Guia da Semana

Unindo humor ao drama, "O Casamento de May" critica os conflitos religiosos palestinos

O segundo longa da diretora Cherien Dabis chega ao Brasil

Não é de hoje que a mulher é tema central no cinema do Oriente Médio. Ora para denunciar o preconceito ou a misoginia, ora para empoderá-las em uma cultura de tanta repressão. Filmes como "A Separação", "O Sonho de Wadjda" e "Caramelo" representam muito bem essa tendência. A surpresa da vez é "O Casamento de May", segundo longa da diretora palestina Cherien Dabis, que abriu com louvor o último Festival de Sundance. Transitando entre o drama e a comédia, "O Casamento de May" retrata o conflito de gerações, religiões e crenças em meio a história de uma família jordainense - não deixa de lado, entretanto, todas as peripécias típicas de qualquer lar.

Depois de anos, a jovem escritora May retorna a Amã para visitar a família pouco antes de seu casamento. Sua mãe, católica, desaprova o noivo muçulmano, planejando boicotar a cerimônia. O pai, até então distante, ensaia uma aproximação. Ao lado das divertidíssimas irmãs, May descobre que as coisas não serão assim tão fáceis. Todas as reviravoltas a farão reavaliar não só a sua decisão sobre o casamento, como também sobre a sua vida e a sua família.

Não é a primeira vez que o contexto social palestino aparece na obra de Dabis. Tanto em seus curtas, como em seu primeiro filme, "Amreeka", a diretora aborda a sua situação com uma leveza atípica, mostrando-se como uma estratégia para lidar com a delicada situação. Aqui, tais contextos ficam em segundo plano - o objetivo é mostrar as relações interpessoais que, mesmo com as suas peculiaridades culturais, são, na verdade, onipresentes em qualquer lugar do globo.

Em "O Casamento de May", cada personagem tem o seu destaque. Não é apenas a protagonista que deve lidar com as suas questões existenciais. Seja a irmã gay ou a mãe que ainda ama o ex-marido; ou sua atual mulher que acredita que ele a esteja traindo. Até o próprio noivo, que pouco aparece em cena, mas também deixa os seus rastros de dúvida em relação ao casamento. Dosando a quantidade certa de humor ao drama, é importante não se deixar enganar pela leveza da comédia. Seja qual for o tema, o cinema do Oriente Médio entrou com tudo no panorama internacional, mostrando não só a sua qualidade, como também, a sua urgência e importância. "O Casamento de May" deve não só conquistar o público alternativo; mesmo aqueles presos a estética comercial prometem ser conquistados pela delícia de história de Cherien Dabis.

ASSISTA SE VOCÊ:

- Se interessa pelo tema da religião no Oriente Médio 
- Procura um filme engraçado e ao mesmo tempo dramático  
- Gosta de filmes com protagonistas femininas  

NÃO ASSISTA SE VOCÊ:

- Não se interessa por filmes críticos 
- Prefere cinema comercial 
- Procura um filme leviano

Atualizado em 6 Ago 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017

Cahiers du Cinéma elege os melhores filmes de 2016

O brasileiro "Aquarius" aparece em quarto lugar na lista