Guia da Semana

Devo, não nego. Será que eu pago?

Jovens seduzidos pelas vitrines e pelas novidades do mercado acabam se endividando, não pagam a conta e entram na vida adulta com o nome no vermelho

Foto: sxc.hu
Um MP4 ofuscou os olhos de Janaína*, que passou da vitrine para o caixa em poucos minutos. Será que foi difícil aos 15 anos usar o cartão de crédito emprestado pelo avô? "De jeito nenhum", afirma. Depois de muitas compras e badalação, a dívida acumulada era de quase dois mil reais. "Não me arrependo de ter comprado, só acho que não tinha tanta necessidade", diz. Como a maioria dos casos, quem cobriu o rombo bancário foi o pai da garota.

Impulsivos, entusiasmados com as novidades que o mercado oferece, principalmente dos eletrônicos e vestuário, e seduzidos pelo status da suposta liberdade trazida pelo uso de cartões de credito ou contas bancárias, jovens menores de 20 anos, com pouca renda ou sem trabalho e experiência, contraem dívidas com juros altos e deixam o nome no vermelho antes de entrar na vida adulta. Uma pesquisa divulgada pela Telecheque, no primeiro semestre de 2006, revelou que essa faixa etária representa 16% dos inadimplentes de cheque sem fundo. De acordo com a CDL-BH, Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte, 65% das pessoas menores de 21 anos estão devendo para as operadoras de cartões de créditos.

Foto: Renata Fiore
O SPC, Serviço de Proteção ao Crédito, diz que em 2007 os nomes sujos entre os menores de 20 anos chegou a 7%. Em 2002, esse número era de 2%. Na avaliação do economista da CDL-BH, Fernando Sasso, o resultado é reflexo da crescente entrada dos jovens no mercado de concessão de crédito, assim como do aumento das contas universitárias. "Hoje, diferente de 15 anos atrás, o adolescente tem mais acesso, tudo está facilitado, a burocracia é menor. Além disso, as estratégias das administradoras e operadoras de cartões, que querem a ampliação do mercado, fazem desse público alvo fácil e vítima das campanhas publicitárias".

Théo: "carrego a dívida até hoje"
Foto: arquivo pessoal
Foi olhando para as condições da conta universitária que o técnico em informática Théo Castelo Nogueira de Araújo viu, aos 18 anos, a dívida com o limite do cheque especial se transformar de 800 para dois mil reais. "Quando era novo gastava muito! Com minhas farras, amigos e banalidades. Só consegui pagar, a metade, graças a um ´empréstimo´ da minha mãe e o salário de um mês inteiro. O restante eu deixei e, quando vi, já estava maior que a dívida inicial". Hoje, aos 25 anos, ele ainda briga com o banco por causa das taxas de manutenção das contas atrasadas.

Característico, o perfil do adolescente endividado, segundo o economista da Associação Comercial de São Paulo, Marcel Solineu, é a falta de maturidade na administração do próprio dinheiro. "Geralmente esses jovens são de famílias de classes B e C, que não têm uma preparação de administração e nem responsabilidades com a família. Além disso, sofrem o efeito da propaganda e da influencia dos amigos", diz. Outro ponto levantado por Solineu é a sensação de poder consumir. "Com um cartão ou talão de cheques na mão, eles se sentem potentes e logo querem mostrar isso ao mundo".

Quem paga a conta?

Marcela: "Sou muito consumista"
Foto: arquivo pessoal
17 anos e nova no mercado de trabalho. Foi com esse perfil que a universitária Marcela Rossini olhou as "oportunidades" em uma grande loja do varejo. Não teve dúvidas, entrou e comprou a tão sonhada câmera fotográfica digital. Além da máquina, roupas, mais eletrônicos e até uma bicicleta recheou a casa da jovem. Como não era maior de idade, a estudante precisou do nome dos pais para fazer o crediário, o resultado: quatro carnês de lojas diferentes e parcelamentos em até 10 vezes. Quem pagou a conta? Ela mesma responde: "Eu paguei cinco prestações da máquina, meus pais pagaram todo o resto".

O economista Fernando Sasso é categórico ao afirmar que boa parte dos adolescentes não faz a dívida no próprio nome porque não tem renda e, quando tem, a idade breca o crediário. "O final da história quase sempre é o mesmo. Para não ficar com o nome sujo, ou os pais pagam a conta feita pelo filho, ou o jovem procura a loja e parcela, em média, de cinco a nove vezes o montante da dívida e acaba se enrolando para pagar".

Quantas possibilidades...

Uma análise feita pela Credicard/Itaú mostrou que 70% dos adolescentes portadores de cartões de crédito estão entre 12 e 15 anos e que esse público efetua em média três transações ao mês, contra duas realizadas pelo mercado total. Falando em crédito, o Real, por exemplo, foi o primeiro banco, em 1986, a oferecer a conta universitária sem comprovação de renda com várias opções de cartões e talão de cheques. Segundo o coordenador do segmento universitário e jovem profissional do Real, Daniel Mitraud, hoje eles representam 17% da base de clientes.

Foto: Renata Fiore
Fazendo uma pequena pesquisa na internet, é possível encontrar mais de 10 instituições que brigam por esse mercado. No caso do Real, Mitraud conta que nesse cenário, bastante competitivo, os detalhes são importantes. "Quando o cliente se torna correntista recebe algumas orientações financeiras de como usar o banco. Também criamos o canal universitário, que traz informações sobre sustentabilidade e investimentos, além do Chat ao vivo que esclarece as dúvidas mais freqüentes". A Caixa Econômica Federal também possui esse tipo de conta desde 2004. Em troca, o banco não oferece cartilha nem uma orientação especial.

Como eles pré - aprovam o crédito? Será que existe um controle para que os jovens não sejam inadimplentes? Segundo Marcel Solineu, a abertura da conta é feita sem muito critério. "Se, por exemplo, o jovem pagar uma conta com um cheque e estiver sem fundos é o comercio que vai correr para receber e não o banco. A relação de parceria é menor porque a instituição financeira não tem perdas com isso". No caso das operadoras de cartões de crédito, o economista afirma: "cruzando os dados de inadimplência e taxas de juros, o limite dado compensa a perda".

Será que eu saio dessa?

A punição pelos gastos incontidos: nome sujo, restrição de crédito e uma conta cinco vezes maior, além de uma bela lição de administração. Para o professor de finanças da Trevisan Escola de Negócios, Edemir de Melo, a primeira atitude a ser tomada é não entrar em pânico. "Esse sentimento é um péssimo conselheiro", diz. A segunda é procurar um órgão de defesa do consumidor, "esse tipo de delegacia pode orientar sobre os juros abusivos praticados pelas instituições". Em terceiro lugar, pare de gastar. "Se a pessoa continuar na roda viva ela não coloca cabo na situação".

Foto: Renata Fiore
Quarto e último passo: não tenha nenhum tipo de constrangimento ao negociar a dívida. O professor é categórico: "enfrentar o problema não significa fazer bobagens ou absurdos do tipo, se endividar para cobrir outra dívida" e ainda conclui "planejamento financeiro é a principal arma para evitar o endividamento. Se o jovem quer viver com tranqüilidade, ele precisa aprender a poupar, ter objetivos bem definidos, ser coerente em suas compras e ter disciplina frente as várias ofertas".


* O nome foi trocado a pedido da entrevistada

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte