Guia da Semana

Ler é viver!

Pode ser difícil domar um livro, mas as palavras nos fazem vivenciar experiências preciosas

Foto: Sxc.Hu


Quantas vezes você já não ouviu seus pais e professores dizerem que "vocês, jovens, precisam ler mais", ou "melhor ler do que ficar no computador"? As pessoas estão sempre falando sobre a importância da leitura, mas às vezes, a gente não tem ideia do que isso significa. Muitos não suportam sentar e abrir um livro, acham chato e difícil, preferem fazer coisas mais divertidas. Mas ler pode ser um entretenimento.

Desde criança, adoro ler historinhas, livros para meninas, e tudo que pudesse ser colorido e interessante. Me divertia ao viver as aventuras de uma bruxinha, viajar no espaço com um grupo de crianças, ou conhecer a casa de uma ratinha (Ninoca, me lembro até hoje).

Fui crescendo e os gostos foram mudando. Na pré-adolescência, lia diários de personagens com a mesma idade que a minha, dicas sobre relacionamento e sexo para teens, romances, além de outras novidades e curiosidades. Ia aprendendo coisas novas, fantasiando com as histórias e tirando dúvidas sobre a vida. No entanto, tinha muita dificuldade de ler as obras obrigatórias da escola, quando fugiam muito das minhas preferências. E foi aí que comecei a criar uma resistência à leitura.

Durante algum tempo, lutei contra linhas, dormi sobre páginas e xinguei escritores diversos. Achava uma chatice ter que ler isso e aquilo, resenhar depois, fazer a famosa "prova do livro". Sempre deixava pra última hora e passava a madrugada tentando fazer leitura dinâmica, o que só aumentava o meu (quase) ódio pelos livros.

Passada a época do colegial e do cursinho - as mais complicadas com relação à leitura obrigatória -, vejo como me deixei levar pela rejeição ao que não gostava de ler. Englobei tudo no mesmo saco e esqueci de buscar coisas diferentes, que pudessem me interessar e estimular. Claro que encontrei alguns desses no caminho, como "Budapeste", do Chico Buarque, mas a maioria acabou apenas contribuindo para minha aversão.

Aos poucos a gente aprender a apreciar a leitura. Quando abro um bom livro, abaixo minhas defesas e me deixo levar para aquele mundo. Conheço as pessoas, os lugares, os caminhos e me transporto para dentro das páginas, entre as linhas e as letras. Apesar de parecer piegas, a verdade é que existe vida dentro dos livros. E, para vivê-la, basta abri-lo e dar uma chance às palavras.

Leia as colunas anteriores de Fernanda Carpegiani:

Simples Assim

Mudou tudo, e agora?


Natal em Família


Quem é o colunista:Fernanda Carpegiani - Uma jovem enérgica queaproveita a vida de uma forma intensa e particular.

O que faz: Jornalista apaixonada.

Pecado gastronômico: Batata Frita.

Melhor lugar do Brasil: Ubatuba - São Paulo.

Fale com ela: fecarpe@gmail.com

Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte