Guia da Semana

Férias: educação X televisão

A preocupação com a educação dos filhos tem levado os pais a buscarem informações que possam ajudá-los nesta complexa tarefa



A educação é um processo contínuo, cujo objetivo é levar a criança a um desenvolvimento que possa torná-la uma pessoa capacitada, com conhecimento das virtudes morais, transmitindo os valores da sociedade a qual pertence.

Dessa forma, é importante analisarmos a influência que a televisão exerce neste processo. Ela não é simplesmente mais um eletrodoméstico dentro de nossas casas, mas um aparelho que fala, transmite ensinamentos e que difunde modos de cultura.

A criança está mais sujeita a tal influência, uma vez que, inicialmente, tende a considerar tudo o que vê na televisão - desenhos animados, filmes, propagandas, notícias - como reais. A realidade é o pano de fundo sobre o qual se destaca a fantasia. E o tempo em que a maioria das crianças passa diante da tela é imenso. Pesquisas revelam que crianças entre 6 e 11 anos ficam mais de 20 horas semanais assistindo à TV, sem muita possibilidade de sair da ilusão do pensamento mágico. Isso permite que se tenha a falsa idéia de que os desejos possam ser concretizados, sem a necessidade de que seja feita alguma ação, bastando somente a mentalização.

O excesso de tempo na manutenção da criança nessa situação faz com que ela se detenha na infantilidade, com medo de crescer. A capacidade de imitação que a criança tem deve ser orientada para o conhecimento de personalidades reais e não para "heróis imaginários" e inexistentes.

Além do excessivo tempo de exposição aos programas de TV, a assimilação por esse veículo se dá bem mais rapidamente e em maior quantidade de informações, porque utiliza as capacidades audiovisuais em conjunto. Aprende-se sem grandes esforços. Assim, o aprendizado se dá de maneira acelerada e mais prazerosa. O problema é o conteúdo e o valor daquilo que se aprende. Os sentimentos de envolvimento com personagens, identificados com o poder, com a agressividade neles contidos, ficam presentes, desviando a criança das tarefas rotineiras, principalmente escolares. Assim, o uso sem critério da televisão pode causar defasagem no rendimento escolar, uma vez que a criança fica habituada às respostas prontas, à lei do menor esforço.

Esses aspectos, agregados aos novos modelos familiares, geram, algumas vezes, sentimento de abandono por parte da criança e culpa por parte dos pais. Esta situação acaba, muitas vezes, por incitar a criança a ficar no controle do que acontece a sua volta, com dificuldade para lidar com as frustrações, retendo-a em um estágio de compreensão da realidade aquém de sua idade cronológica. O fato de ambos os pais trabalharem fora de casa não os impossibilita de participarem ativamente na educação de seus filhos e sequer de estabelecerem regras mais restritivas ou comedidas quanto ao uso da TV pelos filhos. Apontamos algumas sugestões sobre como usar a televisão de modo que não prejudique, mas auxilie na educação da criança:

  • Não se deve "ver televisão", mas sim ver programas de televisão. Desse modo, pode-se evidenciar e enfatizar a capacidade de seleção e discriminação, que habilitará a criança a assistir aquilo que convém ver.

  • Ajudar a criança na escolha dos programas mais adequados para ela e assisti-los em sua companhia. Falar com a criança sobre os programas de TV pelos quais ela tem mais interesse e escutar seus comentários.

  • Combinar com ela quanto tempo se pode dedicar à TV. É conveniente ter um horário pré-estabelecido para ver programas de televisão.

  • Procurar não colocar uma TV em cada quarto. Este costume incentiva o isolamento e provoca uma dependência da televisão que é contrária à vida de família.

  • Evitar a utilização da TV como babá, dado que ela não cuida verdadeiramente da criança, especialmente se é permitido que veja "o que está passando".

  • Ver ou não ver televisão não deve constituir para as crianças uma questão de prêmio ou castigo.

  • Desencorajar o uso do controle remoto para realizar um multiprograma. Para criar um critério de seleção, devemos evitar ficar presos à televisão quando não se está assistindo um determinado programa.

  • Dar o bom exemplo. Se existir a mediação do adulto, ou seja, se ele estiver presente para conversar sobre os assuntos abordados em determinado programa, pode ser uma ótima oportunidade para apresentar o mundo e discutir.

    Quem é a colunista: Quézia Bombonatto.

    O que faz: psicopedagoga, fonoaudióloga, terapeuta familiar e presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia - ABPp.

    Pecado gastronômico: profiterole.

    Melhor lugar do Mundo: Ilhas Gregas.

    Como falar com ela: ou queziabombonatto@abpp.com.br

  • Atualizado em 6 Set 2011.

    Compartilhe

    Comentários

    Outras notícias recomendadas

    Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

    Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

    Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

    Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

    Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

    Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

    Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

    Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

    4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

    Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

    Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

    Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte