário que seu personagem exigia: força, sarcasmo e a fúria de acabar com a vida de Wolverine - mesmo que isso seja amenizado de forma vergonhosa. O filme ganha alguns outros personagens conhecidos pelos fãs, como o ainda adolescente Scott Summers (o futuro Ciclope, interpretado por Tim Pocock), o enorme Blob (Kevin Durand) e o Agente Zero (Daniel Henney).

Enfim, Wolverine - o filme pode agradar aos apreciadores do cinemão pipoca, mas fica devendo em termos de fidelidade ao tema, apesar do bom ritmo e das tramas amarradas. Afinal, como diz Wolverine: "Eu sou o melhor no que eu faço, mas o que eu faço não é nada bom". Vamos torcer para que o diretor da continuação não leve isso tão ao pé da letra.

Leia as colunas anteriores de Leonardo Freitas:

Retratos de Almodóvar

Novo filme de Laurent Cantet

Canções de Amor

Quem é o colunista: Um jornalista aficcionado por cinema de A a Z.

O que faz: Jornalista, tradutor e fotógrafo de uma editora de quatro publicações segmentadas.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para Falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

7 Fatos sobre “Fallen” que você precisa saber antes de ir aos cinemas

Adaptação do primeiro livro da saga adolescente estreia no dia 8 de dezembro

4 Motivos para ver “A Qualquer Custo” nos cinemas

Filme com Chris Pine e Jeff Bridges chega aos cinemas em janeiro

"50 Tons Mais Escuros" ganha trailer inédito; confira

Novo vídeo do longa está mais caliente do que nunca!

Clássico de Chaplin tem sessão gratuita no Auditório Ibirapuera

Exibição encerra a programação do centenário de Paulo Emílio Sales Gomes

Saiu o primeiro teaser de "Homem Aranha: De Volta ao Ler"; vem assistir!

Trailer completo será divulgado nesta quinta-feira

Mais de 20 fotos inéditas de "Transformers: O Último Cavaleiro" vazam na internet; confira

Próximo longa da franquia estreia em junho de 2017