Guia de Compras - Rua 25 de Março

Com preços imbatíveis e multidões de clientes, maior shopping à céu aberto do Brasil garante boas surpresas entre suas milhares de lojas

Última publicação: 04/10/2013

Um dos principais pontos de consumo popular no país, a rua 25 de Março, em São Paulo, é freqüentada, em sua maioria, por uma turma de endinheirados. Pesquisa solicitada pela Giacometti Arquitetura de Negócios e realizada em agosto pela consultoria TNS InterScience revelou que 58% dos que se aventuram na região pertencem às classes A e B. Para muita gente, o resultado é uma desmistificação e tanto sobre o público local. 

+ Confira nossas dicas de como andar na 25 de Março sem passar perrengue
+ Veja a programação grátis na cidade de São Paulo

É verdade que a estrutura para compras está bem longe de ser confortável. As festas de final de ano chegam a atrair mais de um milhão de pessoas num único dia, camelôs ilegais ainda invadem as calçadas (e até a própria rua), a maioria das lojas é apertadinha, não há espaços para descansar ou refrescar-se e a chance de levar ao menos uma sacolada na cabeça é altíssima. Mas os preços até 60% mais baratos em comparação aos dos shoppings valem qualquer sacrifício.

Campeões de venda da 25 de março, os eletrônicos, as fantasias e os games estão por toda parte. Ainda assim, não faltam opções para agradar as mulheres de plantão. Peças de praia, lingeries, bolsas e acessórios também estão nos estabelecimentos de lá, acompanham as tendências da moda e são, sim, de qualidade. Exemplo disso é que conhecida loja étnica Katmandu, especializada em artigos para decoração, vestuário e bijuterias, importados do sudoeste asiático ou produzidos no país. 

Por lá, é possível encontrar batas de estilo indiano, baby-looks estampadas, cintos de pedrarias de Bali, além de colares e pulseiras vindos direto do Tibet. Destaque também para os kits de massagem com sabonete, óleos, sais, massageador, toalhinha e vela aromática, ou os simpáticos móbiles em formato de elefante.

Escondida num predinho na Rua Ladeira Porto Geral, esquina com a 25 de Março, a Releh Bijoux também merece uma visita. É impossível sair de lá sem levar ao menos uma das muitas opções de colares, pulseiras, tiaras, braceletes e brincos, feitos de diversas matérias-primas (como madeira, cristais, vidrilho a acrílico) e em modelos para todos os gostos.

Bijuterias mais sofisticadas, perfeitas para iluminar o look do réveillon, estão à venda na Crystal and Clain, que vende apenas no atacado (aceita, no mínimo, R$ 50,00 em compras). Seus colares, brincos, pulseiras, cintos e adornos para o cabelo fazem da fachada da loja a mais brilhante da área. Para incrementar o visual, a Selina conta com grande variedade em bijuterias finas, mas suas paredes recheadas de cintos são o que mais chamam a atenção. A quantidade de modelos (geralmente feitos de ferro ou couro sintético) é impressionante, assim como os preços

A Vice-Versa Bijoux também chama atenção por outros produtos além dos colares, pulseiras e brincos. A loja apresenta bolsas de praia feitas de palha ou de lona que custam pouco e podem fazer sucesso no litoral. Na Los Detalles dá para encontrar lindos chapéus de sol, produzidos com crochê ou patamar. Para completar o visual e arrasar nas areias, a Gall Moda Íntima tem duas lojas na 25 de Março e vende biquínis e maiôs de todas as cores e modelos por preços a partir de R$ 15,00.

Entre as lugares ideais para encontrar artigos de presentes e decoração, três lojas merecem destaque. O tradicional Armarinhos Fernando tem quase 30 anos de existência e vende aviamentos, brinquedos, cosméticos e tudo aquilo que você procura para deixar a casa em dia na hora de receber os amigos no Natal.

A Doural, que existe desde 1905, também conta com um poderoso arsenal de objetos para o lar (com itens como relógios, tapetes, copos, pratos, cortinas e arranjos de flores). Já a Minas é a escolha certa para presentear. Espaçosa, traz em seus dois andares uma incrível quantidade de bibelôs de porcelana e cerâmica, relógios de todos os tipos, caixinhas de música, sinos-dos-ventos, castiçais, presépios, abajures, luminárias, cortinas e bichos de pelúcia.

A grande maioria das lojas, vale lembrar, funciona das 8h às 19h, de segunda a sexta, e das 8h às 12h, aos sábados. A partir de 15 de dezembro até o dia 30 do mesmo mês, muitas abrirão também aos domingos, das 8h às 14h.

Pamela Cristina Leme redator(a)

COMENTÁRIOS

Destaques do guia