Guia da Semana

Rei Leão em 3D!

Para alegria do público e com o objetivo de conquistar novos espectadores, antigos campeões de bilheteria voltam às telonas em terceira dimensão

Que o 3D é sucesso, não há dúvida. A plataforma vem lotando salas de cinema de todo o mundo e de olho nisso, grandes produtoras pretendem transformar seus clássicos e colocá-los em cartaz novamente. O gênero que mais recebe atenção nesse sentido são as animações.

Com o intuito de ganhar um público que ainda não teve chance de conhecer as histórias, as empresas de cinema trabalham arduamente em projetos de conversão de suas obras. Esse foi o caso de Toy Story 1 e 2, Shrek 1, 2 e 3, A Bela e a Fera, que completa 20 anos em 2011 e pretende ser relançado, e dessa vez, o recorde de bilheteria, O Rei Leão.

O produtor da história do leãozinho, Don Hahn, explica que o desenho animado em 2D passou por um processo de conversão, feito com muito cuidado. De forma que ficasse nos padrões de tecnologia Disney Digital 3D.

Lançado em 1994, O Rei Leão tornou-se um dos maiores sucessos da casa do Mickey e rendeu US$ 312 milhões de dólares somente nos Estados Unidos e mais de R$ 1 bilhão ao redor do mundo. A repercussão não foi diferente no Brasil. Foram cerca de 500 mil pagantes somente na estreia, somando 4,2 milhões ao total. Além disso, o VHS vendeu 4,5 milhões de cópias no dia do lançamento, em 1995, e o DVD, em 2003, chegou a 2 milhões na mesma ocasião.

Além da história de Simba, outros personagens que devem voltar às telonas são Jack e Rose, protagonistas de Titanic. Em sua recente passagem pelo Brasil, o premiado diretor James Cameron afirmou que está trabalhando no projeto de conversão do longa para 3D. Porém, isso levará tempo, já que Cameron é um dos grandes defensores da plataforma e crítico em relação à banalização do gênero, se referindo a filmes que não foram pensados para o 3D e no meio do processo foram adaptados - caso de Fúria de Titãs (2010).

Foto: Imdb.com


Mercado promissor

Realmente, esse filão na indústria cinematográfica tem feito sucesso. E, segundo o crítico de cinema Christian Petermann, em grande parte devido à curiosidade do recente gênero e a busca do retorno financeiro. "O motivo principal é, sem dúvida, capitalizar em cima da atual tábua de salvação da indústria de cinema em Hollywood, o 3D. Além disso, atiçar a curiosidade de fãs, admiradores e novos espectadores para obras clássicas e referenciais que ressurgem com esse atrativo extra", afirma.

Já de acordo com Pedro Butcher, crítico de cinema do jornal Folha de S.Paulo e editor do site Filme B, o 3D se confirmou como uma força e abriga uma capacidade gigante de atrair público ao cinema - até maior do que a própria indústria esperava. "Uma nova geração está se habituando ao 3D como normal e padrão. O bom filme em 3D é aquele que não é deslumbrado pelos efeitos. Em alguns, os longas não são pensados de forma tão sofisticada para a plataforma; assim, os estúdios usam o mercado de uma forma predatória", relata.

Trabalho triplicado

A conversão é um processo tecnicamente complicado, afinal, o ideal é que o longa seja pensado e produzido em 3D desde suas câmeras ou, então, desenhos e personagens já produzidos para a versão tridimensional. "Um 3D estudado e bem aplicado não atrapalha em nada, como o feito nas duas primeiras partes de Toy Story, em trabalhos de preparo para o terceiro e último filme da série, que desde o começo concebeu a versão tridimensional. Mas um 3D inútil, desconexo, oportunista, sensacionalista ou de segunda categoria realmente só tende a prejudicar uma obra", comenta Petermann.

Foto: Imdb.com


De acordo com Rafael Ribas, um dos diretores da Start Media, responsável por animações como O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes, para converter um filme é preciso animar tudo novamente, modelar, fazer a pré-produção e reinderizar, gerar as imagens. "A grande diferença é na hora da reinderização. É preciso ter à disposição um software com três ângulos. O programa capta o filme por dois olhos diferentes, por isso, ele precisa ser digital. Depois, é necessário finalizar o filme duas vezes, portanto, o trabalho fica dobrado", explica.

Já os filmes produzidos em 2D, como é o caso de O Rei Leão, uma animação feita a mão, o processo é diferente. "Quando se faz o 3D são usadas duas câmeras em um personagem. No desenho feito a mão só é possível fazer isso uma vez. Nesse caso, é preciso um software para trabalhar tudo isso e fazer os multiplanos. As animações feitas assim não permitem um 3D de volume, preza muito mais a profundidade. É preciso trabalhar os planos, como se víssemos várias cartolinas recortadas, uma em cada profundidade".

Quanto custa

No projeto de Avatar, James Cameron passou dez longos anos pesquisando e criando todos os aparatos necessários para a composição do longa. Considerado o filme mais caro da história - em torno de US$ 500 milhões -, Avatar é a grande prova de que produzir em 3D custa bastante. "Estamos com um projeto no valor aproximado de R$ 4 milhões. Se fosse necessário utilizar somente a tecnologia para fazer a conversão, provavelmente giraria em torno de R$ 2 milhões. Em se tratando de produções da Disney, esse valor fica difícil de calcular. Toy Story, por exemplo, gastou US$ 100 milhões na produção e deve ter consumido, no mínimo, metade para conversão", comenta Rafael Ribas.

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

J.K. Rowling desmente boato sobre filme de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada"

"Não há verdade nos rumores sobre a trilogia", disse a escritora no Twitter

Após vídeo de supostos maus-tratos, pré-estreia de "Quatro Vidas de Um Cachorro" é cancelada

Universal Pictures divulgou comunicado oficial informando o cancelamento

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rede Cinesystem inaugura seu primeiro cinema em São Paulo

Com nove salas e projeção a laser, cinema promete ser o mais moderno da cidade

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.