Guia da Semana

Minha galera

Quem nunca quis ter um grupo de amigos sempre unido? Se sentir parte da turma é uma delícia, dá trabalho e nos ensina muito

Foto: Getty Images

Sempre fui uma pessoa de poucos amigos. Até os 15 anos, tinha uma melhor amiga e uma ou outra colega na escola, mas nunca tive uma galera. Até formei um grupinho no colegial, com umas três ou quatro pessoas, com as quais eu mais andava e saía aos fins de semana, mas foi só agora, com 22 anos, que finalmente encontrei um grupo de amigos. A gente conversa, sai para dançar, viaja, morre de saudades e até discute a relação. Somos uma equipe.

Não sei qual é o segredo para formar uma galera. No meu caso, começou com um grupo pequeno de quatro amigos e foi aumentando com a chegada de agregados e agregados dos agregados. Agora, ao invés de um amigo, eu tenho 20, e de uma vez só.

Compartilhamos momentos incríveis, engraçados, profundos e, o principal: eu passei a experimentar uma sensação deliciosa e inédita de "pertencimento". Estar junto e sentir essa cumplicidade coletiva amplia a nossa noção de relacionamento e nos ensina muito, não só sobre as pessoas em geral, mas sobre nós mesmos.

Ao fazer parte de uma turma, você desenvolve um autoconhecimento maior, e aprende a conviver em harmonia com as pessoas, já que a relação próxima mostra o que incomoda no outro e como o outro encara os seus defeitos. Não existe maneira melhor de saber quem você é do que estar em contato direto e íntimo com seres diferentes (e até opostos).

Lembro das primeiras viagens que fiz com a "equipe", como nos chamamos carinhosamente. Foi rolo do começo ao fim: escolher o destino, reservar e pagar a casa alugada, decidir o que comprar, em qual supermercado, a quantidade de cada coisa, quem vai de carro, que horas vamos sair. Enfim, foi um parto! Rolou até discussão e algumas caras feias. Aos poucos, fomos descobrindo formas eficientes de resolver as coisas práticas, levando em consideração o que cada um fazia melhor, como era o jeito e o gênio de cada pessoa e o que era preciso fazer para a gente não se matar.

A fórmula foi um sucesso e hoje nos respeitamos muito, mas isso só foi possível, porque o desejo de ficar junto e a afinidade falaram mais alto do que as inúmeras diferenças que temos entre nós. Ter e manter amigos não são tarefas fáceis, ainda mais quando se trata de um grupo grande, com muitas pessoas falando, pensando e sentindo ao mesmo tempo. Mas vale o esforço, porque poder compartilhar um pedacinho de nós com um número seleto de amigos, escolhidos a dedo, é maravilhoso e nos faz sentir menos sozinhos e incompreendidos.

Leia as colunas anteriores de Fernanda Carpegiani:

Não será o último

Escolhas certas

Na idade de curtir

Quem é o colunista: Fernanda Carpegiani - Uma jovem cheia de energia,  que aproveita a vida de uma forma intensa e particular.

O que faz: Jornalista apaixonada.

Pecado gastronômico: Batata frita.

Melhor lugar do Brasil: Ubatuba - São Paulo.

Fale com ela: fecarpe@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte