Guia da Semana

Unindo humor ao drama, "O Casamento de May" critica os conflitos religiosos palestinos

O segundo longa da diretora Cherien Dabis chega ao Brasil

Não é de hoje que a mulher é tema central no cinema do Oriente Médio. Ora para denunciar o preconceito ou a misoginia, ora para empoderá-las em uma cultura de tanta repressão. Filmes como "A Separação", "O Sonho de Wadjda" e "Caramelo" representam muito bem essa tendência. A surpresa da vez é "O Casamento de May", segundo longa da diretora palestina Cherien Dabis, que abriu com louvor o último Festival de Sundance. Transitando entre o drama e a comédia, "O Casamento de May" retrata o conflito de gerações, religiões e crenças em meio a história de uma família jordainense - não deixa de lado, entretanto, todas as peripécias típicas de qualquer lar.

Depois de anos, a jovem escritora May retorna a Amã para visitar a família pouco antes de seu casamento. Sua mãe, católica, desaprova o noivo muçulmano, planejando boicotar a cerimônia. O pai, até então distante, ensaia uma aproximação. Ao lado das divertidíssimas irmãs, May descobre que as coisas não serão assim tão fáceis. Todas as reviravoltas a farão reavaliar não só a sua decisão sobre o casamento, como também sobre a sua vida e a sua família.

Não é a primeira vez que o contexto social palestino aparece na obra de Dabis. Tanto em seus curtas, como em seu primeiro filme, "Amreeka", a diretora aborda a sua situação com uma leveza atípica, mostrando-se como uma estratégia para lidar com a delicada situação. Aqui, tais contextos ficam em segundo plano - o objetivo é mostrar as relações interpessoais que, mesmo com as suas peculiaridades culturais, são, na verdade, onipresentes em qualquer lugar do globo.

Em "O Casamento de May", cada personagem tem o seu destaque. Não é apenas a protagonista que deve lidar com as suas questões existenciais. Seja a irmã gay ou a mãe que ainda ama o ex-marido; ou sua atual mulher que acredita que ele a esteja traindo. Até o próprio noivo, que pouco aparece em cena, mas também deixa os seus rastros de dúvida em relação ao casamento. Dosando a quantidade certa de humor ao drama, é importante não se deixar enganar pela leveza da comédia. Seja qual for o tema, o cinema do Oriente Médio entrou com tudo no panorama internacional, mostrando não só a sua qualidade, como também, a sua urgência e importância. "O Casamento de May" deve não só conquistar o público alternativo; mesmo aqueles presos a estética comercial prometem ser conquistados pela delícia de história de Cherien Dabis.

ASSISTA SE VOCÊ:

- Se interessa pelo tema da religião no Oriente Médio 
- Procura um filme engraçado e ao mesmo tempo dramático  
- Gosta de filmes com protagonistas femininas  

NÃO ASSISTA SE VOCÊ:

- Não se interessa por filmes críticos 
- Prefere cinema comercial 
- Procura um filme leviano

Atualizado em 6 Ago 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro