Guia da Semana

Luto e crescimento

Perder os pais é uma experiência difícil em qualquer idade. No caso de adolescentes, passada a dor, a experiência pode acabar resultando em um amadurecimento precoce

Foto: Getty Images


Dor, tristeza, amargura e revolta. Um misto de emoções pode tomar conta do coração, quando perdemos algum ente querido. No caso dessa pessoa ser o pai, ou a mãe, o sentimento é ainda mais forte. Durante a adolescência, período conhecido pela formação da personalidade e das incertezas, a ausência de um alicerce familiar se torna ainda mais marcante no crescimento de um jovem.

Quando parece que não há mais luz no fim do túnel, a saída é amadurecer, mesmo que precocemente, para atingir a superação de uma situação tão difícil. Pois apesar da morte ser natural à nossa existência, raramente falamos sobre o assunto, e nunca estamos preparados para lidar com a dor que ela traz.

Boas lembranças

Foto: Getty Images


De acordo com a psicóloga Viviane Scarpelo, a morte não acarreta um prejuízo psicológico, mas sim, a forma pela qual lidamos com a perda. "Talvez devêssemos repensar a maneira como estamos vivendo. Portanto, é importante viver bem, estar com quem se gosta, falar sobre o amor que sente e quando a morte acontecer, por ter vivido bem, talvez seja mais fácil aceitar e agradecer por ter passado momentos tão bons e especiais".

É desse modo, que mesmo despreparados para lidar com uma perda tão grande, vários jovens conseguem dar a volta por cima nessa situação. Foi o que ocorreu com a jornalista Nádia Tamanaha, que perdeu sua mãe aos 19 anos, vítima de um problema vascular. "Minha maior dificuldade foi lidar com a dor dos outros, do meu pai, das minhas irmãs e com o vazio da casa. Mas, como eu era o xodó da minha mãe, parecia que eu me sentia mais confortável para apoiar a minha família, como se eu tivesse uma conexão especial com ela".

Aceitação

O pai de Manu* faleceu quando ela tinha apenas 10 anos. Para piorar, após o falecimento do marido, sua mãe entrou em depressão, passando a beber diariamente. "Essa época foi horrível para mim. Cheguei a buscá-la nos bares. Durante minha adolescência, acabei invertendo os papéis e cuidando dela como se eu fosse a mãe da relação", desabafa.

O caminho encontrado para superar o sofrimento, nesse caso, foi a religião. Após fazer alguns retiros e conversas com os colegas, Manu passou a se aproximar mais da igreja evangélica que freqüentava. "Hoje a relação com minha mãe é maravilhosa. Ela é minha melhor amiga! Ainda acho que terei que fazer terapia, pois sofri demais, mas aprendi a dar valor às coisas simples e hoje sou uma pessoa melhor. O importante é você não se revoltar nem questionar o que aconteceu".

Amadurecimento e superação

Foto: Getty Images


Até os seus 25 anos, Gilfabio Nogueira era um jovem sem grandes responsabilidades. Trabalhava apenas para gastar seu dinheiro nas baladas com os amigos, roupas e outras coisas comuns a garotos de sua idade. Sua vida mudou radicalmente após duas grandes tragédias, que tiraram dele, no mesmo dia, o pai e a mãe - enquanto sua mãe falecia no hospital, devido a um tumor no cérebro, seu pai foi baleado com um tiro na cabeça, após reagir a um assalto.

"Eu não aceitava a situação, fiz seis meses de terapia. Não sei de onde tirei forças. Me apeguei muito à minha irmã, minha família, e à minha filha. Tive que amadurecer na marra, assumi as contas, aprendi a fazer comida e virei o chefe da casa", diz Gilfabio, que explica como o tratamento psicológico e a convivência com amigos pode ajudar quem está passando por isso. "Procurar ajuda é difícil, mas muito importante. Assim como o convívio com verdadeiros amigos, e pessoas que tiveram essa experiência, com exemplos de vida que fazem você repensar sobre a sua dor individual".

Para lidar com o luto
? Mesmo que você se sinta sem chão, nosso porto seguro está dentro de cada um, pois o que se aprendeu com o pai ou mãe continua vivo.

? O que falar no momento da morte? Talvez nada, apenas dar um abraço e mostrar que está junto para apoiar.

? Se sentir tristeza e quiser chorar, tudo bem! Cada pessoa tem um tempo para elaborar o luto e é preciso estar livre para expressar suas emoções.



Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte