Guia da Semana

Uma História de Amor e Fúria vence festival de animação

Filme de Luís Bolognesi dialoga com revoltas atuais ao narrar quatro períodos revolucionários na história do Brasil

O longa-metragem de animação brasileiro Uma História de Amor e Fúria venceu, no último sábado, o prêmio mais alto do Festival Internacional de Annecy, na França. Criado em 1960, o evento é considerado o mais importante prêmio de animação no mundo, e nunca havia indicado um filme brasileiro até este ano.

+ Conheça filmes clássicos do cinema nacional em cartaz na Cinemateca
+ Assista também ao filme Faroeste Caboclo
+ Saiba quais são os filmes infantis em cartaz

Personagem sob tortura em cena de Uma História de Amor e Fúria

Uma História de Amor e Fúria, que estreou nos cinemas em abril, tem direção de Luís Bolognesi e conta a história de um guerreiro imortal, que reencarna de tempos em tempos para reencontrar o amor de sua vida e conduzir importantes revoltas populares, em diferentes pontos do país. Sua primeira encarnação acontece entre os índios, que lutam contra portugueses, considerados por eles os enviados de Anhangá (um demônio para a mitologia indígena). No segundo ato, o personagem dublado por Selton Mello participa da Revolta dos Balaios e, no terceiro, é um estudante envolvido no combate à ditadura. Já na última parte, o diretor traça um Rio de Janeiro futurista, envolto numa guerrilha pelo controle da água.

Raposa sorrindo em cena de O Fantástico Sr. Raposo

O Festival de Annecy tem entre seus vencedores um histórico de animações adultas e com mensagens sociais ou políticas relevantes, mais do que superproduções com alta tecnologia em efeitos visuais. Exemplo disso é o longa romeno premiado em 2012: Crulic, de Anca Damian, que narra a história de um prisioneiro em greve de fome. Já em 2011, o vencedor foi O Gato do Rabino, uma comédia israelense que discute religião e valores morais. Outros filmes mais conhecidos do público também já foram destacados em Annecy, como O Fantástico Sr. Raposo, de Wes Anderson (2010), Mary e Max, de Adam Elliot (2009), James e o Pêssego Gigante e Coraline, ambos de Henry Selick (1997) e Porco Rosso, do mestre japonês Hayao Miyasaki (1993).

 

 

Atualizado em 20 Jun 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

26 remakes ou reboots que você nem acredita que estão nos planos de Hollywood

"Os Pássaros", "A Mosca" e "Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado" estão entre os filmes que podem ganhar novas versões nos cinemas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas

7 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em maio

"Corra!" e "Alien: Covenant" chegam aos cinemas neste mês

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda