Guia da Semana

Meu filho é especial

Instituições especializadas no tratamento com crianças com deficiência, psicólogos e terapeutas podem ajudar muito os pais

Foto: Getty Images


Quando descobrem que "estão grávidos", os pais começam a imaginar e idealizar este bebê que irá nascer. Imaginam como será esta criança, do que gostará, planejam atividades futuras e até cogitam sobre o que o bebê será quando crescer.

Diante disso, a notícia de que este bebê será uma criança portadora de necessidades especiais - sejam estas físicas ou mentais - chega como um baque, gerando uma série de sentimentos confusos e, muitas vezes, contraditórios. Medo, raiva, inconformismo, culpa, rejeição, vergonha... São alguns dos sentimentos que aparecem neste momento e se misturam com todo aquele amor e alegria que, normalmente, acompanham a chegada um filho.

É importante, primeiramente, que os pais possam falar sobre estes sentimentos para que consigam lidar com a perda daquele bebê idealizado e aceitar a criança que chega, com suas possibilidades e limitações. Para isso, podem buscar apoio em instituições especializadas, grupos de pais que passam pela mesma situação ou mesmo com psicólogos e terapeutas de sua preferência, além de ler e buscar informações sobre a condição limitante. Quanto maior o conhecimento, mais seguros estes pais estarão para enfrentar a nova situação.

A maneira como a família encara a deficiência irá ter um impacto direto sobre como esta criança irá ver o mundo e si mesma. Vale lembrar que, mais do que uma criança especial, essa é uma criança que precisa, como qualquer outra, ser amada, valorizada, seguir regras, lidar com sucessos e frustrações e sentir-se parte integrante da família e sociedade.

É importante, desta forma, que os pais consigam ter um olhar para as potencialidades e capacidades desta criança, incentivando-a em seu desenvolvimento e na conquista de uma vida plena e feliz.

É claro que isso não significa ignorar as limitações. Elas existem - e serão parte integrante do dia a dia desta criança. Muitas poderão ser superadas, outras apenas contornadas e adaptadas; mas esta criança só conseguirá aceitar-se e ter forças para buscar desenvolver todo o seu potencial na medida em que se sentir motivo de orgulho e amor para os pais e pessoas a sua volta.

 

Leia as colunas anteriores de Renata Peixoto:

Crianças e videogames

Ciúme entre irmãos

Quem é a colunista: Psicóloga, com experiência em Educação Infantil e Recursos Humanos.

O que faz: Psicóloga da Consultoria Familiar Babá Ideal.

Pecado gastronômico: Petit gateau - irresistível!

Melhor lugar do mundo: Qualquer um - se estiver acompanhada das pessoas que amo.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: MPB, rock, pop... tudo misturado...

Fale com ela: atendimento@babaideal.com.br


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte