Guia da Semana

Ih, lá vem mais um

A chegada do segundo filho traz medos e anseios tanto para pais como crianças. Respeitar os sentimentos e mostrar individualidade ajudam no aprendizado da convivência

Por Bruno Cesar Dias

Quando soube que Geovana iria chegar, a pequena Yasmin, de três anos, ficou feliz. Afinal de contas, seria uma amiga em casa para brincar. No entanto, bastou a barriga da mãe começar a crescer para ela de fato entender o sentido da novidade. Suas atitudes mudaram e ela ficou agressiva. "Chegou até a bater na barriga, falando que não me amava mais", diz a mãe Juliana Cunha das Neves.

A vinda do segundo filho é sempre um momento de expectativa para a família. Pais e mães já deixaram para trás as inseguranças dos marinheiros de primeira viagem. A principal novidade passa a ser a reação do mais velho. Algumas crianças esperam com alegria e antecipação o irmão, mas são exceções. Para Dina Azrak, psicóloga e autora do livro A linguagem da empatia e tradutora de Como falar para seu filho ouvir, o importante é ver a situação como normal e desafiadora.

"A cada filho, os vínculos de uma família se desequilibram e geram mudanças, e não só no núcleo pai-mãe, mas também em avós e parentes. Ao ganhar o irmão, as crianças começam a aprender a dança da vida, e isso deve ser aproveitado como uma oportunidade de crescimento", comenta a autora.

Medos de gente grande

Se nas crianças o receio é de deixar de ser o centro das atenções, nos pais o temor vem em forma de dúvida: era a hora certa de ter mais uma criança? Como o primeiro reagirá?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda um intervalo mínimo de dois anos entre os partos para plena recuperação do corpo da mulher. Alguns estudiosos, no entanto, apontam como ideal esperar o desenvolvimento completo da primeira infância, concluída aos oito anos.

"As reações vão depender da etapa de desenvolvimento do irmão mais velho e das relações familiares estabelecidas nas formas de tratamento dos pais com a criança ao longo desse tempo e toda a constelação de pessoas ao redor dessa família" explica Kátia Ricardi de Abreu, psicóloga e analista transacional.

Dina Azrak concorda. "Não há evidências de maternidades próximas causarem problemas nos filhos por terem de dividir o colo mais cedo, como acontece com os filhos gêmeos".

Individualidade para os pequenos

Mudanças na rotina, necessidade de dividir a atenção e as visitas. De fato, é muita novidade na vida da criança. As reações extremadas são formas como ela compara, observa e faz seus juízos críticos, assim como nós, adultos. Independentemente da idade, o sentimento é legítimo, e os pais precisam entendê-lo. "Validar o sentimento do filho não significa concordar com atos e palavras agressivas, mas sim aceitá-lo e colocar limites nos gestos inadequados", explica Dina.

Se há pessoas ao redor, então, as reações são ainda mais claras. Quando Geovana recebe visitas, a irmã não para. "Yasmin fica tentando chamar atenção, fala sem parar e mostra brinquedos e novidades. Mas quando cessa a atenção para ela, vai para o quarto chorando e diz que ninguém a dá atenção", comenta a mãe Juliana.

Nessas horas, o diálogo precisa mostrar quão único é o afeto à criança, sem influência do novo membro da família. A conversa deve ser na linguagem da criança, sem infantilizações, apontando limites e possibilidades dentro da nova realidade. "Quando temos uma fala honesta com os filhos, estamos aumentando senso de competência como pais, sabendo que estão dando o melhor para os filhos", reforça Dina.

Para isso, combinações e tratos anteriores devem ser respeitados. Elogiar atitudes positivas da criança também mostra que o medo é desnecessário. Tudo isso acompanhado do envolvimento do irmão nas atividades de cuidado com o bebê, na medida em que ele aceitar e se dispuser a ajudar.

Com calma e jeito, os laços reforçam-se, como comprova Juliana. "Conforme fui conversando e brincando com ela, fomos ficando mais próximas, tanto que ela está um pouco mais mimada agora e sempre disposta a me ajudar com a irmã", diz a mãe, toda boba, confiante que Yasmin e Geovana serão grandes amigas.

        Fazendo dos irmãos grandes companheiros

 

- Trate-os individualmente e sem comparações

- Não entre na defensiva quando o filho questionar o afeto ao mais novo

- Use com respeito o nome da criança e evitar rótulos como caçula ou mais velho

- Envolva o filho mais velho nos cuidados com o bebê à medida que ele aceitar e se dispuser a ajudar

- Faça o irmão participar da recepção às visitas, pedindo para ele apresentar o quarto do bebê

- Leve um presente para a maternidade para presenteá-lo quando for visitar

- Lembre-se de que cuidar dos filhos é também cuidar do relacionamento entre eles. Por isso, não permita agressões

- Deixe claro que o amor a ele é único é insubstituível

 

 

Atualizado em 14 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte