Guia da Semana

“Quando as Luzes se apagam” explora o medo do escuro com trama simples e assustadora

Longa estreia no dia 18 de agosto nos cinemas

Uma mulher, sozinha em sua própria casa, se prepara para dormir. Quando apaga a luz do corredor, uma figura surge entre as sombras, mas, ao acender, ela desaparece. E assim, apertando o interruptor de um lado ao outro cada vez mais incrédula, essa mulher descobre que, naquela noite, ela não vai dormir.

Este pequeno pesadelo é o curta de pouco mais de dois minutos que deu origem a “Quando As Luzes Se Apagam”, longa de horror de David F. Sandberg que estreia nos cinemas no dia 18 de agosto. Essa estratégia – de transformar curtas em longas – não é nova e já foi usada recentemente por Andrés Muschietti (“Mama”) e Damien Chazelle (“Whiplash”), mas é preciso saber trabalhar uma boa história de fundo para que funcione.

Neste caso, ela funciona muito bem: primeiro porque, se o seu monstro aparece sempre que há escuridão, isso significa que os protagonistas precisarão se cercar de luz dia e noite para se protegerem – e isso, em si, já é bastante assustador. Segundo porque existe um contexto familiar conturbado que permeia toda a história e evolui junto com os sustos, criando um arco completo que amarra todas as pontas no final.

O longa gira em torno de uma mãe, seus dois filhos e uma visitante indesejada. A filha mais velha, Rebecca (Teresa Palmer), saiu de casa há anos e hoje mora sozinha, tendo apenas a companhia do quase-namorado Bret (Alexander DiPersia). Já o filho mais novo, Martin (Gabriel Bateman), começa a ter problemas na escola porque não consegue dormir – e não é difícil adivinhar por quê.

A história de “Quando As Luzes Se Apagam” é um pouco mais interessante do que o clichê “assombração ocupa a casa e decide atacar seus moradores”. Aqui, a criatura não é propriamente um espírito (e o filme não se esforça demais para explicar o que ela é) e não tem uma ligação com o espaço, mas sim com a mãe (Maria Bello), com quem chega a ter diálogos extensos e uma relação de dependência.

Talvez não seja necessário enxergar além dos sustos e do suspense, muito bem construído nos jogos de sombra, nas expressões dos atores e nos sons de portas rangendo e unhas arranhando, mas, para quem estiver disposto, é possível perceber uma metáfora na relação da mãe com a criatura, que espelha sua própria relação com a depressão. Assim como acontece com muitas pessoas que têm a doença, familiares e amigos tendem a culpá-las e a se afastarem, afundando-as ainda mais na solidão.

O filme, entretanto, não foge de lugares-comuns: estão ali as frases de efeito, chantagens emocionais, intervenções policiais (geralmente inúteis quando se tratam de fenômenos sobrenaturais), porões, criancinhas excessivamente maduras e outros clichês. Isso, porém, é compensado pela simplicidade da trama e dos efeitos e pela qualidade da história. “Quando As Luzes Se Apagam”, enfim, é um filme bem feito, curto e sem excessos, que vai arrepiar cada pelo do seu corpo e, de quebra, ainda entregar algo a mais. Vale seu ingresso.

 

Assista ao curta "Lights Out", que deu origem ao longa: 

Atualizado em 11 Ago 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

8 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em maio

"Corra!" e "Alien: Covenant" chegam aos cinemas neste mês

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas