Guia da Semana

Galeria a céu aberto

Arte, hip hop e protesto compõem o universo do grafite, que exige talento e criatividade

Por Larissa Coldibeli

Foto: artbr.com.br
Aula prática do projeto Graffiti.org

Nos muros que beiram grandes avenidas ou em becos esquecidos pelo poder público, o grafite atrai os olhos de quem busca cores e formas entre o caos e o abandono da metrópole. Com mensagens de protesto ou desenhos de ares infantis, permeia a cidade e toma forma pelas mãos de quem não tem medo de se arriscar na ilegalidade com pincel na mão e uma idéia na cabeça.

Usando os mesmos instrumentos de um pichador, mas com uma intenção bem diferente, o grafite surgiu em São Paulo na década de 70. Desenhos moldados em máscaras de papelão, a chamada stencil art, eram reproduzidos pela cidade. Depois, vieram os desenhos à mão livre. Em pouco tempo, essa nova proposta de arte passou a atrair cada vez mais adeptos e chamou a atenção de todo o país.

Foto: Anderson Santiago
Stencil art em Higienópolis

Engana-se quem acha que os grafiteiros se incomodam com a classificação de marginal. Rui Amaral, pioneiro neste trabalho no Brasil, diz que o grafite de verdade só existe ilegalmente: "O grafite verdadeiro é ilegal. Se for autorizado, é arte de rua". Essas intervenções urbanas organizadas, como define Rui, escolhem espaços deteriorados como cenário. Assim, unem o protesto à arte, pois chamam a atenção para a degradação do ambiente e, ao mesmo tempo, dão outra cara ao local.

Levando a sério o conceito de underground, o grafiteiro Zezão ficou conhecido pelos desenhos nos subterrâneos da capital paulista. Sua obra está exposta em galerias - de esgoto -, mas o público vai além dos ratos e baratas que transitam por ali. Seu fotolog traz os "flops" (desenho azul claro que se parece com uma assinatura) à tona.

Ao contrário do que muitos pensam, o grafite não é uma arte exclusiva da periferia. Suas influências podem vir tanto das artes visuais, mais decorativa, como da cultura hip hop, com mensagens de protesto, representação de personagens da comunidade e letras que identificam gangues. Com origem na cultura hip hop, Gustavo e Otávio Pandolfo, mais conhecidos como Os Gêmeos, são internacionalmente conhecidos. Seus desenhos possuem traços singulares que são facilmente identificados por quem conhece: "Fomos forçados a desenvolver um estilo utilizando outras técnicas, como uso do látex e rolinho. Depois, alguns projetos rolaram e a gente conseguiu ter spray", dizem eles.

Foto: Cesio Lima
Rui Amaral

Assim como muitos jovens que se tornaram artistas, Os Gêmeos começaram pichando o próprio nome no final dos anos 80. A partir da década de 90, muitos talentos da periferia foram surgindo. Ao invés de pichar nomes de gangues num ato de vandalismo, passaram a usar a criatividade para transmitir idéias. Hoje, escolas, estabelecimentos comerciais e até residências usam o grafite em seus muros para escapar dos pichadores.

"Hoje, parece que a cena mudou um pouco, as pessoas falam em graffiti como puro dinheiro, e esquecem das ruas", declaram Os Gêmeos. Apesar de destacar que o verdadeiro grafite é aquele proibido, Rui Amaral não condena totalmente a comercialização: "O ilegal é vanguardista. O grafite é a arte plástica do futuro e isso acaba envolvendo dinheiro. O que incomoda é o oportunismo, pessoas que se apropriam do grafite e o transformam em produto". Depois de ter sido preso cinco vezes por causa de sua intervenções, Rui Amaral agora é professor do projeto Graffiti.org, em parceria com o Senac-SP. Junto com a Artbr, sua produtora multimídia, vai lançar ainda este ano a Artbr Social, uma ONG que que terá os mesmos trabalhos desenvolvidos no curso particular, só que para jovens carentes.

Outros tipos de arte de rua:

Além do grafite e da stencil art, outras intervenções urbanas são classificadas de street art. Os stickers e lambe-lambes são adesivos que podem ser colados em muros, postes, viadutos ou onde a criatividade e o ativismo cultural permitirem. A diferença do lambe-lambe para o sticker é que o primeiro é feito com cola caseira, que é mais difícil de ser retirada.


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte