Guia da Semana

Meninas que gostam de meninas

Como agir quando perceber que a criança pode ser um adulto homossexual

Foto:Getty Imagens


A homossexualidade infantil é um tema polêmico e muitas vezes ignorado. Sem conhecimento, pais e educadores não podem aconselhar ou educar os pequenos sobre o assunto. Sem informação, as crianças não conseguem se aceitar ou definir sua personalidade.

Primeiramente é fundamental entender a origem da sexualidade. De acordo com a psicopedagoga Quézia Bombonatto "A sexualidade infantil não é apenas o exercício do que no futuro será uma sexualidade adulta genital, mas é, em certa medida, a forma de existir e de constituir-se como sujeito"

Formação

Lá na década de 1920, Sigmund Freud, o pai da psicanálise, já dizia que a criança passa por diversas fases de descobrimento do seu corpo. A forma como isto acontece afeta o modo como ela lidará com o sexo na vida adulta.

Em sua formação, a criança aprende que existe feminino e masculino. A princípio não sabe ao certo a qual grupo pertence. É importante lembrar que crianças ainda não têm em mente os padrões que a sociedade impõe sobre os gêneros. Algumas meninas brincam com carrinhos e meninos passam o batom da mãe. Só estão experimentando, imitam os adultos e tentam se entender como homens ou mulheres. Segundo a psicopedagoga, "um menino que aprenda a brincar com boneca provavelmente vai saber lidar melhor com seu filho bebê no futuro. Ou uma menina que brinca com carrinhos pode se identificar com sua mãe que é motorista".

Observa os que estão mais próximo, vê quais são os papéis desempenhados por eles, então, pode se perceber pertencendo a um sexo. De acordo com a Eliana Santos, também psicopedagoga "Pela falta de um modelo participativo forte e atuante de seu mesmo sexo, a criança pode sentir dificuldade em observar o que desperta a atenção do homem ou da mulher", deste como, a atração sexual é dirigida a pessoas do mesmo sexo ou do oposto.

Três visões sobre o mesmo tema

Dr. Luiz Gonzaga, terapeuta sexual, diz que, se o pai acha que o filho é homossexual, é preciso procurar ajuda de um educador especializado. O quanto antes acontecer a consulta, mais eficiente ela será. Deste modo, a criança pode se preservar e ficar com menos cicatrizes emocionais.

Já Quézia Bombonatto aconselha os pais a observarem o comportamento do pequeno, dar espaço para questões e respondê-las com simplicidade. E, quando necessário, abrir uma discussão sobre diferenças entre gêneros e combater conceitos preconceituosos.

Segundo Eliana Santos, também psicopedagoga, cabe aos pais "construir o respeito pela diferença, exaltar o amor, ressaltar a afetividade. Promover a cumplicidade afetiva, partilhar os sentimentos e se envolver emocionalmente com o ser humano na sua essência".

Apoio

Um ponto no qual todos os especialistas concordaram é que através de contato, carinho e apoio os pais mostram amor pelo filho do modo mais puro, em sua essência. Estas demonstrações são fundamentais para a criança criar autoconfiança e se desenvolver plenamente.

Um lugar onde é muito comum a segregação das pessoas diferentes é a escola. Segundo Eliana, os educadores não devem acentuar as diferenças entre meninos e meninas. "Esta diferenciação cria expectativas na criança quanto ao seu papel sexual, impedindo que ela se desenvolva de uma maneira respeitosa pelo outro". Mesmo assim, a criança pode ser taxada de gay pelos coleguinhas, ganhar apelidos grosseiros e até ser agredida fisicamente. Os pais devem ficar atentos. Ao perceberem que as crianças estão mais retraídas ou relutantes em ir à escola, precisam tentar descobrir o que está acontecendo. Conversar com a criança e com os professores. Se necessário, procurar ajuda de um especialista.

Para finalizar, Dr. Gonzaga completa e aconselha os pais se informarem sobre a formação da criança, "muitos acham inútil buscar informações para se conhecer aspectos fundamentais do desenvolvimento da personalidade humana, preferem às vezes, criticar, seguir crenças antiquadas e tentar formar opiniões pessoais que conhecer melhor a vida pessoal de seu filho. É preciso chegar perto para enxergar alguns detalhes, pois cada indivíduo é único e possui suas necessidades pessoais".

Fontes:
Luiz Gonzaga Francisco Pinto, psicoterapeuta e terapeuta sexual
Renascer - Centro de Psicoterapia e Sexologia

Quézia Bombonatto, psicopedagoga
Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp)

Eliana de Barros Santos
Psicóloga e pedagoga
Colégio Global/Escola Globinho

Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte