Guia da Semana

Retratos de Almodóvar

Tudo o que você precisa saber sobre os filmes do diretor espanhol



Pedro Almodóvar pode ser considerado, antes de tudo, um diretor de perfis. Criando personagens e personalidades em roteiros mirabolantes e ácidos - quase sempre de sua autoria - conseguimos crer na veracidade de suas tramas, por mais absurdas que sejam. Seu filme de estreia, Pepi, Luci, Bom y otras chicas Del Montón (1980), já mostrava isso, com uma trama absurda repleta de personagens bizarros e atitudes despudoradas.

Logo após, veio Labirinto de Paixões (1982) que lançou nas telas o jovem Antonio Banderas, então com 21 anos, mostrando diversas confusões em um ritmo vertiginoso, misturadas a muito erotismo e desafiando a linha da sexualidade (que permearia todas as suas obras).

Expondo assuntos como drogas, violência e homossexualidade, Almodóvar surgiu para derrubar os alicerces das condutas religiosa, social, sexual e política. Maus hábitos (1984), por exemplo, mantém o posto de mais controverso ao mostrar um convento repleto de freiras nada puritanas. Chegou a ser proibido em diversos países, após tocar em feridas da Igreja Católica. 

Em 1986, Almodóvar lança Matador, no qual passeou pela primeira vez no campo mais dramático. A densidade e a maturidade ganharam forma nas telas com Lei do Desejo (1987), terceira parceria Almodóvar/Banderas, um de seus filmes mais carregados de homossexualidade. Banderas tentou proibir o lançamento - que se deu dez anos depois -, quando já era astro de Hollywood. Em seguida, Surreal e Ácido, uma mistura de tragédia e humor com tema sobre religião e forte estética kitsch.

Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos (1988), com a excepcional Carmen Maura, foi o primeiro filme de Almodóvar a receber a indicação ao Oscar. Homenagem às comédias norte-americanas da década de 40, o longa é carregado de escatologia, ritmo vertiginoso e visual vibrante do começo ao fim.  

Na década de 90, Almodóvar elegeu sua nova musa: a sensual Victoria Abril estrela Ata-me! (1990), cheio de cores berrantes, ousadas cenas de sexo e trilha de Ennio Morricone. De Salto Alto (1991), traz Marisa Paredes com uso de diversos clichês melodramáticos. Este é considerado seu filme mais comportado, embora envolva assassinato, amor, ódio e até a gravidez da personagem de Abril por um transformista.

As cores berrantes permanecem em A Flor do Meu Segredo (1995), em que Marisa Paredes interpreta uma escritora em crise com o fim de seu casamento. O humor constante dá lugar a uma delicadeza que o público até então desconhecia, envolvendo literatura com toques autobiográficos de sua infância. Em seguida, Almodóvar filma as três películas que são consideradas suas obras-primas.

Carne Trêmula (1998) alçou Javier Bardem no cenário internacional e é uma deliciosa comédia dramática com toques noir. O belíssimo Tudo Sobre Minha Mãe é lançado em 1999, arrematando prêmios por todo o mundo, incluindo o Oscar de Melhor Filme estrangeiro e o prêmio de Melhor Diretor em Cannes. Alternando humor e beleza, com personagens fortes, a película conta com um notável trabalho de Marisa Paredes e Cecília Roth. Fale com Ela, em 2002, completa a trinca de ouro. Delicado ao abordar o universo masculino, o cineasta trata de amor e morte em um filme que é uma verdadeira ode à dedicação e à culpa.

O projeto seguinte, Má Educação (2004) com Gael Garcia Bernal, é um filme mais sombrio, ao tratar do tema pedofilia envolvendo padres, levando o diretor, novamente, a enfrentar críticas da Igreja. Essência de cores, referências cinematográficas e quebra de limites da sexualidade. Sim, é um autêntico filme de Pedro Almodóvar.

Em sua terceira parceria com o diretor - e primeira como protagonista - Penélope Cruz uniu-se à veterana Carmen Maura em Volver (2006). A vingança e a reconciliação familiar com personagens, muitas vezes, obscuros e misteriosos, deram a Almodóvar o prêmio Melhor Roteiro em Cannes. Curiosidade: Volver é o livro escrito pela personagem de Paredes em A Flor do Meu Segredo, de 1995.


Ainda inédito no Brasil, Los Abrazos Rotos (2008) traz Cruz novamente às telas, em um papel duplo. Em clima noir, melodrama e comédia une personagens em uma história de vingança e ciúme, cujo título, segundo o próprio diretor, trata dos "abraços quebrados" com o tempo e o fim do amor.

Para os mais afoitos, já circula na Internet o curta A Conselheira Antropófaga, com uma personagem extraída do novo longa. O humor politicamente incorreto nos faz matar as saudades do Almodóvar de antigamente. Entre o curta e o longa, fiquemos com o meio termo. Afinal, ninguém transita entre o humor e o drama com tanta agilidade e respeito ao espectador como Pedro Almodóvar.

Leia as colunas anteriores de Leonardo Freitas:

Novo Filme de Laurent Cantet 

Canções de Amor 

Quem é o colunista: Um jornalista aficcionado por cinema de A a Z.

O que faz: Jornalista, tradutor e fotógrafo de uma editora de quatro publicações segmentadas.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para Falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

"50 Tons Mais Escuros" ganha trailer inédito; confira

Novo vídeo do longa está mais caliente do que nunca!

Clássico de Chaplin tem sessão gratuita no Auditório Ibirapuera

Exibição encerra a programação do centenário de Paulo Emílio Sales Gomes

Saiu o primeiro teaser de "Homem Aranha: De Volta ao Ler"; vem assistir!

Trailer completo será divulgado nesta quinta-feira

Mais de 20 fotos inéditas de "Transformers: O Último Cavaleiro" vazam na internet; confira

Próximo longa da franquia estreia em junho de 2017

"O Círculo": Suspense com Tom Hanks e Emma Watson ganha primeiro trailer

Em 2017, os atores vão se encontrar nas telonas pela primeira vez

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"