Guia da Semana

Os ficantes

Existem aqueles que depois de um tempo desencanam de pegar todo mundo e outros que fazem isso a vida inteira!

Os ficantes eternos querem pegar todo mundo!
Foto: Stck.Xchng

Vivemos a era dos ficantes. Quase ninguém mais namora, fica noivo e se casa. Quem ainda segue esse ciclo natural (?), corre o risco de não chegar a ver o casamento durar tanto e viver a clássica crise dos sete anos que toda união (dizem) sofre (no caso do namoro, a crise é de três meses - 1º mês: ele/ela é uma graça; 2º mês - ele/ela até que é interessante; 3º mês: Que mala!).

Os ficantes são beijoqueiros vorazes (bocas nervosas) que não primam pela sabedoria da escolha (afinal, qualquer boca disponível vale a pena). Eles se dividem em dois tipos: os ficantes temporários e os eternos.

Os temporários se curam dessa febre de achar que todo mundo é bom de amasso. Nada contra quem não é do ramo, mas já que você se predispõe a ser um ficante, que seja eficiente nisso.

Os eternos passam pelo ridículo de chegarem a uma idade mais avançada achando que a vida é uma adolescência permanente e que os cabelos brancos devem ser ocultos com muita tinta e o corpo, com lipos permanentes, fazendo o culto à artificialidade e jamais perdendo uma rave, por mais teen que ela seja. Alguns chegam ao estágio do patológico e viram pedófilos. Para estes, uma boa terapia ajuda muito a voltar ao eixo, ainda que existam muitos casos perdidos.

Os ficantes eternos adoram os chats. Lá, eles podem mentir a idade, dizer que o computador está com problema e a webcam não funciona, fingir que estão sarados enquanto encolhem a barriga, prometer a sinceridade e o amor que talvez nunca tenham. A cada momento que agem como ficantes eternos, essa síndrome de Peter Pan os emburrece quanto à percepção de si mesmos. E todo o mal vive de mãos dadas com algum tipo de ignorância.

Os ficantes eternos são os chatos do século XXI: criaturas doidas para traçar todo mundo e fazer com que os bem intencionados (aqueles que casam e pensam em família) vivam repetindo que é difícil alguém levar outra pessoa a sério hoje em dia. Aliás, ficar escravo dos mantras das experiências fracassadas no amor não faz de ninguém uma pessoa sedutora, da mesma forma que um corpo perfeito não é o suficiente para alguém ficar imperdível sexualmente. E não existe nada mais "mala" do que alguém que se julga o máximo, que se esquece que cada idade na vida tem suas limitações e benefícios e que existe uma brutal diferença entre paixão, desejo e amor.

Quem é o colunista: Paulo Victor Ribeiro é carioca, jornalista, autor teatral com uma peça encenada no Rio de Janeiro, poeta e contista.

O que faz: Redação publicitária e ghost writer.

Pecado gastronômico: Chocolate e queijo.

Melhor lugar do Brasil: Santos.

Fale com ele: redatorcriativo@yahoo.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte