Guia da Semana

Amigo online e offline

A interação virtual é ótima, mas não pode ser nossa única forma de comunicação

Foto: Sxc.Hu


Converso pela internet desde os 12 anos, quando entrava em chats e fóruns para "fazer amigos". Sempre tive um círculo social restrito - gostava de dizer que era seletiva! - por causa da timidez, e me esconder atrás das teclas parecia perfeito. Hoje em dia, uso MSN, Twitter, Orkut, Gtalk e até e-mail por simples falta de tempo, já que trabalho e estudo. Amigos que não vejo há semanas ficam mais próximos, e damos até boas risadas (no melhor estilo "huahuahuahua").

As ferramentas de comunicação pela internet estão cada dia mais completas e ágeis. Meu tio Júnior, que é comandante de avião e está sempre viajando, faz videoconferências com minha tia Flávia e a filha deles, Catarina, de 5 anos, pelo Skype (uma espécie de telefone virtual). Eu, quando tenho um tempinho no trabalho, converso com meus amigos da faculdade sobre a prova do dia, ou com o meu namorado sobre o que faremos no final de semana. É claro que isso facilita a nossa vida, mas é apenas um paliativo para os momentos de correria e a impossibilidade de presença física.

Não podemos abrir mão de contato, do "olho no olho" e do calor humano. Os amigos que são exclusivamente virtuais (aqueles que sequer conhecemos) nunca serão tão próximos quanto os "reais", pois é um tipo de relação totalmente diferente. Existe amizade virtual, mas ela não pode ser comparada aos abraços, risadas e carinhos da amizade presencial. Quantas vezes apenas um olhar foi suficiente para que um amigo me entendesse?

Às vezes, caio na armadilha da Internet: em vez de ligar para a pessoa, mando um e-mail ou falo por MSN. É mais fácil, mais rápido e muito menos trabalhoso. Mas, assim como eu estou na frente do computador fazendo dezenas de coisas ao mesmo tempo, o outro também está, e isso tudo fica bem no meio da nossa conversa. Ruído na comunicação. Sem contar que cada um tem seu ritmo: há aqueles que respondem uma mensagem em segundos, outros que demoram mais do que 5 minutos (uma eternidade para alguém que está esperando uma resposta) e muitos que deixam o MSN ligado e vão jantar ou passear. Mais ruídos.

A verdade é que o online complementa o offline, e vice-versa. Ninguém mais tem tempo para falar com as pessoas apenas pessoalmente ou por telefone, e é ótimo poder contar com as opções virtuais. Da mesma forma, não dá para viver conversando com a tela do computador e imaginando que ela representa fielmente o seu amigo. O equilíbrio, como sempre, é bem-vindo, acompanhado do bom-senso em não descartar nem o real nem o virtual.

Leia as colunas anteriores de Fernanda Carpegiani:

Com que roupa eu vou?

Cada um na sua

Ler é viver

Quem é o colunista:Fernanda Carpegiani - Uma jovem enérgica queaproveita a vida de uma forma intensa e particular.

O que faz: Jornalista apaixonada.

Pecado gastronômico: Batata Frita.

Melhor lugar do Brasil: Ubatuba - São Paulo.

Fale com ela: fecarpe@gmail.com

Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte