Guia da Semana

Fantasminha camarada

Amigos imaginários são um conhecido recurso infantil de minimizar os desafios emocionais. Entenda como se portar caso seu filho crie um para ele

Por Marcus Oliveira

Você já flagrou seu filho conversando sozinho, brincando com alguém invisível? Antes que você se desespere, saiba que isso é completamente natural. Provavelmente ele está na companhia de algum amigo imaginário, o que além de normal, pode ser bastante saudável para crianças, principalmente na faixa etária de 2 a 5 anos.

Não se trata de um distúrbio ou algo parecido. O companheiro fantasma surge no momento em que a criança passa por grandes mudanças, que geram angústia ou estresse, como o nascimento de um irmãozinho, a separação dos pais, a entrada na escolinha, ou a retirada da mamadeira. Independente das inúmeras razões, a dúvida que aparece na cabeça dos pais é uma só: como proceder nessa hora?

Mente criativa

Antes de tudo, o amigo invisível é um recurso valioso que os pequenos utilizam para o seu próprio desenvolvimento. Por não saber lidar com novos contextos, a criança cria este ser imaginário para sentir-se mais segura e enfrentar situações adversas. Costuma ser algo benéfico quando funciona como uma espécie de recurso para que ela consiga compreender e elaborar novos sentimentos, tais como frustração, raiva, medo e angústia.

De acordo com a psicóloga Beatriz Otero, o amiguinho invisível pode até trazer benefícios, colaborando no autoconhecimento e na comunicação. "A criança utiliza esse recurso também para entrar em contato com seu lado de autoridade e exercitá-lo de forma saudável, dando ordens para seu amigo invisível obedecer, coisa que ela não pode fazer com seus pais", afirma.

Passando dos limites

Aprender a dividir, se autoconhecer e adquirir noções de liderança são boas características. Mas os pais precisam estar atentos ao grau de interferência que este comportamento está exercendo na vida dos filhos. Quando o amigo imaginário passa a criar algum tipo de sofrimento real, é hora de se preocupar. A melhor forma de perceber isso é notar se ele inclui o personagem em todas as suas atividades, se tem dificuldade no contato com outras crianças, ou se passa muito tempo isolado e brincando sozinho, mesmo quando está em grupo.

Esses personagens costumam sumir naturalmente, na medida em que novos métodos para lidar com as situações de estresse são desenvolvidos. Mas em alguns casos, após os 5 anos, o "fantasminha" continua a fazer aparições, o que pode apontar um alto grau de insegurança. "Após os 6 anos, a criança já sabe diferenciar bem fantasia de realidade e possui outros recursos para lidar com seus problemas. Nesse caso, ou mesmo antes disso, se a situação sair do normal, os pais devem procurar ajuda profissional", aconselha a psicóloga.

O que fazer?

O ideal é não se desesperar e nem interferir na amizade fictícia. O melhor a se fazer é encontrar uma forma de não repreender a criança, confrontando-a com a realidade. Mas também não se deve incentivá-la, agindo como se o amigo imaginário fosse de carne e osso. Pois ao incentivar, os pais podem alimentar uma confusão na cabeça dos pequenos. E ao repreender, agem como se desvalorizassem um recurso de autodefesa do próprio filho.

No final, o mais recomendado é transmitir aos filhos a sensação de que a coisa toda é encarada como uma brincadeira, que um dia irá acabar. "Os pais devem participar apenas se forem solicitados e perguntar para a criança do que esse amigo gosta, do que não gosta, do que tem medo. Assim poderão entender um pouco melhor o que está se passando com o filho, que responderá através do amigo imaginário", conclui Beatriz.

Atualizado em 28 Out 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte