Guia da Semana

“Os Boxtrolls” é uma aventura infantil que tem muito a dizer

Animação em stop-motion defende as diferenças e critica inversão de valores

Chega aos cinemas um time de criaturas adoráveis - um pouco esquisitas, feiosas e perdidamente medrosas, é verdade. Mas não duvide: de dentro de suas caixas, do subsolo de Pontequeijo, os Boxtrolls vão conquistar você.

O filme foi produzido pelo estúdio Laika (“ParaNorman” e “Coraline e o Mundo Secreto”) e estreia em outubro de olho no público infantil, mas merece a atenção de qualquer adulto que se interesse por animação.

Os cenários e os bonecos foram construídos à mão e os movimentos foram conquistados com um mix de stop-motion, desenho e computação gráfica. O resultado são quadros caprichosamente detalhados, com recursos expressionistas (linhas de expressão reforçadas, perspectivas tortuosas e jogos de luz) e uma animação ágil e fluida.

“Os Boxtrolls” é uma inspirado no livro “A Gente é Monstro!”, de Alan Snow, e dirigido por Graham Annable e Anthony Stacchi. O roteiro, assinado por Irena Brignull e Adam Pava, é bastante previsível, mas ganha pontos nos detalhes.

A aventura se passa numa cidade vitoriana chamada Pontequeijo, onde os moradores vivem sob um toque de recolher, temendo as criaturas que vivem no subterrâneo. Segundo o exterminador Arquibaldo Surrupião, elas comem criancinhas e roubam queijos.

Esses seres são os Boxtrolls – construtores natos que vivem dentro de caixas, debaixo da cidade, e roubam sucata dos lixos e das ruas à noite. Eles não comem criancinhas, mas adotaram um menino humano – a quem chamam de “Ovo”. Esse é o nosso herói, e vai lutar para provar aos pontequeijanos que os Boxtrolls são criaturas boas.

Na verdade – e isso é o mais original – o que move Ovo não é a revolta pela captura de seus colegas, mas sim a constatação de que eles são vítimas porque vivem se escondendo em suas caixas e nunca se atreveram a confrontar Surrupião.

Tomando a atitude de ir à superfície à luz do dia, se aliar a uma humana e denunciar a injustiça diante de todo o povo (mesmo que esse não lhe dê atenção), Ovo simboliza a coragem para se defender e se assumir. A mensagem libertadora pode valer à primeira vista para crianças tímidas e para pessoas oprimidas em geral, mas é especialmente válida para jovens homossexuais – o primeiro teaser, afinal, mostrava uma série de famílias diferentes, formadas por duas mães, dois pais, tios, etc., até chegar nos simpáticos pais-caixas.

Além do herói Ovo e sua família de Boxtrolls, o filme deve parte de sua força aos coadjuvantes, que também carregam suas mensagens. Dois capangas (Truta e Picles), por exemplo, vivem discutindo sobre o que chamam de “dualidade entre o bem e o mal” – instigando a criança a questionar quem são os vilões e os bonzinhos naquela história, como na vida real.

Winnie, a amiga humana do protagonista, também é uma personagem incomum: ela é rica e refinada, mas adora histórias de horror e é essa curiosidade mórbida que a leva aos Boxtrolls. Ela não tem as boas intenções de Ovo, mas busca uma boa aventura – como a maioria das crianças que os assistem.

Já seu pai representa os valores distorcidos daquela sociedade: dono de um “chapéu branco” e, consequentemente, de muito status, ele às vezes se esquece de dar atenção à família e às necessidades do povo – mas nem por isso é vilão. O vilão, esse sim, é 100% mau – mas mesmo sua vida tem um toque de tragédia que vai muito além do clichê do trauma infantil: ele tem um sonho completamente inalcançável.

Infantil na história e adulto nas entrelinhas, “Os Boxtrolls” fogem do padrão cômico-bobo de alguns sucessos recentes e oferece aquele “algo a mais”: um texto bem escrito, uma animação bem feita e um trabalho artesanal que só pode ser descrito como uma obra de arte.

Nota: aguarde a cena extra durante os créditos.

Assista se você:

  • É fã de animação
  • Gosta do livro de Alan Snow
  • Quer levar seus filhos para verem um filme leve, inteligente e divertido

Não assista se você:

  • Não gosta de stop-motion
  • Não gostou de “Coraline e o Mundo Secreto” ou “ParaNorman”
  • Não gosta de filmes infantis

Atualizado em 3 Fev 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte