Guia da Semana

Pré-estreia em alto nível

A primeira exibição de Tropa de Elite 2 recebeu vários elogios dos espectadores pela produção e por levantar questões ainda mais polêmicas

Foto: Guia da Semana

Thiago, Odete, Flávia e Raul foram alguns dos contemplados na promoção do Guia da Semana que deu acesso livre para a pré-estreia de Tropa de Elite 2

'Faca na caveira' foi um dos poucos bordões que acompanhou o segundo filme do Tropa de Elite. Os clássicos 'pede para sair', 'cadê o baiano' e 'você é um fanfarrão' ficaram de fora da continuação do longa, que teve sua pré-estreia na última terça-feira, dia cinco, e chega aos cinemas no dia oito. A sede do evento foi o teatro de Paulínia, no interior de São Paulo, cidade que também abrigou parte das gravações do filme. A première foi uma grande festa, com bela decoração, estrutura de segurança fortíssima e um público ilustre, como todo o elenco e os produtores do filme, além de distribuidores, celebridades, políticos, convidados especiais e representantes da imprensa em geral.

Dentre os convidados especiais da pré-estreia, estavam os ganhadores da 'Promoção Tropa de Elite 2', que o Guia da Semana pode realizar com exclusividade para os seus leitores. O Guia foi o único veículo de mídia digital que teve autorização para cobrir o lançamento do Tropa de Elite 2 e levar sua equipe e os contemplados da promoção. "O evento foi fantástico e Tropa de Elite 2 superou minhas expectativas", revela a analista de RH e uma das vencedoras, Odete da Silva Ribeiro.

Foto: Guia da Semana

O Theatro Municipal de Paulínia, no interior de São Paulo, foi a sede da première do segundo longa de Tropa de Elite

De capitão a secretário de segurança

As mudanças para o segundo Tropa são várias, começando pelo fato que se passam 15 anos na história e, consequentemente, na vida do personagem principal do filme, o Capitão Nascimento, vivido por Wagner Moura. Agora, na maior parte do filme ele é chamado de Coronel Nascimento e do cargo de comandante do Bope, passa a ser secretário de segurança no Estado do Rio de Janeiro. "Ele está mais sério, na meia-idade, mas continua com aquela virilidade de sempre do Capitão Nascimento", opina Thiago Alzani, que é jornalista e foi outro contemplado do Guia.

Por outro lado, Odete destaca a outra face da personalidade do ex-comandante do Bope que não havia sido mostrada no primeiro longa. "O Capitão Nascimento está mais emocional, mostra que ele não é tão durão. Ele se porta dessa maneira, porque tem que ser, porque é o sistema", comenta a analista de RH, referindo ao 'sistema' muito comentando no primeiro longa quando faziam referência ao tráfico de drogas. O personagem de Wagner Moura contracena com seu filho adolescente Rafael, vivido pelo estreante Pedro Van Held, em várias partes do filme. O destaque vai para as cenas que os dois passam em cima do tatame, lutando jiu-jitso.

Foto: Guia da Semana

Após assistirem ao filme, os vencedores da Promoção Tropa de Elite 2 deram seus depoimentos sobre o longa para a equipe do Guia da Semana

Do tráfico para a política

O enfoque central do primeiro Tropa é tráfico de drogas na capital carioca e que refletia por todo o país. Já o segundo, segue mais para o viés político e desmantela a ligação do governo com a polícia e as milícias. Coincidência ou não, o Tropa de Elite 2 passa em um ano de eleições e as relações de compra de voto, suborno e financiamento de campanha pelo tráfico ficam escancaradas. "Na jogada eleitoreira que aliou o policial corrupto do morro ao governo, ficou bem claro aquela política do pão e circo em troca de votos", expõe Alzani.

O estudante Raul de Souza Olveira - outro vencedor da promoção do Guia - gostou muito do enfoque político que trouxe o Tropa 2. Segundo ele, a película representa muito bem o Brasil e é importante para que os brasileiros pensarem muito bem em quem vão eleger, pois podem colocar no governo políticos como os mostrados no longa. "Essas cenas deu até certa angústia, pois a verossimilhança era demais", completa.

O jornalista Alessandro Fiocco, que também esteve na première, reforça a questão do realismo apresentando nas cenas, a identificação com o que acontece na sociedade brasileira atualmente e define o filme como questionador. "Sabemos que há invasões nas favelas, nos presídios, mortes violentas relacionadas ao tráfico, mas quando se para e pensa na questão política apresentada no filme, não sabemos até que ponto aquilo não é vida real", comenta. A última cena do explica bem a origem dessas indagações do filme e deixa a conclusão para seus ilustres expectadores.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip