Guia da Semana

Os perigos por trás do computador

O que os pais da geração cibernética precisam saber para administrar o que seus filhos acessam na internet

Foto: Getty Images


Tenho percebido uma profunda preocupação e frustração nos pais quanto à quantidade de tempo que as crianças e adolescentes desperdiçam na internet. Eles têm razão, mas só preocupação não basta. É preciso agir.


Se a infância e a adolescência são os anos de "treinamento" para a vida, nossos jovens estão se preparando muito bem para a exploração do computador e seus recursos. Mas, mergulhados no msn, Skype, Orkut, Twitter, Facebook, My space, Youtube, 4shared (só para citar alguns); mais os inúmeros jogos disponíveis online, quem tem tempo de estudar, praticar atividades físicas, ou interagir presencialmente com as outras pessoas? Quem tem tempo para alimentar-se de maneira adequada?

Como sabemos, o todo da vida que a gurizada tem de apreender é muito mais do que computador e internet. Então, o tempo tem de ser muito mais bem dividido. Um ilustre pai de olho nessa questão é o próprio Bill Gates, um dos bilionários do núcleo cibernético. Há anos, ele impôs limites para o tempo que os seus filhos dedicam ao "lazer" na internet: 45 minutos diários e uma hora por dia nos finais de semana.

Alguns pais me dizem que, enquanto o adolescente está em sua casa, no computador, eles mantém o controle da situação. Então, questiono sempre: Que tipo de controle é esse? Isso não seria uma atitude de comodismo em relação ao exercício de educar? Me lembra o jeito como muita gente usava a TV há dez anos, deixando a criança se "distrair" em frente à telinha e, assim, ganhando tempo para os seus próprios afazeres.

Pedagogicamente falando, a imediata resposta ao clique do mouse pode distorcer a perspectiva do real, incentivando a gratificação instantânea, criando impaciência e intolerância nas crianças e adolescentes de hoje. Na vida real, as coisas não acontecem imediatas assim. Além disso, sem sequer perceberem, as crianças vão focando-se na net (rede) e transformando-se cada vez mais em seres apáticos, isolados e fisicamente inativos. 


Não nos iludamos. Nenhum pai ou mãe consegue controlar o conteúdo que o filho acessa, porque não pode ficar ao seu lado o tempo todo. São muitos os perigos das informações que chegam pela web extremamente deturpadas, como o tema sexo. A violência, então, está em quase todos os jogos.

Isso sem falar no bullying cibernético, que já causou dezenas de suicídios entre crianças e adolescentes, e vem produzindo traumas silenciosos e duradouros. Os agressores cibernéticos vão se multiplicando, protegidos pelo anonimato e incentivados pela imensa quantidade de possíveis vítimas, disponíveis online praticamente a qualquer momento; bastando uma rápida pesquisa. E, exposto à rede, esse jovenzinho aprende muitos conceitos, palavras e hábitos escusos, piores do que os da TV; já que "ninguém está vendo".

A quantidade excessiva de tempo que a geração cibernética passa prostrada na tela do computador impede o melhor aproveitamento do tempo, que poderia ser utilizado no exercício de outros comportamentos fundamentais para sua vida futura, incluindo o desenvolvimento emocional.

Antigamente, as crianças se reuniam para ir até as bibliotecas ou outros locais e, consequentemente, treinavam o ato de se socializarem. Os adolescentes buscavam os grupos para se relacionar, paquerar, achar a sua "turma". Hoje, aparentemente, temos tudo numa tela de poucos centímetros. Até namoro e sexo tornaram-se virtuais! Como já se vê, algumas consequências dos excessos da vida paralela online já chegaram. Mas outras estão a caminho e nem podemos imaginar quais são.

Já passa da hora de pais e educadores levarem o assunto muito a sério e tratarem de manter um equilíbrio na distribuição do tempo e das atividades desta nova Geração Cibernética; já que ela não tem condições nem experiência de vida para decidir isso por si mesma.

Leia a coluna anterior de Alessandro Vianna:

Ri melhor quem ri por último

Quem é o colunista: Alessandro Vianna.

O que faz: Psicólogo clínico.

Pecado gastronômico: O bom e velho bife à parmegiana.

Melhor lugar do mundo: Um lugar em que se unam praia, sol e uma boa companhia.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3:  No carro encontram-se desde um bom sertanejo até um rock mais pesado.

Fale com ele: acesse seu site.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte