Guia da Semana

Cuidados no verão

O Verão é uma das estações do ano que é preciso ter o cuidado redobrado com os pequenos

Foto: Sxc.Hu



Durante o verão, é preciso tomar alguns cuidados especiais com as crianças para enfrentar as altas temperaturas sem problemas. Em primeiro lugar, a alimentação da garotada deve ser adaptada. É importante aumentar a ingestão de comidas leves, como frutas, legumes (bem lavados) e grelhados, além de diminuir o consumo de frituras e doces. Vale lembrar que nesta época de clima quente, os alimentos estragam com mais facilidade. Por isso, tenha cuidado ao consumir maionese não-industrializada, cremes e comidas de procedência e conservação duvidosa.

A desidratação também costuma ser muito comum e se caracteriza pela perda de líquidos e sais minerais. O problema pode ocorrer por vários motivos, como suor intenso, vômito ou diarréia. Por isso, a ingestão constante de líquidos é essencial. Também é muito importante deixar as crianças brincando em ambientes arejados e sombreados, sempre usando roupas leves.

O principal sintoma de uma criança desidratada é a sede. No entanto, algumas vezes elas não se queixam disso. Por isso, o ideal é oferecer constantemente bebidas saudáveis aos pequenos, como água natural ou de coco e sucos de frutas. 

A exposição ao sol também deve ser cercada de cuidados. Para evitar problemas, o ideal é curtir a praia ou piscina com a garotada antes das 10h, ou após as 16h. Para evitar queimaduras, reaplique regularmente o filtro solar na criança e não a deixe dormir no sol. Os chapéus ou bonés são essenciais, pois cobrem o rosto e o pescoço. E lembre-se: proteja seu filho mesmo em dias nublados!

Já os bebês não devem ficar expostos ao sol por mais de 30 minutos, sendo 15 minutos de frente e 15 de costas. Vale ressaltar que os filtros solares são obrigatórios, mas só podem ser usados em crianças após os seis meses de idade. O mesmo vale para os repelentes.

Enquanto estiver na piscina ou na praia, redobre a atenção. Os acidentes costumam variar de acordo com a faixa etária. Em torno dos cinco anos, por exemplo, são comuns acidentes com traumatismo, pois as crianças têm muita energia e não medem o risco quando se atiram na piscina. Já entre três ou quatro anos, o maior risco é o de afogamento. Portanto, o melhor é nunca deixá-las sozinhas na piscina ou no mar.


Quem é o colunista: Dr. Jorge Huberman.

O que faz: neonatologista e pediatra do Hospital Albert Einstein e do Instituto Saúde Plena.

Pecado gastronômico: salada tropical do restaurante Mestiço.

Melhor lugar do Mundo: Rhodes, na Grécia.

Fale com ele: (11) 5056.8818, contato@institutosaudeplena.com.br ou acesse seu site


Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte