Guia da Semana

Sexta-Feira Histórica

Jason Voorhees ganha novo filme com estilo e sem exageros

Los Angeles


A criação da cinessérie de terror Sexta-Feira 13 aconteceu quase que por acidente em 1980, mas reascendeu o interesse por um gênero repetitivo e fadado aos lançamentos direto para VHS. Pouco antes de seu aniversário de 30 anos, o assassino da máscara de hóquei faz as pazes com sua sua machadinha para aterrorizar uma geração que ainda não conhece a maldição do Acampamento Crystal Lake. Em um filme bem-humorado, estrelado por Jared Padalecki, da série Supernatural, Jason é soberano na hora de apavorar e esbanja criatividade nas inúmeras mortes do roteiro. É sangue que não acaba mais.

Não havia dúvidas que Jason X - no qual o personagem resistiu até mesmo ao fim da Terra e foi ao espaço continuar sua carreira sanguinária - significava o fim da linha para Jason Voorhees. Mas os produtores Andrew Form e Brad Fuller, que se especializaram em retratar grandes clássicos do terror como Horror em Amityville, A Morte Pede Carona e O Massacre da Serra Elétrica, queriam recuperar a essência do personagem.

E esse conceito é simples: leve um bando de gente para um lugar remoto, solte um assassino que nunca morre e seja criativo, com bom-humor se possível. Foi justamente o que aconteceu com o novo Sexta-Feira 13, um filme que não se leva a sério, coloca seus personagens - novamente, jovens com QIs de ostra em coma - em situações que forçam a decisões como: entro na cabana macabra no meio da noite ou procuro ajuda? Claro que eles decidem entrar e morrem das maneiras mais divertidas.

Aliás, os produtores passaram por situações curiosas e atraíram muitos olhares desconfiados enquanto conversavam, muitas vezes pelo telefone, sobre como "matar pessoas". Deve ser agradável ouvir o sujeito da sua frente na fila para o café falando calmamente: "acho que devemos usar o machado para cortar o braço e, depois, para finalizar, o sujeito leva um porrete bem no meio da testa!".

É claro que a maioria do elenco vai morrer. É claro que Jason vai guardar alguma energia para um próximo filme. Mas quem se importa? Sexta-Feira 13 é o retorno de Jason Vorhees às telonas sem grandes invenções bizarras de roteiro ou grandes objetivos. "Temos mulheres bonitas (Amanda Righetthi, de The Mentalist), um galã do momento (Jared Padalecki) e, acima de tudo, Jason. Do que mais um filme divertido precisa?", diz Andrew Form, em conversa com o repórter do Guia da Semana. "O importante era não deixar de lado a sensação que assustou nossa geração e o Crystal Lake é o lugar onde a mágica acontece. Foi só fechar o roteiro, que teve quatro tratamentos, e filmar tudo".

Quem dirige é o alemão Marcus Nispel, (O Massacre da Serra Elétrica e Pathfinder), sujeito de aparência peculiar - deve ganhar uns trocados quando fica muito tempo sentado num banco de praça - cuja missão era executar o renascimento de Jason da maneira mais real possível, e acima de tudo, manter o grandalhão Derek Mears (1,96cm) na linha. É difícil acreditar que um sujeito com aquele tamanho e o porte seja um comediante treinado e naturalmente engraçado.  O resultado foi assustador, especialmente a apresentação da nova máscara. Essa peça, aliás, foi razão de grande revolta entre os fãs, logo que o projeto foi anunciado. Mas, sem estragar a surpresa, o balanço temporal entre o primeiro filme e o surgimento de Jason com a máscara foi muito bem pensado. Foi algo similar ao ver Darth Vader vestir sua máscara pela primeira vez.

Sexta-Feira 13 é aterrorizante, dentro de suas limitações, e engraçado. Afinal de contas, um bando de jovens juntos pode fazer muita bobagem antes do maníaco aparecer e dar cabo de todo mundo. Os momentos cômicos estão bem inseridos na trama e o talento de Aaron Yoo ajudou bastante. Ele interpreta um personagem chamado Chewie, o palhaço do grupo e o único que se destaca em meio a tantos rostos que se esforçam para chamar a atenção e "serem belos". Um desses casos é Travis Van Winkle que, além de ser irritantemente parecido com Tom Cruise, não consegue convencer nem mesmo quando abre uma lata de cerveja. É aquele tipo de personagem que faz o espectador torcer para que morra logo.
 
Já Jared Padalecki mostra que seu treinamento em Supernatural fez bem. O ator soube lidar perfeitamente com a inusitada situação envolvendo Jason Voorhees.  Quase tão alto quanto Mears, Padalecki (1,93cm) aproveitou sua chance de estrear como estrela solo. Diferente de Sam Winchester e cheio de vontade para fazer sucesso, Padalecki foi um dos poucos membros do elenco preocupados em realmente atuar. Foi recompensado pelo esforço.

Sexta-Feira 13 chega aos cinemas para lembrar de que boa diversão pode vir das mais inesperadas fontes e que, na reta final para o Oscar, tomar alguns sustos também faz parte da brincadeira. É diversão garantida.


Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

10 Motivos para ver a animação “Sing – Quem Canta Seus Males Espanta”

Filme chega aos cinemas no dia 22 de dezembro

“Pets” tem sessão gratuita para incentivar a adoção de animais

Cine Matilha exibe a animação em sessão aberta para cães e seus donos

7 Fatos sobre “Fallen” que você precisa saber antes de ir aos cinemas

Adaptação do primeiro livro da saga adolescente estreia no dia 8 de dezembro

4 Motivos para ver “A Qualquer Custo” nos cinemas

Filme com Chris Pine e Jeff Bridges chega aos cinemas em janeiro

"50 Tons Mais Escuros" ganha trailer inédito; confira

Novo vídeo do longa está mais caliente do que nunca!

Clássico de Chaplin tem sessão gratuita no Auditório Ibirapuera

Exibição encerra a programação do centenário de Paulo Emílio Sales Gomes