Guia da Semana

Até que ponto é comoção?



No meio do mês passado, uma garota de 12 anos se suicidou no prédio vizinho ao meu. Eu não sei quem ela era - agora, nunca saberei -, mas notei que algo deveria estar errado pelo modo como as pessoas se aglomeravam na frente do meu prédio, formando um círculo praticamente impenetrável e impossibilitando a visualização de qualquer que fosse o cenário central que dera origem a tudo aquilo.

Por muita coincidência, alguns dias depois, tornou-se público um caso que emocionou e revoltou muitos brasileiros; Eloá Cristina Pimentel, uma jovem de 15 anos, foi mantida 100 horas em cativeiro pelo ex-namorado, Lindembergue, o que culminou em um final fatídico: o fim da vida de uma jovem que mal tinha alcançado a puberdade e ainda tinha uma vida inteira pela frente.

Embora os dois casos sejam essencialmente diferentes, um ponto entre eles se apresenta de maneira similar: a forma como a atenção de terceiros se manifestou. No dia em que a garota se jogou, não quis ver nada - mesmo que quisesse, duvido que conseguiria com aquela multidão entre eu e o corpo -, mas ouvi um policial berrando para que as pessoas se afastassem.

Em casa, questionei meus pais - que obviamente comentavam sobre o acontecido - sobre o porquê das pessoas se agruparem em volta. Por que não podiam simplesmente deixar que o policial fizesse seu serviço? Por que tinham que agir como se o fato de uma pré-adolescente ter se jogado do sétimo andar fosse um espetáculo imperdível?

Por comoção, eles responderam.

Discordo. Acho que as pessoas usam o termo ´comoção´ como justificativa, mas na verdade não passa de uma curiosidade invasiva e desrespeitosa; o enterro de Eloá, ao qual compareceram oito mil pessoas, é um claro exemplo disso; no evento religioso, pizzas foram pedidas e a garota foi fotografada por celulares diversos. Há um ponto crucial entre a comoção e a falta de respeito e, ao contrário do que muitos pensam, ele não é tênue. Aliás, as duas são bem distintas e o uso de uma para justificar a outra é inaceitável.

A comoção é uma sensação de pesar por alguém ou por uma situação, é um incômodo, é o anseio de poder ter feito algo que mudasse o rumo dos acontecimentos, levando o ocorrido a um desfecho que lhe agradasse. A falta de respeito, por outro lado, é se agrupar em torno do corpo de uma garota de doze anos, impedindo que os policiais consigam fazer seu trabalho, é comparecer a um enterro de uma desconhecida, pedir pizza e tirar fotos.

Leia também:

? Ema, ema, ema...

? Uma em sessenta milhões

? Piada de mau gosto

? Amigo ou Estranho?

Quem é a colunista: Gisele Zwicker. Para ela, um fim de semana perfeito envolve um bom livro, um bom filme e uma ida ao teatro.

O que faz: Preparando-se para prestar o vestibular.

Pecado gastronômico: Filé de frango com arroz.

Melhor lugar do Brasil: São Paulo, Capital. Não há lugar melhor que o lar.

Fale com ela: gisele_zwicker@hotmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte