Guia da Semana

Perto da estrada de Ouro Fino

Visita aos sets de filmagem de filme protagonizado por cantor Daniel revela que cinema não é tão simples como aparece nas telas

Equipe se prepara para filmagens de O Menino da Porteira.

No interior de São Paulo, próximo a Campinas, na cidade de Paulínia, se localiza o set de filmagens de algumas cenas da nova versão de O Menino da Porteira. Dirigido por Jeremias Moreira e produzido por Moracy do Val, os mesmos responsáveis pela primeira versão, de 1976, o filme é protagonizado pelo cantor Daniel, no papel que foi de Sérgio Reis, e ainda conta no elenco com nomes como o de José de Abreu, Vanessa Giácomo e Rosi Campos. Além de João Pedro Camargo, que acaba de completar 8 anos, no papel do garoto que dá título à produção.

Poucos minutos depois de sair da prefeitura da cidade, a equipe do Guia da Semana chega ao local onde está montada a cidade cenográfica. À primeira vista, com o clima, o cheiro, o cenário vazio, pouca coisa indicaria que se trate dos sets de um filme, e não de uma simples fazenda. Porém, ao cruzar o portão que leva à parte onde está a equipe, é perceptível que não é um lugar qualquer. Geradores, cabos de eletricidade por todos os lados, fortes refletores em uma estrutura para que a luz esteja na medida correta, além de uma equipe de cerca de 30 técnicos uniformizados mostravam que ali era realmente onde ocorriam as filmagens.

A cena era simples, Juliana, personagem vivida por Vanessa Giácomo, par romântico de Daniel, conversava com uma costureira que media seu corpo para uma nova roupa. Nada que dure mais do que dois minutos, mas que é necessário bem mais do que isto para que fique ideal para ser exibido nas telas, talvez ainda neste ano. Toda a ação se passa dentro de uma das casas cenográficas, dando para perceber pouco da movimentação de dentro, mas não apenas na pequena oficina de costura que a equipe atuava.

Diretor Jeremias Moreira (de chapéu) conversa com o fotógrafo Pedro Farkas (de costas).

Em uma rua de terra, representando uma pequena vila dos anos 50, há cerca de seis prédios comerciais bastante rústicos. Todos apenas em uma das calçadas, enquanto na outra jornalistas e curiosos se amontoam no mato para acompanhar as filmagens. Dentre eles, Moracy do Val e a atriz Rosi Campos, que chamou a atenção ao chegar com trajes caipiras. Na estrada, dois equipamentos com um pequeno monitor, o vídeo assist, onde se acompanha tudo o que é registrado pelas câmeras. Em um deles está João Godoy, o técnico de som, no outro, o conceituado diretor de fotografia Pedro Farkas e Jeremias Moreira, cercados por jovens assistentes e a equipe de produção.

Na casa, uma janela e um espelho revelam um pouco do que acontece do lado de fora, de forma quase imperceptível. Mas como no cinema detalhes são importantes, tudo estava preparado. Fora, do lado direito, uma senhora de braços dados com a filha adolescente aguarda ansiosa pela sua deixa, assim como dois senhores do outro lado, próximos de um antiquado carrinho de pedreiro e de alguns tijolos pelo chão. Todos figurantes, moradores da própria Paulínia. Enquanto isso, a produção cuida para que ninguém mais apareça em quadro.

Tudo preparado, hora de filmar. Godoy verifica o som, Farkas e Jeremias olham o posicionamento das câmeras e dos atores, tudo perfeito. "Silêncio, vamos filmar!", grita alguém da produção, todos ficam quietos, atentos para a cena. A assistente de direção se assegura de que tudo está pronto e... "Ação!". Todos de olho para que nada saia errado. Enquanto dentro Vanessa diz seu texto, a senhora e sua filha caminham conversando de um lado e, de outro, os dois homens colocam os tijolos no carrinho. "Corta!". O barulho dos tijolos ficou muito alto. Colocam uma manta para abafar o som no carrinho.

Vanessa Giácomo logo após as filmagens.

Todos a postos novamente. Tudo preparado, mas um avião passa e a equipe aguarda ele se distanciar. Começam a se preparar quando há um tumulto nos bastidores. É João Pedro, que chega trazendo para si toda a atenção dos repórteres e fotógrafos. Sem muita cerimônia, o menino conversa com um e outro, posa para fotos, demonstrando seus cinco anos de experiência no mundo dos cinemas, já que iniciou interpretando um bebê em Acquária. Enquanto isto, as preparações para a filmagem continuam. Mais uma cena. "Corta!". Agora o barulho veio do gerador, que também é coberto por uma manta.

Mais uma tentativa. Desta vez é o espelho que está batendo. A produção coloca um calço e se prepara para a próxima tomada. Tudo pronto, "Luz? Câmera?... Ação!". A claquete bate e todos cumprem com suas funções. Tudo perfeito e, no final, o cacarejar de uma galinha. As atenções se voltam para João Godoy, que aprova a cena. As atrizes saem. Sessão de fotos e entrevistas com Vanessa Giácomo. Todos comemoram, Jeremias e Farkas se asseguram que está tudo bem, enquanto João Pedro tem outras prioridades. Pulando em um montinho de terra, insiste ao pai: "Eu quero o meu avião!". E isto foi apenas uma pequena cena.

Fotos: Gabriel Oliveira

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor