Guia da Semana

Poucas coelhinhas e muitas piadas

Com título sugestivo, A Casa das Coelhinhas tem ponto forte no ótimo humor de Anna Faris, frustra quem espera muitos detalhes da mansão de Hugh Hefner e é muito mais engraçado que seu trailer

De Los Angeles




O humor non-sense norte-americano está numa sinuca de bico. Embora comédias como SuperBad - É Hoje ainda consigam surpreender o mercado, há pouco espaço para novidade. Ben Stiller tentou encontrar outro filão com Trovão Tropical, foi bem nas bilheterias, mas precisou atacar a classe para sair da mesmice. Por outro lado, os filmes metalingüísticos da linha de Deu a Louca em Hollywood ou Super-Heróis - A Liga da Injustiça não param de ser produzidas, mas sempre com resultados abaixo do esperado. Restou à pioneira desse estilo, Anna Faris, de Todo Mundo em Pânico, a tarefa de reativar o gênero sem baixar o nível. E ela quase chega lá com A Casa das Coelhinhas.

A coelhinha do título remete às modelos selecionadas por Hugh Hefner para viver em sua mansão em Los Angeles. Aprovado pela Playboy, o filme já garante boa bilheteria pelos inúmeros leitores da revista que vão pagar para conhecer o dia-a-dia das moçoilas que não participam do reality show de Hugh Hefner, estrelado pelas três namoradas do playboy. Mas a mansão em si torna-se apenas referência no início da história de Shelly (Anna Faris), a mais velha das moradoras da casa que é expulsa ao completar "59 anos de Coelhinha", 27 na vida real.

Sem saber o que fazer da vida, completamente fútil por conta do cotidiano da mansão e com uma visão distorcida do mundo, Shelly é o exemplo máximo da loira burra. Depois ser presa ao confundir o teste do bafômetro com teste do sofá, ela descobre que o mundo fora da mansão é bastante esquisito. Mas nada é tão esquisito quanto sua decisão de se unir a um grupo de universitárias excluídas que vivem na pior fraternidade da USC, onde o filme foi gravado.

É nesse lugar caindo aos pedaços que sua habilidade com futilidade e técnicas para atrair homens vai ser colocada em uso, mas, claro, como a moral da história é necessária, isso não será suficiente para garantir a felicidade a suas novas amigas e nem a seu romance com o personagem de Colin Hanks.

Mas tudo isso é pontuado por boas piadas, que atuam em conjunto com uma interpretação inspirada de Anna Faris, assumidamente dedicada a fazer qualquer coisa que seu papel necessite para garantir boas risadas. Para isso, ela fala com vozeirão à la O Exorcista, imita Marylin Monroe num bueiro com gás quente e é hilária quando tenta transformar sua personagem em alguém culta e séria. A maioria das cenas descritas anteriormente está no trailer dos cinemas, portanto devem soar como repetição, mas aí entra um dos diferenciais de A Casa das Coelhinhas. O filme sobrevive a seu trailer e as piadas ali mostradas são apenas uma amostra do que a comédia oferece, fato bastante raro hoje em dia.

A Casa das Coelhinhas não tem pretensões, apóia-se numa comediante ideal para esse tipo de produção e fez com que a revista Playboy publicasse Anna Faris na capa, toda vestida, mas, ainda assim, tirando de alguma modelo seminua a chance de se imortalizar na primeira página.

O filme prega contra a futilidade, conta a política da moda e da ostentação, mas ninguém ali liga para a crítica que o roteiro possa fazer. O objetivo era fazer rir e isso, esse filme faz com o pé nas costas e às custas de Anna, que não precisa pintar a cor da pele ou esculachar a classe artística no processo. Trovão Tropical é melhor, mas A Casa das Coelhinhas é sem dúvida mais engraçado!




Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentadores erram e dão Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil