Guia da Semana

Trilogia Oculta

Colunista escreve sobre três produções de Steven Spielberg que possuem algo em comum



Minha admiração pelo diretor Steven Spielberg ganhou contornos muito mais sérios e profundos depois que me foi revelada a ligação entre três filmes recentes do diretor. Obras que, em princípio, nada têm em comum e que se revelam interligadas diretamente, formando uma trilogia contundente e dissecadora de um trauma recente na vida de uma nação e na história da civilização contemporânea: os atentados de 11 de setembro de 2001.

 O Terminal, Guerra dos Mundos e Munique formam uma trilogia sobre o mundo pós-11 de setembro. Mas como três filmes completamente diferentes entre si podem ter alguma relação e que abordam um tema tão delicado quanto os atentados de 11/9. Para entender como isso é possível, vamos a uma análise mais detalhada de cada um deles.

O Terminal: primeiro filme da suposta trilogia trata de um imigrante que ao chegar aos Estados Unidos se vê proibido de entrar no país. Sem possibilidades financeiras, além da burocracia de retornar a seu país, é obrigado a permanecer indefinidamente no terminal do aeroporto, uma espécie de limbo entre a "terra das oportunidades" e seu próprio e modesto mundo. Dentro desse espaço, vemos surgir aos poucos um micro-cosmos representativo da sociedade norte-americana e da problemática do imigrante. Há o poder constituído que primeiro barra e depois fecha os olhos ao problema, o preconceito xenófobo, a dificuldade de integração e interação, o esforço do imigrante em sobreviver ao ambiente hostil, além das barreiras culturais, que vão do idioma aos costumes. Porém, o que mais se destaca é um endurecimento e uma forte mudança no trato ao estrangeiro. E isso como efeito direto do trauma pós-11 de setembro, quando se passa a olhar com profunda desconfiança a qualquer estrangeiro que tenta entrar no país. É através desse drama cômico que Spielberg expõe a reação paranóica contra estrangeiros que tomou conta do país após os atentados.

Guerra dos Mudos: o que parece apenas uma nova adaptação para o cinema do clássico de ficção científica de George Orwell, serve perfeitamente como parte de uma trilogia que busca mostrar o espanto do terror diante do impensável. Mas o filme se mostra muito mais sutil e de duplo significado do que parece num primeiro momento. É que o imperativo em Guerra dos Mundos é o horror absoluto diante de um ataque de um inimigo desconhecido, sua devastação irreparável e seu domínio imensamente superior. Horror que trás dois lados, duas perspectivas diferentes, mas pertencentes a uma mesma unidade factual: o terror estupefato do inimaginável acontecendo diante de seus olhos (o mesmo que se sentiu diante da queda das torres gêmeas) e o terror da fragilidade ante um poderio bélico incomparável e insuperável (o mesmo que devem ter sentido as populações do Afeganistão e do Iraque quando invadidos). Mas em qualquer dos dois ângulos o que prevalece é o pesadelo da certeza de impotência diante dos fatos e de uma nova e assustadora realidade.

Munique: o último e melhor filme da trilogia vence os demais em complexidade e adensamento reflexivo. O filme parte da dissecação e expurgo de um fato real e crítico que mancha a história do estado de Israel. Trata-se do que ficou conhecido como operação Ira de Deus, uma ação ultra-secreta do Mossad, o serviço secreto israelense, autorizada pela então primeira-ministra de Israel, Golda Meir. A operação consistia em caçar e assassinar uma lista de nomes supostamente ligados ao grupo terrorista Setembro Negro, que nas Olimpíadas de Munique de 1972, sequestrou e executou nove atletas israelenses. A questão levantada no filme é o papel do Estado como instrumento de vingança e a política belicista do revide a qualquer preço. Esta distorção nas atribuições e o descarte de qualquer meio político-diplomático para a busca e punição de culpados remete imediatamente à política Bush pós-11 de setembro e sua sanha em "vingar", com seu vasto poderio bélico, os atentados sofridos pelos Estados Unidos. Contudo, é através da desconstrução da figura do herói vingador e sua derrocada dentro da própria consciência, que Spielberg dá o golpe final em sua análise crítica dos efeitos e equívocos nocivos, germinados - como frutos podres - dos acontecimentos de 11 de setembro de 2001.

Três filmes díspares (uma comédia humana, uma desventura catástrofe e uma tragédia grega moderna), diferentes em tudo, mas sutilmente alinhavados pelas consequências de um mal maior que gera outro mal maior e a dissecação sorrateira dos mecanismos que azeitam o mal dentro do humano e o humano dentro do mal.

Quem é o colunista: gordo, ranzinza e de óculos.

O que faz: blogueiro, escritor e metido a crítico de cinema.

Pecado gastronômico: massas.

Melhor lugar do Brasil: qualquer lugar onde estejam meus livros, meus filmes, minhas músicas, meus amigos e minha namorada.

Fale com ele: rogerm00@terra.com.br ou acesse seu blog

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres