Guia da Semana

Asas à imaginação

Jovens encaram os mais diferentes estilos para se assemelharem aos personagens favoritos dos desenhos

Foto: John
Fernanda Ribeiro interpreta Yue, da série Sakura Card Captors

Heróis misteriosos, garotas exóticas e monstros bizarros, habitantes dos mundos fantásticos geralmente presentes nos mangás e nas animações japonesas, embarcam na vida real na pele dos milhares de fãs espalhados pelo Brasil e no mundo, em um movimento que não pára de aliciar mais adeptos com o passar do tempo. Os Cosplayers, termo utilizado para as pessoas fantasiadas da mesma maneira dos heróis favoritos, abusam da criatividade e do trabalho artesanal para alcançar a perfeição das vestimentas utilizadas, exibindo-as em convenções do gênero realizadas em diversos pontos do país, entre elas, a etapa JBC Brasil do WCS, na qual o vencedor garante uma vaga para participar do World Cosplay Summit, maior campeonato de cosplay do mundo.

A febre em torno de Star Trek deixou muitos adolescentes nostálgicos nos anos 80. A fama da produção norte-americana espalhava-se pelo mundo e, junto com ela, a mania de imitar os personagens da ficção cientifica. Os Trekkers, como eram conhecidos, usavam roupas semelhantes às usadas pelos atores da série e utilizavam da imaginação para recriar no mundo real as parafernálias tecnológicas encontradas nos diferentes episódios apenas pela emoção de fazer parte de outro universo.

A moda logo se espalhou e englobou boa parte da cultura teen da época, não demorando muito para alcançar o arquipélago nipônico, onde se estabeleceu e foi responsável por divulgar a cultura japonesa nos outros continentes. Hoje, o Japão é considerado ícone do movimento cosplay. No entanto, em território nacional, a moda chegou com força total somente em 2001, depois das empresas começarem a investir mais no mercado de quadrinhos japoneses.

Caio Kenji / Editora JBC
Como conseqüência desta rápida popularização e do profissionalismo empregado pelos fãs na construção de suas fantasias, a brincadeira tornou-se seria. Iniciado em 2003 pela TV Aichi no Japão, o World Cosplay Summit reúne os melhores cosplayer das 12 nações participantes para disputarem o título de campeão mundial. O Brasil, logo em sua estréia em 2006, consagrou-se vitorioso, deixando os favoritos da equipe japonesa em segundo lugar, graças à determinação de Maurício e Mônica Somenzari, que interpretaram Rosiel e Alexiel do mangá Angel Sanctuary. A editora JBC é responsável pela organização das eliminatórias da etapa brasileira do WCS e todo o ano seleciona os vencedores para participarem da convenção internacional.

Da ficção para a realidade

Fotos: Michel Ikeda e Mubarack
Fiéis adeptas da brincadeira e participantes assíduas dos eventos espalhados pela cidade de São Paulo, Fernanda Oliveira Ribeiro e Laura de Paula (foto) explicam aos curiosos como conheceram a modalidade e quando iniciaram a produção das primeiras fantasias que hoje se transformaram em suas maiores paixões. "Tive contato em 1997 na Mangacon. Achei muito legal ver pessoas homenageando personagens, transportando-os para a realidade. Apenas em outubro de 2006 comecei a fazer cosplays e desde então não parei", comenta Fernanda. Sobre o processo de produção da vestimenta acrescenta: "O trabalho é em 90% dos casos artesanal. Começa com a escolha dos tecidos que vão dar o melhor caimento pra roupa que você quer fazer e se complica ainda mais na hora de trabalhar os acessórios. Um fator limitante é o custo dos materiais, você tenta transpor os acessórios pra realidade usando materiais que estejam dentro de sua realidade financeira: papelão, jornal, papel machê, fibra de vidro".

Laura, de 21 anos, conheceu em 2002 através de sua irmã e foi paixão a primeira vista, ficou encantada com todas as pessoas que se dedicavam a esse hobby incomum e foi uma questão de tempo para que ela começasse a criar suas próprias roupas. "Cada um tem o seu próprio critério, eu gosto de optar por personagens diferentes um dos outros. Para mim, o desafio é me olhar no espelho e não me reconhecer, ver ali apenas o personagem".

O cosplay veio para ficar, trazendo moda, design, música e teatro à comunidade jovem do país. Conceitos nacionais e internacionais são integrados, misturados, modificados, em um movimento que esbanja criatividade e imaginação, além de exigir muita determinação, porém, o árduo trabalho tem uma recompensa satisfatória para esse pessoal, a diversão de participar e integrar um mundo de fantasia em plena realidade.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte