Adeus, careca!

O implante capilar é realizado com os próprios fios da nuca e a eficácia é de 95% a 97% para trazer de volta os cabelos levados pela calvície

Última publicação: 06/09/2011

Foto: Sxc.hu
O ex-chefe da Casa Civil, José Dirceu, foi notícia nos últimos dias. O motivo era um implante capilar que realizou no dia 10 de janeiro deste ano. Foram cinco horas e meia de cirurgia e 6.710 novos fios. O cirurgião responsável pelo tratamento, Fernando Basto, que há 20 anos atua na área de restauração capilar, explica que a técnica utilizada é o microtransplante de unidades foliculares, associado ao Microtransplante Capilar de Linha Anterior Irregular, criado por ele.

Durante o procedimento, realizado em ambiente hospitalar, o paciente recebe anestesia local com leve sedação (em raros casos é aplicada a anestesia geral). Em seguida, uma faixa do couro cabeludo da nuca, local onde os fios não sofrem ação genética, é retirada. Os cabelos são levados ao microscópio, onde técnicas específicas preparam as unidades que serão implantadas artesanalmente nas áreas calvas, com o auxílio de micro-lâminas e agulhas especiais.

Foto: Clínica Fernando Basto
Traçado cirúrgico, área doadora e fios implantados


Unidade follicular, o que é?
A unidade fulicar é formada por uma haste do pêlo, glândula sebácea e músculo eretor do pêlo. Ela só pode ser manipulada por microscópio com ampliação tridimensional. Numa unidade é possível encontrar de um a três fios de cabelo.



Os fios implantados seguem a direção dos remanescentes, para oferecer um resultado mais natural. Além disso, não ocorrem danos às estruturas, preservando a anatomia e a irrigação sanguínea. Segundo Basto, o paciente não sente dor durante a operação ou no pós-operatório. "Algumas vezes, ele pode se queixar de uma leve tensão na sutura da nuca, nos dois primeiros dias, e mais nada", diz. Essa sutura é chamada tricofítica e coopera para o desaparecimento da cicatriz com o crescimento de cabelos no local.

A cirurgia leva cerca de cinco a sete horas e são implantados de seis a nove mil fios. Basto, que já realizou 3.212 transplantes, conta que alguns procedimentos podem chegar a dez horas (mega-transplante), dependendo do caso. A calvívie masculina possui nove graus, dessa forma, até o quinto grau associado a uma boa área doadora, é possível preencher o local afetado em apenas uma operação. Quando o paciente passa para o grau seis ou sete, duas ou mais sessões cirúrgicas são necessárias. O intervalo entre os procedimentos deve ser de, no mínimo, oito meses.

Foto: Sxc.hu
Cerca de 30 dias após o implante, os fios caem e deixam raízes no interior da pele. Em média três ou quatro meses depois, nascem os cabelos novos e definitivos, que vão aflorar até o oitavo mês. O ritmo de crescimento é de um centímetro por mês, mas até 12 ou 18 meses ainda crescem novos cabelos. O coordenador do IX Simpósio Internacional de Cirurgia Plástica, Carlos Oscar Uebel, acrescenta que a integração das raízes implantadas tem eficácia de 95% a 97%. O valor da cirurgia varia de R$8 mil a R$12 mil.

Os riscos são mínimos e as contra-indicações ficam para pacientes com área doadora pobre (por escassez de cabelos, cicatrizes de cirurgias anteriores ou traumas), com precárias condições clínicas (como pacientes diabéticos) ou alterações cardíacas graves. A realização do procedimento não está relacionada à idade. Um jovem de 15 ou 16 anos, por exemplo, com calvície acima do grau quatro, pode fazer o tratamento. "Eles sofrem muito com essa transformação genética, prejudicando toda sua formação pessoal, profissional e afetiva, afastando-o do convívio social", ressalta Basto.

Antes e depois
Foto: Clínica Fernando Basto
Paciente antes e depois da cirurgia


Pré-operatório: são feitos exames de sangue e avaliação cardiológica, além de registros fotográficos do paciente. O cosmiatra e dermatologista Jardis Volpe aplica também uma massagem terapêutica de Shiatsu para relaxar a pessoa antes da cirurgia.

Pós-operatório: loções e xampus são prescritos, assim como vitaminas que estimulam o crescimento dos novos fios. É preciso evitar o sol forte por um mês. Ao chegar em casa, o paciente deverá aplicar gelo sobre a testa durante 15 minutos, de hora em hora, para garantir uma evolução sem inchaços incômodos. Após 12 a 24 horas da operação, o curativo é retirado pelo cirurgião, que vai lavar a cabeça do operado. Nos próximos dois ou três dias, ele deverá lavar a cabeça em casa, três vezes ao dia. A drenagem linfática na testa pode colaborar para diminuir os inchaços pós-operatórios. Os pontos da área doadora cairão sozinhos em, no máximo, três semanas.



O cosmiatra e dermatologista Jardis Volpe explica que, sem tratamento, a alopécia androgenética (AAG) ou calvície é progressiva. O uso de perucas, entrelaçamentos e outros métodos para cobrir o problema apresentam, além de desvantagens estéticas, riscos em desenvolver micoses no couro cabeludo, mau cheiro, ajustes freqüentes, cicatrizes e até arrancamento dos fios ainda existentes.
Foto: Getty Images
Várias tentativas para acabar com o problema já foram criadas sem sucesso, como aplicação de cinzas, óleos de diversos tipos, injeções de vitaminas, choques elétricos, massagens e lasers mas, de acordo com Volpe, a base do tratamento médico é a redução do DHT (Dihidrotestosterona - produzido pelo hormônio testosterona) e a proteção dos receptores androgenéticos contra a ação da substância. Mesmo assim, não há uma fórmula eficaz a curto prazo. "O tratamento deve ser contínuo entre os 16 e 50 anos de idade, período em que o processo ocorre, sendo que as agressões mais fortes são entre 25 e 35 anos", diz o especialista.

Soluções contra calvície
Foto: Getty Images
Na medicina, não há remédios que curem a queda de cabelos ou tragam as madeixas de volta definitivamente. O que existe no mercado são drogas capazes de aumentar a sobrevida dos fios, retardando o aparecimento da calvície. A resposta aos produtos depende do organismo de cada paciente.

? Finasteride: é um potente inibidor de uma enzima chamada 5 Alfa Redutase tipo 2, aprovado para tratamento de calvície em 1997, com o nome comercial Propecia® (MSD). A finasteride atua bloqueando a conversão da testosterona em DHT. Os resultados podem ser observados após seis ou oito meses de tratamento (um miligrama por dia, por pelo menos dois anos). Antes de iniciar consumo, é importante uma avaliação médica dos hormônios e da função hepática, já que o fígado é o local onde a substância é metabolizada, podendo sofrer lesões em pacientes com lesões prévias (como hepatite ou cirrose). A indicação é para quem está na fase inicial da alopécia, para reduzir a velocidade da queda de cabelos e reverter o processo de miniaturização. Tem sido freqüente a associação deste tratamento com as sessões de transplantes.

? 17 alfa estradiol: recentemente (2003) lançado no mercado brasileiro, o uso tópico do remédio diminui a ação do DHT nos folículos pilosos.

? Xampu de Cetoconazol a 2%: antifúngico usado topicamente no couro cabeludo para diminuir a população de fungos, o excesso de oleosidade (o sebo é rico em DHT) e alguns estudos mostram que ele também inibe os níveis de DHT. A aplicação deve ser feita de duas a quatro vezes por semana.

? Revivogen (Advanced Skin and Hair, INC) / Ultrastop 6 (Linha Cosmecêutica): a fórmula contém ingredientes naturais que comprovadamente reduzem a produção local de DHT, bloqueiam os receptores androgênicos e estimulam o crescimento capilar. Deve ser aplicado diariamente (um a dois mililitros nas áreas calvas) com agitação vigorosa antes.

? GEL FF (Flutamida 1% associada com finasteride 0,025%): inibe a produção de DHT. O gel transdérmico permite a atuação apenas no couro cabeludo, sem absorção sistêmica.

? ZYMO HSOR: complexo da enzima 3 a-hidroxiesteróide desidrogenase (HSOR) capaz de degradar a DHT no folículo pilosebáceo, permitindo que o cabelo em fase de miniaturização cresça novamente e receba menor agressão no processo da calvície. O uso pode ser complementado pelo ZymoHair Xampu Enzimático antes da aplicação.

? GEL ZM (Zymo 2,5% e Minoxidil 5%): o minoxidil é um vasodilatador e atua prolongando a fase de crescimento dos fios (fase anágena) e diminuindo a fase de queda (fase telógena).

? Minoxidil 5%: não se acredita que o uso isolado do remédio promova grandes benefícios.

? Suplementos via oral: o fio de cabelo é uma haste composta por queratina. Alguns pacientes apresentam baixa produção da substância por anemia, insuficiência de aminoácidos, vitaminas e sais minerais. O uso de suplementos pode ser útil para promover o crescimento de fios mais vigorosos e de forma mais rápida. O uso isolado é ineficaz contra a calvície.

Fonte: www.peruzzo.med.br



Colaboraram:
? Fernando Basto
? Carlos Oscar Uebel
? Jardis Volpe

Comentários

Destaques do guia