Guia da Semana

Um mundo melhor para a violência

A história se passa na África e na Europa. Embora a diferença de sociedades seja gritante, a violência dos mais fortes com os mais fracos é o fio condutor da trama

Foto: Divulgação


O Oscar de Melhor Filme Estrangeiro não costuma me decepcionar. Até porque existem assuntos urgentes que quase não são abordados pela indústria cinematográfica "pipoca" dos americanos, mas que chamam a atenção da Academia.

A diretora dinamarquesa Susanne Bier respeita a integridade intelectual do espectador no longa Em um mundo melhor, apresentando, já no começo do filme, cenas descontinuadas que revelam a história de cada personagem de modo natural e cativante. A fotografia do filme ocupa-se em trazer elementos de grande propriedade à crítica central dessa história e nos apresenta cenários que diferenciam África e Europa com bastante propriedade. Parece até "coisa de cinema".
 
No meio da trama, algo chamou minha atenção: em uma determinada cena, o protagonista do filme observa com calma uma teia de aranha fixada em uma árvore. A reflexão que se tem neste momento é: "Existe mundo civilizado ou a lei operante ainda é a do mais forte?". Uma teia de aranha, algo passageiro, quase casual se torna, nesse momento, metáfora para as ações subsequentes do filme - uma teia invisível de subjetividade capaz de ligar todos os personagens com o máximo de informações subliminares e o mínimo de diálogos.
 
O filme conta a história de um médico sueco que se divide entre o trabalho missionário no Quênia e a sua família na Dinamarca. Homem íntegro, precisa provar para o filho, um pré-adolescente vítima de bullying na escola - e a ele mesmo, testemunha de atrocidades cometidas por um líder africano - que é capaz de enfrentar a violência irracional dos brutos com atitudes pacíficas e civilizadas. Longe de ser moralista, o filme apresenta um conteúdo humano e emocional que evidencia a diferença entre crianças e adultos, autoridades e autoritarismos.
 
Os atores realizam um trabalho exemplar, com destaque para a atuação do elenco infantil que certamente se envolveu em laboratórios psicológicos para a montagem da estrutura de seus personagens. O roteiro apresenta padrões psicológicos observados em situações reais que abarcam famílias envolvidas em perdas de parentes próximos e históricos de violência, desvio de conduta e/ou inversão de valores hierárquicos.
 
Em vários momentos, Bier critica a omissão das instituições de ensino, das autoridades policiais, da justiça e do Estado no que se refere ao vácuo de poder que permite a cristalização do círculo de violência entre membros da sociedade - algo que acontece em todos os países do mundo, independentemente de sua riqueza e padrão social. A dicotomia entre os cenários africano e europeu, nesse sentido, é de arrepiar e denuncia a existência da incivilidade além dos ambientes hostis do terceiro mundo.
 
(Particularmente o filme chamou minha atenção, pois realizo palestras dramatizadas em escolas sobre bullying e tenho visto, com os meus próprios olhos, o quanto a violência nas escolas pode se tornar o estopim para traumas e diversas catástrofes familiares. O assunto é tratado também no meu próximo livro, Eros e Psique, cujo lançamento acontecerá no dia 1º de abril de 2011, a partir das 18h na Livraria Paulus, Rua México 111, no Rio de Janeiro.)

Leia as colunas anteriores de João Pedro Roriz:

Cisne Negro

Aversão da vida a dois

Tron e seus efeitos especiais

Quem é o colunista:"Sou um bandido corrompido pelas paragens do bem, muito além do homem descrito como poeta".

O que faz: Escritor, jornalista e ator. Autor de nove livros e peças de teatro. Faz palestras em escolas de todo o Brasil. É apresentador do programa "Rio Cultural", da Rádio Rio de Janeiro.

Pecado gastronômico: Todos, principalmente cerveja quando sai com os amigos!

Melhor lugar do mundo: Sua casa, principalmente na hora de escrever e/ou quando os parentes e os amigos o visitam.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: É muito fã de Chico Buarque. Também gosta de música clássica, ópera, rock e MPB.

Para falar com ele: jproriz@gmail.com, ou no seu site.


 


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

15 Filmes para ver em streaming e curtir o feriado no sofá

Neste Dia do Trabalho, assista aos melhores filmes em cartaz nos serviços de streaming

“La La Land” chega ao streaming para deixar seu feriado mais perfeito

Filme com Emma Stone e Ryan Gosling estreia no Looke, Now, Vivo Play e Google Play.

10 Filmes da seleção de Cannes que você vai querer ver em 2017

Biografia de Godard e novos filmes de Michael Haneke e Roman Polanski são destaques no festival

Filmes exibidos em Cannes têm desconto no streaming no mês de maio

Now e ITunes fazem promoção cinéfila para acompanhar o festival

26 remakes ou reboots que você nem acredita que estão nos planos de Hollywood

"Os Pássaros", "A Mosca" e "Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado" estão entre os filmes que podem ganhar novas versões nos cinemas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas