Guia da Semana

“Walt nos Bastidores de Mary Poppins” é a essência da experiência Disney

História da adaptação do livro é narrada com otimismo e leveza em emocionante trama sentimental

Nada poderia ser mais “Disney” do que um filme sobre um dos maiores clássicos da casa: Mary Poppins. “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” chega aos cinemas no dia 7 de março, trazendo consigo a nostalgia do guarda-chuva falante e dos pinguins animados.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Veja os indicados ao Oscar 2014
+ Conheça as estreias do Oscar que você não pode perder

Apesar do título em português, o filme não busca a realidade por trás das câmeras, mas cria uma nova fantasia ao redor das experiências que levaram a autora P. L. Travers a escrever seu romance – e a recusar por 20 anos as propostas de Walt Disney para filmá-lo.

Ao contrário, também, do que informa o título nacional (o original é “Saving Mr. Banks”, ou “salvando o Sr. Banks”), o filme de John Lee Hancock não mira seus holofotes em Walt, mas sim em Travers, a teimosa escritora inglesa que se revela australiana e cujo pai (Colin Farrell) é lembrado como uma versão fracassada do magnata das animações.

Tom Hanks, do lado oposto da mesa de negociações, é Walt Disney – o próprio. Com as vendas dos livros de Travers caindo, o empresário finalmente consegue convencer a autora a encontrá-lo na Califórnia, para conhecer os planos para o filme e aprovar o projeto.

É nos estúdios em Burbank que conhecemos o brilhante elenco de apoio: Bradley Whitford, no papel do roteirista Don DaGradi; B. J. Novak e Jason Schwartzman como os irmãos Sherman (dupla de músicos que criou a impronunciável “Supercalifragilisticexpialidocious”); e Paul Giamatti, que adiciona camadas de simpatia ao conjunto como o motorista Ralph. 

“Não vou deixar que você a transforme num de seus cartoons bobos”, é a resposta imediata de Travers, através dos olhos arregalados de Emma Thompson. A atriz fecha a cara, esconde os sentimentos e acelera o passo, encarnando a personagem com propriedade. Para autenticar a fama de “difícil” da escritora, o diretor nos presenteia com uma imperdível cena pós-créditos, contendo um áudio original.

Hancock faz com “Walt” o que fez com “Um Sonho Possível” em 2009: transforma uma história dramática real numa série de lições de vida carregadas de esperança e positividade. Se, na realidade, o pai de Travers foi um bêbado sem qualquer futuro, no filme seu lado brincalhão prevalece e se materializa, anos depois, nas cenas cuidadosamente musicadas e coloridas da Disney.

Os traumas se diluem em personagens, projetados na tela ou em carne e osso, enquanto os dois artistas incorporam suas exageradas personas públicas – uma fechada, outra extrovertida. É verdade que o Disney de Hanks talvez tenha pouco de realidade. Como acusou a atriz Meryl Streep recentemente, o empresário provavelmente estava mais próximo de ser tirânico, sexista e até antissemita, do que caloroso e amável como mostra o filme.

Há duas razões para essa diferença – uma óbvia, outra nem tanto. A primeira é que o longa é produzido pelos estúdios Walt Disney e manchar a imagem de seu criador seria, no mínimo, inesperado. A segunda é que, mais uma vez, esta história não pretende ser real. É uma fantasia – tão ficcional quando a própria Mary Poppins – inspirada por uma personagem de carne e osso, que foi P. L. Travers. Walt é um coadjuvante, um símbolo, alguém que personifica os ideais da marca e contrapõe a sisudez de sua convidada, injetando leveza e bom humor àquela história cheia de mágoas.

Como ele, nem mesmo um camundongo de pelúcia aparece gratuitamente neste filme. Tudo é simbólico e cuidadosamente equilibrado, para nos levar àquele familiar encerramento gracioso, perfeito e especialmente catártico. Tipicamente “Disney”.

Assista se você:

- É fã da Walt Disney
- Quer ver uma grande atuação feminina (de Emma Thompson)
- Gosta de Mary Poppins (o livro ou o filme)

Não assista se você:

- Procura uma história totalmente fiel à realidade
- Não gosta do "estilo Disney" (otimista, melodramático, etc)
- Não gosta de musicais (apesar de não ser um musical em si, o filme tem diversos números musicais) 

Atualizado em 6 Mar 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

26 remakes ou reboots que você nem acredita que estão nos planos de Hollywood

"Os Pássaros", "A Mosca" e "Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado" estão entre os filmes que podem ganhar novas versões nos cinemas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas

7 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em maio

"Corra!" e "Alien: Covenant" chegam aos cinemas neste mês

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda