Guia da Semana

Treze flocos de purpurina

Documentário aborda a rica história da revolucionária trupe Dzi Croquettes



Eu me lembro do meu pai, diretor de teatro, durante a Ditadura Militar, me falando sobre o grupo Dzi Croquettes. Ele elogiava e lamentava por saber que não existiria nada igual novamente. E ele estava certo. Muito tempo se passou para eu entender as manifestações artísticas que me rodeavam e que aquilo tudo existia para ser apreciado. Está em cartaz nos cinemas o documentário Dzi Croquettes para confirmar tudo o que eu já havia ouvido falar sobre o lendário grupo de homens que dançavam travestidos de mulher.

Revolucionários. Esta é a palavra que definia a trupe. Imagine treze homens peludos, subindo ao palco de vestidinhos, purpurinas, cílios postiços e salto alto? Adicione o fato de que se tratava de uma época de Regime Militar. Pronto, está aí a receita para escandalizar e, ao mesmo tempo, se tornar um dos maiores símbolos da contra cultura brasileira.

Confesso que me assustei quando descobri que quem dirigiu o documentário era uma atriz global, que estampava uma das Playboys favoritas do meu irmão. Subestimei. A verdade é que fiquei surpreendida com a direção de Tatiana Issa e só depois entendi que ela mergulhou na história da polêmica companhia por ter feito, indiretamente, parte dela. A atriz é filha de Américo Issa, que foi cenógrafo do grupo. E é por esta razão que o documentário é rico em material de arquivo, incluindo uma filmagem que uma rede de televisão alemã fez dos Dzi em meados dos anos 80.

Co-dirigido por Raphael Alvarez, a produção traz depoimentos importantíssimos sobre a história dos treze dançarinos e, no entanto, outros que poderiam ser facilmente descartados. Apesar da riqueza de conteúdo, o documentário escorrega em alguns momentos. Tatiana e Alvarez exploram, em excesso, os depoimentos recortados, ou seja, um entrevistado fala e o outro termina a mesma frase. Atributo dinâmico, é verdade, mas que devia ser bem utilizado para não criar no espectador justamente o contrário: cansaço.

Além disso, é desnecessário que a diretora pergunte aos entrevistados se todos eles se lembram dela, pequenina, loira de olhos claros, correndo pelo backstage. Isto porque o documentário se inicia com uma narração em primeira pessoa, explicando para o espectador desavisado, como eu, que não conhecia a relação de Tatiana com o grupo.

Apesar disso, há também muito a se elogiar. O documentário vem provar algo que todos nós já sabemos: o Dzi Croquettes era mesmo genial. E, embora tenha feito muito sucesso num país que sofria com a forte repressão do Regime Militar, caiu no esquecimento. Mesmo assim, deixou seu legado para diretores que se inspiram nele até hoje como Miguel Falabella e Jorge Fernando. Vale ressaltar também que a palavra "tiete" vem da trupe e, além disso, muitas palavras que hoje integram o vocabulário gay.

Entre sucesso mundial, purpurina, brigas, AIDS e um fim triste para o grupo, o documentário não emociona só pela grande carga pessoal que Tatiana e Alvarez descarregam, mas também graças aos questionamentos que surgem após conhecermos todos os motivos que, lentamente, levaram o Dzi Croquettes ao fim. Após a exibição, fica em mente o registro da história do irreverente grupo de palhacinhos, como Tatiana os chamava, ou como eles mesmos se definiam: "Nem homem, nem mulher: gente".
Quem é a colunista: Denise Godinho.

O que faz: Jornalista.

Pecado Gastronômico: Spaghetti ao molho de gorgonzola do Café Girundino.

Melhor Lugar do Mundo: Qualquer lugar com os amigos.

O que está ouvindo em seu iPod, mp3, carro: Desde música brasileira com Paulinho Moska e Zeca Baleiro, passando pelo rock alternativo de bandas como Franz Ferdinand, até as músicas "fofas" de She & Him.

Fale com ela: denasgodinho@gmail.com ou a siga no twitter: @_azeviche_ .

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio

Emma Watson aparece cantando em novo vídeo de "A Bela e a Fera"

Atriz interpreta a canção "Belle", uma das primeiras do filme

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína