Guia da Semana

Conviver e aturar

Alguns apelidos bacanas surgem no colégio, ficam para a vida toda. Outros podem causar grandes problemas

Foto: Sxc.Hu

Muitas amizades começam no jardim de infância e duram por toda a vida. A cumplicidade, o carinho, atenção, aquela coisa de querer estar do lado e ajudar o melhor amigo já vem desde criança. Inclusive, os carinhos e os apelidos também. Alguns são carinhosos, principalmente para aqueles da mesma turminha de amigos.

O problema é quando você muda de escola, por diversas razões (pedagógica, social, mudança de cidade, financeira e etc...). Aí se volta à estaca zero, pelo menos no quesito amigos e colegas. Conhece gente nova, alguns vão com a sua cara, outros não. Divergências de gostos sempre existem, em qualquer lugar, dentro ou fora da escola.

Mas se você, por exemplo, não gosta de futebol e prefere ler um livro, durante o intervalo, é baixinho, usa óculos fundo de garrafa, está um pouco acima do peso, ou na fase das espinhas, os problemas podem começar. Sempre tem aquele cara chato da sala, que detecta a sua vergonha e acaba inventando aquele apelidinho básico, que acaba te incomodando, e às vezes, se espalhando entre todos que estão por perto.

Eu digo que essas chateações são leves, pois nos últimos anos apareceu o termo bullying - a agressão moral e/ou física sofrida por muitos adolescentes, com apelidos e intimações que prefiro nem escrever nessa coluna, de tão horríveis que são. Às vezes, não conseguem se livrar disso, nem com a ajuda da própria escola, precisando apelar para os pais e eventuais mudanças de colégio.

Fica a velha dica: se você é daqueles estouradinhos, que não gostam do apelido e ficam dando atenção para isso, a situação só piora. Quanto mais atenção você der, mais eles vão falar e isso pode até acarretar em brigas e mais problemas. Agora, se você finge que não é com você, a coisa pode mudar de lado. Quanto menos atenção, melhor, porque assim esses caras percebem que você literalmente não liga para o que falam de você. Querendo ou não, vão ter que te aceitar do jeito que você é.

Melhor ainda se você dá bola e levar na esportiva. Você também retruca a brincadeira e se a resposta for boa, deixa o palhação sem graça e reação. Depende de falar a frase certa, na hora certa. Se bem que nem sempre é assim, né? As respostas certas, às vezes, só aparecem bem depois... Apelidos saudáveis são bacanas e podem ficar pra vida inteira. Mas se você se ofender, melhor não encanar muito também. Fazem parte da vida da escola e passam logo, logo... Com certeza você ainda vai chamar seu chefe de coisa muito pior no futuro...


Leia as colunas anteriores de Maraísa Bueno


Mais gritaria


Volta às aulas


Seriado vai...seriado vem...

Quem é a colunista: Maraísa Bueno.

O que faz: jornalista e repórter da equipe do Guia da Semana.

Pecado Gastronômico: uma boa massa e, é claro, chocolate!

Melhor Lugar do Brasil: minha casa, na pequena cidade de Serrania, sul de Minas Gerais (também não dispenso uma boa praia!).

Para Falar com ela: maraisabf@yahoo.com.br ou acesse seu blog

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte